quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Jogos: Sobre programação e coisas afins!

 

O post da vez é pra falar sobre um assunto que interessa a muita gente - programação, claro! - sob a minha ótica de não-programadora porém aprendiz. "Uau, mas Chell, o que raios tem a ver programação com anime e mangá?" - literalmente nada (bem, a menos que você queira ser uma Kobayashi ou sei lá) mas tem a ver com jogos e desenvolvimento de jogos, 2 temas que eu pretendo abordar muito nesse cantinho daqui pra frente, então pensei que talvez fosse legal divulgar algumas iniciativas e dicas pra você que quer aprender a programar jogos mas não sabe por onde começar, ou ainda pra você que só quer aprender a programar pelo conhecimento, crescimento pessoal e visão de futuro e não conseguiu começar ainda.



Primeiramente, aquela pergunta que qualquer aspirante a programador já pensou em fazer - que linguagem aprender? Se precisar de muito poder, Assembly. ... Brincadeira. Tem uma tabela bem interessante do Tiago Gouvea que sugere algumas linguagens pra quem não tem ideia. Python é uma das melhores da lista no sentido "o que oferece poder e praticidade?" e o que eu estudo atualmente; o bom pra programadores de jogos é que saber Python permite que você use engines poderosas como Pygame ou mesmo deixe de ver a customização no Renpy como um desafio. A outra vantagem de aprender Python agora e que o conceituado professor Guanabara tem lançado uma série de exercícios e aulas de Python no canal Curso em Vídeo, o que significa que agora dá para aprender ao menos o básico de Python de graça com videos em português de boa qualidade. Pegar ou largar! Ainda assim não se limite - varias outras linguagens como Android, C++ e Java também são muito populares na programação de jogos. E se o seu intuito não é programar jogos é evidente que o numero de alternativas aumenta.

Mas e aí, de que jeitos posso aprender?

Talvez um curso presencial aí não seja exatamente economicamente viável e talvez um livro de sebo desatualizado não seja exatamente a melhor opção. Claro que ambos funcionam mas, se seu intuito é aprender a programar sem (ou antes de) um curso médio ou superior, ótima noticia: tem cursos de altíssimo nível em português na web. Quanto a isso, preciso deixar aqui uma recomendação que eu pessoalmente ainda não testei mas só escutei coisas ótimas - o tal do famigerado CC50, curso de Ciência da Computação da Harvard, está disponível em 2 plataformas - no CC50.com.br e oficialmente no EDX. Ou seja, sem desculpas pra não fazer essa introdução aí.

E para linguagens? O Codeacademy é de longe minha plataforma preferida, seguida do Coursera, mas não dispense a Khan Academy e similares. Outros que estão muito populares que contém cursos de diferentes linguagens são o Udacity e o Udemy. Outras opções ainda são o Programmers Heaven, o Tuts + e o Codeschool. De resto, varia de linguagem para linguagem. Ruby tem o Guia do Why e Try Ruby; a Microsoft tem ainda o Microsoft Virtual Academy e o Eu Posso Programar, que tem intuitos completamente diferentes. O Eu Posso Programar seria voltado para ambientes educativos e escolas, e nesse sentido há também o Hour Of Code, o Code Combat e o Blockly - sendo o último da Google. Aliás, a Google tem ainda o Android Training oficial (não, sério?) e uma parceria com a Udacity. Preciso dizer que adorei o curso de Android da Udacity, achei bastante interativo e didático mesmo pra leigos. C++, C? C Plus Plus ou Learn C Online. Para HTML e CSS, tem o Don't Fear The InternetAliás, uma propaganda gratuita totalmente não planejada: esses tempos aconteceu o Reprograma em São Paulo, uma iniciativa de aulas de HTML, CSS e Javascript ministradas apenas para mulheres no SENAI durante 3 meses. Eu não sou de São Paulo capital então nem conferi, mas achei interessante. Tenho experiência no curso de Javascript do Codecademy somente e achei bobinho mas... é uma introdução. Enfim, ainda não satisfeito? Calma que dá pra pesquisar um curso que seja a sua cara de qualquer linguagem que quiseres aprender no Hackr.io. De sites úteis, tem ainda o Codepad pra você que só quer testar um resultado sem baixar um interpretador. Simples, rápido, fácil.

Em resumo, existem dezenas - se não centenas - de formas e plataformas para se aprender a programar. E o melhor? Você não precisa ser programador para gostar de programação, certo? Se o seu dilema não é "por onde começo a aprender..." e sim "quero programar mas não tenho motivação, tempo, dinheiro..." - deixe iniciativas bonitas te inspirarem e apoie a causa remotamente com doações, afinal, muita gente tem vontade de fazer carreira na área - que nem é tão bem remunerada - mas não pode por um certo elitismo de "programar é pra homens brancos" etc. que sinceramente não deveria existir em 2017. As escoteiras americanas aprendem a programar, sabem? E existem diversas pessoas e grupos que servem para ajudar aqueles que desejam trabalhar com ou mesmo programar por hobby e nao conseguem ingressar por nao terem o "perfil".

 

Enfim, espero que vocês tenham gostado! Espero poder ajudar pessoas interessadas em programação com os posts que eventualmente posso fazer durante meu aprendizado (er, se não criar outro blog) e que todos possam ter condições, tempo e dinheiro para aprenderem o que quiserem independentemente do que os outros querem ou pensam. Obrigada por lerem, e até! ~

Um comentário: