sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Sobre criação de jogos independentes: Como funciona? Por onde começar? Vale a pena?

Screenshot do jogo que estou supostamente... desenvolvendo! ^_^

Esse post aqui foi inspirado por um dos meus hobbies para quem não sabe, e também motivo de eventuais sumiços meus aqui do blog: criação de jogos. Quem acompanha o blog há tempos talvez saiba que às vezes eu crio joguinhos em RPG Maker 2003, e atualmente estou tentando criar um em Ren'py. E como eu sei que não sou nem a primeira nem a última pessoa que começou sendo fã de jogos e acabou querendo criar seus próprios, resolvi fazer esse post aqui para compartilhar algumas dicas com quem tem vontade de fazer seu próprio jogo independente, mas não tem a mínima ideia de como começar.

Como se planejar? Qual é o melhor programa? Além de compartilhar dicas mais gerais aqui, eu também deixei vários links para cursos e fontes de informações mais avançadas que acho que podem ser de ajuda. Espero que gostem dessa pequena compilação que eu fiz, e aproveitem para acompanhar os meus projetos atuais no meu outro site! ^_-

Por onde começar a fazer um jogo?


Os motivos para uma pessoa querer fazer um jogo são vários, e por isso as formas de se começar a fazer um jogo também. Em outras palavras: às vezes você tem alguma ideia de como vai ser a jogabilidade do seu jogo. Às vezes você não tem ideia alguma, e só tem ideia de como vão ser a história e os personagens, ou um dos dois, ou só da ambientação que seu jogo terá. Às vezes você sabe em que jogo você gostaria de se inspirar, às vezes não sabe.

Em geral, a primeira coisa que você deve (ou pelo menos que pode) fazer quando tem uma ideia para um jogo é estruturar como você quer que ele seja, fazer um brainstorm de ideias e juntar todas as suas inspirações. O que você já sabe sobre seu jogo, o que você já tem pronto? Talvez uma história? Talvez o público-alvo, ou ainda o objetivo, no caso de um jogo educacional? Talvez você ame um determinado tema ou até mesmo uma estética e queira desenvolver algo em cima disso? Talvez outra coisa? Anote em um papel (ou um documento do Word, ou onde quiser!) e comece a desenvolver essas ideias centrais. Pode ser algo mais bagunçado, se você se sentir confortável assim. Em geral, eu gosto de fazer um rascunho em um documento escrito, mas já vi gente que gosta de descrever em um caderno junto com a primeira arte conceitual - inclusive, artbooks geralmente possuem desenhos nesse estilo. Eu já desenhei artes conceituais e fluxogramas de jogos no computador (vide abaixo), mas tem gente que só gosta de fazer isso no papel. Contanto que você se sinta confortável com as suas ideias organizadas de uma forma, e que aquilo te inspire criativamente, vale.


Para exemplificar, vou postar aqui dois rascunhos de jogos que estou fazendo: o primeiro, imagem acima, é de uma visual novel ainda sem nome. O segundo, no Google Docs, é de um jogo de RPG Maker chamado Cuteness Kills. Ambos estão em desenvolvimento, mas eu já tenho bem claro como eu gostaria que eles ficassem, e fui criando isso de forma espontânea. ^_^

Feito esse rascunho, você tem que definir como vai fazer basicamente tudo no seu jogo - por exemplo, a arte; você desenha, ou tem alguém que desenhe para você? Ou, você sabe onde encontrar gráficos prontos? Você é capaz de compôr músicas para a trilha sonora, ou obter efeitos sonoros gratuitamente? Falando assim, parece realmente complicado. Não que seja super fácil, mas as experiências definitivamente te levam a conhecer os melhores caminhos, e eu vou compartilhar com vocês alguns dos que eu sei!

Quanto à música, eu já mencionei aqui que obter efeitos sonoros gratuitamente em geral não é muito difícil; sites como Freesound tem efeitos que podem ser usados livremente em projetos comerciais ou não. Já a música é um desafio maior; linko aqui alguns tutoriais que achei no StackExchange. Apesar de também existirem sites com música gratuita como o SoundCloud, IndieGameMusic, e sites de compositores como Kevin MacLean que disponibilizam suas músicas gratuitamente, você provavelmente vai querer algo mais original, certo Eu linkarei aqui alguns tutoriais que podem ajudar quem quer muito criar suas próprias músicas, mas em geral, uma pedida melhor é ir em um fórum como o do RPG Maker Central, RPG Maker.net ou outros que você pode encontrar no Google, e fazer o pedido para um compositor. Ocasionalmente surgem, por exemplo, músicos que tem vontade de investir na área de música de games e fazem algumas músicas gratuitamente para gerarem portifólio. Se você for um aventureiro que quer criar suas próprias músicas, vai precisar de um programa para criá-las (como o Adventure Game Studio) e outro para editá-las (como o Audacity). E se o seu jogo for uma visual novel e precisar de vozes? Bem, existem sites como o Casting Call Club em que você pode divulgar seu projeto, determinar um salário (ou sem salário) e então esperar pessoas interessadas em fazerem audições. Mas é claro que você mesmo também pode fazer as vozes; recomendo dar uma olhada nesse post aqui sobre vozes e efeitos sonoros em apresentações de cosplay para ter ideia de como fazer uma produção sonora legal e mudar coisas como o tom da sua voz.

Speedpainting no canal do YouTube do blog!

Quanto aos desenhos, eu sou suspeita pra falar porque gosto de desenhar desde sempre, e entendo que existam pessoas que não gostam de desenhar, mas... bem, mesmo sem "talento" eu gosto muito e posso recomendar vários tutoriais para quem estiver começando nesse hobby! Você provavelmente vai precisar de uma mesa digitalizadora, mas como quem não tem cão caça com gato, fazer um desenho no papel, escanear (ou fotografar, mesmo) e fazer o tracing (contorno) em um editor de imagens é uma possibilidade. Outra alternativa é obviamente contratar alguém para fazer a arte (se alguém precisar de ajuda com essa parte, uma diquinha: eu faço comissões, tá? *^_-* E posso recomendar vários artistas melhores que eu, como o Joseph, então pode chamar!) mas há ainda uma terceira e uma quarta alternativas. A terceira alternativa é pegar recursos gratuitos. Eu conheço muitos fóruns que tem chipsets gratuitos de RPG Maker, por exemplo, e sei que muitos artistas fazem "open game art" para quem tem interesse em usar. Há ainda uma quarta alternativa, mas não espalhem: fazer mods (modificações) ou tracing. Dependendo de como for seu jogo e o estilo da sua arte (por exemplo, 3D, 2D ou pixel art, etc.) você pode, de diferentes formas, "copiar" artes de fotografias ou mesmo de jogos e obras similares, e nesse caso sites como Spriters Resource (para pixel art) são boas pedidas. Esse método dispensa inclusive uma mesa digitalizadora, porque você pode fazer a arte em estilos como a vector art ou pixel art, facilmente feitos com o mouse. A moral da história é que fazer a sua própria arte não é impossível mesmo que você não tenha nenhuma noção de desenho nem ferramentas adequadas. É difícil, mas não impossível.

Jogos 3D requerem programas mais complexos que você que está se aventurando nisso deve conhecer - AutoCAD3DMax e afins - porque não é fácil criar um gráfico em 3D. Mas jogos 2D são bem mais simples; basta ter um editor como o Adobe Photoshop (pago) ou o GIMP (gratuito) e ver alguns vídeos no YouTubefazer um curso online e/ou fuçar um pouco para aprender. Claro que não é tão simples assim, leva um tempo e é trabalhoso, mas depois que você pega o jeito é totalmente tranquilo.

Os gráficos extras - por exemplo, fontes, menus e afins - podem ser feitos até no Paint, mas é claro que é muito melhor usar um programa adequado para isso. Contratar um designer freelance com tempo livre em um Upwork ou GetNinjas da vida é sempre uma opção.



A parte do roteiro e do game design geralmente fica com o criador, mas vale deixar aqui alguns recursos que eu recomendo: esse e esse sites podem ajudar muito na criação de personagens, por exemplo, e sites como esse tem vários links que podem ajudar quem está escrevendo. Estão todos em inglês mas não é preciso escrever o roteiro em inglês para fazer bom uso deles. Não conheço sites em português, mas recomendaria procurar no Google ou similares porque com certeza tem. Além disso, se você é uma pessoa que não curte escrever os roteiros, é possível pedir ajuda em fóruns; muitas pessoas em fóruns como o Mundo RPG Maker (em português) por exemplo gostam de elaborar roteiros para jogos e se dispõem a fazer isso de graça.

Enfim, você também vai precisar definir a plataforma na qual você vai criar seu jogo. Dependendo do gênero/estilo que você pretende para o seu jogo, você precisará desenvolvê-lo em uma plataforma diferente. Por exemplo, se você gosta de criar RPGs, o famoso RPG Tsukuru (vulgo RPG Maker) é uma alternativa - atualmente disponível na Steam, inclusive - para criar jogos para Windows; se você usa Linux, existe o RPGBoss. Se você pretende criar uma visual novel ou adventure de texto, a programação é bem possível se você conhece alguma linguagem de programação, mas se não, você pode usar o Ren'py, uma plataforma de criação de visual novels em Python com versões para Linux, Windows, Mac, iOS e Android. Você pode ainda usar o GameMaker para uma variedade de jogos, como plataforma, mas também RPGs e adventures, entre outros, para diversas plataformas (pode conferir lá no site!). Para um adventure de texto, há ainda o clássico Adventure Game Studio. Outros que eu ainda não conferi mas sei que existem são o Stencyl, semelhante ao GameMaker, e o Unity e Unreal Engine que são os mais avançados e servem até para jogos com gráficos 3D. O Unity é bastante popular, mas eu também nunca utilizei. Enfim, certamente existem outros, mas esses foram os que eu lembrei. Vale estudar qual serve melhor às suas necessidades - não só de gênero mas também de orçamento e tudo mais! - especialmente conferindo jogos feitos nesses engines, para ter uma noção da capacidade deles. E, bem, sempre tem a opção "do zero" para os programadores de plantão... fazer um jogo em Android, por exemplo, é possível. Deixei aí do lado uma imagem que sugere linguagens que você poderia aprender, caso tenha interesse. Hoje em dia, sites como o Codecademy te ajudam a aprender a programar de maneira muito humana e simples - estão me ajudando inclusive a aprender Python para ampliar minhas possibilidades no Ren'py. Enfim, tem várias possibilidades de aprender a programar se essa for sua pegada.



Depois de todo esse planejamento, você vai precisar então fazer um game sheet do seu jogo. OK, essa parte não é mandatória, mas ajuda. Ajuda porque te dá um material que você já pode usar na divulgação do seu jogo - o que é sempre bom se você for precisar de financiamento coletivo, por exemplo - além de te ajudar a organizar as ideias daquele rascunho inicial e ver se tem algum buraco ou algum problema com elas.

Um segundo passo então é fazer o game sheet do seu jogo. Um game sheet é um arquivo organizado com os passos do seu jogo. É basicamente uma forma de organizar aquele brainstorming que eu sugeri lá no começo do post. Para essa tarefa, eu recomendaria muito o curso Game Design Document: Define the Art & Concepts do Coursera para você entender o que é game sheet e como elaborar um, já com vários exemplos de game sheets profissionais. De verdade, foi tudo que eu precisei. Ele está traduzido para o português, creio eu, mas vou deixar aqui uma explicação para quem não conseguir eventualmente entender: o game sheet é o documento que reúne todas as informações essenciais do jogo. Não é propriamente um roteiro, mas sim um documento que explicita qual é a plataforma do jogo, gênero/estilo, objetivos, narrativa básica, personagens básicos, os caminhos possíveis no jogo (é um mapa ou é algo mais linear?, por exemplo) ou eentuais minigames. É essa a hora de organizar tudo, colocar o mapa mental que você elaborou em uma folha de papel ou, melhor ainda, em um editor de texto.



Qual é a utilidade disso? Como disse, por mais que você goste de trabalhar de uma forma mais caótica, há um momento em que você sente a necessidade de dar um Ctrl+F para organizar alguma ideia, deixar um comentário e afins, e você só pode fazer isso se você tiver todas as ideias organizadas em um documento de texto no computador. Além de ser importante para você, vai ser importante também para mostrar para quem está interessado em saber sobre seu jogo. E, por fim, é sempre melhor organizar tudo quando você está com a cabeça fresca, não quando você já está super envolvido no processo de criação e começa a se sentir pressionado a progredir, mas percebe que faltou aquela base.



Eu mencionei a questão do financiamento coletivo lá em cima, também. Se você não sabe o que é financiamento coletivo (quem não sabe?! Quem não ouviu falar do caso Zebeleo...? Por favor!), é aquele esquema de pedir doações para uma causa que então é revertida às pessoas que doaram. Sites como Catarse, Vakinha e Kickstarter são muito úteis. Vakinha e Catarse são sites em português, mas o Kickstarter obviamente tem um alcance maior; se o seu projeto for em inglês, é mais interessante fazer a vaquinha em um site em inglês, obviamente. Se você precisa de dinheiro para o seu projeto, mas não tem esse dinheiro, você tem essa opção. É claro que você tem a opção de pedir dinheiro para o governo, até, se seu projeto for de edutainment e seu município tiver projetos culturais nesse sentido. Orçamento não deve ser um problema quando a causa é maior.


Enfim, depois de criado o seu jogo (o que vai demorar um tanto... Você provavelmente só vai ter interesse nessa parte se entrou aqui e já está criando seu jogo... ;;) chegou enfim a hora de divulgá-lo! Yay!! Alguns dos sites nos quais você pode publicar seu jogo gratuitamente e divulgá-lo para adquirir popularidade são o Game Jolt e o Itch.io (que lhe dá a opção de pedir uns trocados a quem baixar o jogo). Além desses que servem para jogos em diversas plataformas, existem ainda aqueles para jogos de plataformas mais específicas - o RPGMaker.net para o engine homônimo, o Kongregate e o Newgrounds para jogos de browser/flash e assim por diante. Claro que você também pode sempre fazer o upload do seu jogo em um site como Mediafire ou Mega e criar um site só para ele, e claro que isso é muito mais interessante se seu projeto é grande e merece uma divulgação à altura. Enfim, existem ainda opções pagas mas muito recompensadoras, como a famosa Greenlight da Steam - mas não se iludam porque é caríssimo publicar um jogo na Greenlight. Só faça isso se você já tiver um jogo popularzinho que dá bastante dinheiro, ou, bem, se tiver dinheiro pra queimar aí na vida.

Por outro lado, game design é uma atividade rentável? Não, não é. Sem ilusões de que você vai lucrar horrores com seus jogos, porque simplesmente não é assim que funciona; além de competir pela atenção e tempo de jogadores muito mais interessados em jogos comerciais, você ainda vai ter que competir pela atenção e tempo de jogadores muito mais interessados na imensidão de jogos independentes que são lançados diariamente. Por isso, não vá com a ilusão de que você vai resolver sua vida vendendo jogos. Spoilers: provavelmente você não lucre nada com seus primeiros, e talvez nem com os últimos.

Isso também não quer dizer que você não seja capaz de, com esforço, produzir um jogo tão bom ou melhor que os jogos comerciais mais famosos usando essas ferramentas que eu mencionei. É uma questão de se esforçar pra fazer "o jogo que você gostaria de jogar", na maioria das vezes. Talvez você tenha uma ideia que você acha um tanto besta e não sabe quem queria jogar, mas olha só: tem gente interessada por aí, com certeza - eu sou uma pessoa que gosta muito de jogos "bobos" e subestimados, pessoalmente. O mundo é vasto e a internet também. Depende de você!



Enfim, eram essas as dicas que eu tinha para compartilhar com vocês hoje. *^_^* São dicas que eu tenho procurado seguir com o intuito de criar um game legal, que funcione direitinho e não me dê muitas dores de cabeça, mas que ao mesmo tempo valha o esforço despendido. Eu acho que é muito importante em um jogo não apenas a estética, nem apenas a jogabilidade ou o roteiro, mas tudo isso. E isso é uma discussão grande, porque tem gente que defende que "jogos são arte" mas ao mesmo tempo só se importam realmente com jogabilidade. A discussão chega a ser um pouco paradoxal quando está nesse pé, porque a pessoa pode curtir o que mais o jogo proporciona mas não reconhecer isso. Se você consegue reconhecer isso, ao menos, penso que já seja um passo para se tornar um desenvolvedor e não somente um jogador.

Caso você fale (ou leia) inglês, vale dizer que eu tirei a maior parte das dicas apresentadas aqui nesse post de uma série de cursos do Coursera sobre Game Design, que está linkada aqui abaixo. Essa série tem tudo que eu falei e muito mais, e alguns cursos já tem legendas em português, então vale muito a pena conferir e fazer os cursos gratuitos. Internet serve para ser aproveitada da melhor forma possível, não é mesmo? Além disso, sempre vale a pena procurar livros sobre game design. Sim, existem livros sobre o tema e em geral livros são recursos bem melhores que qualquer post ou apostila gratuita na Web, porque a pessoa que os escreve geralmente (nem sempre...) se dedicou muito mais, usando de tempo e bagagem para escrever algo legal.

Se você estiver desenvolvendo um jogo, ou tiver se interessado na ideia depois de ler esse post, dá uma comentada aqui com o seu jogo! Nem que você só tenha criado um blog com a conceptual art ou coisa assim, eu adoraria conhecer seu jogo. De verdade, gostaria de poder apoiar todas as pessoas que tem interesse em criar jogos aqui no Brasil, porque como uma hobbyista com vários amigos que são criadores independentes ou trabalham nessa indústria, eu percebo como existem muitas dificuldades, um círculo muito fechado para diversidade (de ideias, estilos de jogos e tudo mais) em alguns lugares, e gostaria que falássemos mais sobre criações de jogos num sentido mais amplo. Obrigada por lerem até aqui, e espero que tenham gostado do post! Até mais! ~

Fontes:

4 comentários:

  1. Oi eu ja crie e postei um bem curto comemorando o Halloween estou pensando em fazer outro ainda para o natal mas não sei se vou.

    Eu geralmente escrevo nos note do celular como sempre ta perto e exporto para o google drive, assim mesmo fragmento da história não se perdem, porque do nada eu tenho inspiração para uma cena ai eu preciso escrever, ate em guardanapo eu ja escrevi, so espero acha-los porque vou precisar.

    Atualmente estou fazendo um jogo, e pretendo focar nele eu sou péssima com nomes mas como ja escolhi esse fica esse mesmo, além de um outro blog para meus projetos tenho um site free só para eles.

    Mas dentre os meus projetos tenho ainda uma com o Kyo que quero fazer porque acho ele um personagem muito legal para não ter rota em Hakuouki.

    Eu fiz uma postagem sobre criação de visual novel, mas focando em outra parte como história dicas de organização visual para quem acompanha o jogo e tal.

    Eu também estou começando a desenhar no pc, e ficou bem legal o Chibi que fiz e o personagem do jogo de natal se eu fizesse exceto os olhos que estão esquisitos ainda, não tive tempo de ajeitar.

    http://otomerama.webnode.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Taina! Tudo bem contigo? Nossa, super desculpas por não ter conseguido responder antes. Na verdade, eu achei que já tivesse respondido mas meu comentário não foi? Enfim, desculpas sinceras ;;;;;;

      Pois é! Eu também uso o anotações do celular. Esqueci de deixar essa dica mas ela é ótima e super útil. Que legal! Vou dar uma conferida no seu jogo. ^_^ Eu te entendo kkk, também sou péssima com nomes de jogos.

      Aw! Eu não me lembro muito dele no jogo mas tem vários personagens secundários no jogo que não tem rota e chamaram minha atenção também. Acho super digno! Fangames são como fanfics, só que mais elaboradas e eu me divirto muito jogando, especialmente quando tem alguma comédia neles. ^_^

      Entendi! Vou conferir! ~ Ah, eu fiz uns posts aqui no blog sobre desenhar, se você quiser conferir também. Talvez ajude!

      Super obrigada pela visita e pelo comentário! Vou conferir Halloween Quest agora! Até mais! ~

      Excluir
  2. Oi Chell!

    Quanto tempo! Achei legal você mencionar o GDD. O tanto que esse tipo de texto ajuda a organizar as ideias pro jogo não tem tamanho.

    Ver seu post e o rpg que eu tenho jogado ocasinalmente com meus amigos me animou a voltar com o meu jogo. É bem simples e clichê, brincando com os próprios clichês de rpg, mas espero que algum dia saia do development hell xD

    Até, abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alex! Desculpa a demora pra responder primeiramente... eu so percebo o seu comentario quando estou vendo o email no celular, entao vai de celular mesmo. Desculpa a falta de acentos !
      Nossa, muito. Eu sou um tp de pessoa que nao consegue fazer grandes projetos sem um planejamento ou eu largo na metade do caminho. Se eu ainda nao larguei os projetos de jogos que eu tenho foi por esse motivo.
      Eu sei!! Vc tem feito ele tambem? :D legal, e uma comunidade incrivel e bem divertido IMO. Depois mostra e se quiser eu posso divulgar quando tiver progresso etc. O meu de RPG Maker nao e tocado ha meses, mas estou com saudades tb. Boa sorte pra ti e pra mim rs ;)

      Obrigada por passar aqui e comentar! Ate a proxima :D

      Excluir