segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Meu top 10 de "séries de anime basicamente desconhecidas"!

Imagem do anime Hatenkou Yuugi, que eu comento aqui nesse post!

Olá, gente! Como vão vocês?

O post de hoje tem um tema super aleatório. Certo dia, eu me peguei pensando em quantos animes eu assisti em dez anos acompanhando temporadas de anime. Quantas temporadas eu não acompanhei, quantos animes eu não curti e outras pessoas também, quantos sucessos hoje tidos como clássicos (como Code Geass, que está fazendo 10 anos esse ano! Já falei isso hoje? Já??) eu assisti durante o lançamento... Ah, quantas histórias.

No meio de todas as coisas que são lançadas, é claro que nem todas ficam na boca do povo otaku, no meio da rodinha de anime. É claro que tem aquele 1% que fica bem de escanteio, lá no canto do elevador, que ninguém mais fala nada sobre. E às vezes não são nem séries tão ruins; é que na montanha de lançamentos, elas realmente são deixadas de lado por muita gente, e como antigamente nem tudo era legendado, as legendas acabavam atrasando - ou nem saindo - e coisa e tal. Por isso, mesmo quem acompanha anime há muito tempo talvez não se lembre dessas séries. Como eu gostei delas na época em que assisti, resolvi fazer esse post aqui de divulgação de como sou anime hipstdessas séries. Falando sério, são séries que eu achei legal e que muita gente nunca ouviu falar sobre, nem ouvirá em outro lugar, mas que tem alguns fãs fiéis. Eu vou deixar de lado aqui séries como Shounen Hollywood [resenha] que se encaixam nesse critério mas que eu já resenhei aqui no blog, e focar principalmente nas séries de 2012 ou mais antigas. Então, espero que gostem dessas recomendações!~  (ノ◕ヮ◕)ノ*: ・゚✧

P.S.: Um negócio legal é que essas séries são tão desconhecidas que não foram licenciadas, ou os licenciadores desistiram delas, então você pode assistir todas no YouTube! A exceção é Hatenkou Yuugi, que por algum motivo místico conseguiu ser licenciada neste ano, quase 10 anos depois do seu lançamento, então... bem. Eu disse que esse troço era especial.



Essa é uma série cujos primeiros episódios eu assisti assim que saiu, passou muitos anos na minha Plan to Watch e eu só fui assistir mesmo recentemente, então há a possibilidade de estar em primeiro lugar apenas porque minha opinião é enviezada e a animação relativamente ruim e o insucesso de todas as outras séries desfocou um pouco minhas "lentes de qualidade" ao longo dos anos. Enfim, Antique Bakery é essa série baseada em um mangá da Fumi Yoshinaga que conta a história de quatro rapazes que abrem uma confeitaria. Um deles é gay e tinha um crush em outro no Ensino Médio; eles acabam se reencontrando por acaso, e se convencem a trabalhar juntos e a tentar fazer a confeitaria dar certo. Além disso, o guarda de um deles e um ex-lutador também acabam se juntando nesse incrível Zebeleo. O final é inconclusivo pois a série saiu antes de o mangá terminar, mas prometo que a história é bonitinha e me entreteu mais do que eu esperava. A trilha sonora é bem legalzinha, e em geral não tem nenhuma grande qualidade técnica, mas diverte - confesso que eu devorei os episódios. Recomendo a quem é fã de confeitaria, BL ou joseis realistas e interessantes no geral.






Eu fiz um post aqui recentemente para falar sobre Hatenkou Yuugi por conta do post sobre o cosplay de Rahzel, então não vou me estender falando sobre a série novamente. Pra ser bem sincera eu não acho o anime tão bom assim, porque o anime corta a história (ótima, linda!) do mangá logo no comecinho e joga um final inventado e tosco. Por outro lado, a trilha sonora é simplesmente maravilhosa (conta com nomes como Kanako Itou, então...) e tem um desenho melhor que o do começo do mangá, então não posso falar mal daquilo que me introduziu ao universo da série. Admito, gostei muito do que assisti na época, e não é à toa que o mangá virou minha série de mangá favorita. Espero que vocês dêem uma chance para essa série tão subestimada e acabem se apaixonando tanto quanto eu! ^_^




Eu já mencionei aqui sobre essa série já que fiz esse tutorial de cosplay dos personagens dela, mas basta dizer que esse era meu anime favorito quando eu tinha uns 13 anos. Não, meu gosto não era horrível, mas ele mudou muito - felizmente. O mangá foi lançado aqui pela Panini mais ou menos na mesma época, e eu cheguei a comprar tudo e gostei mais ainda; a continuação nunca foi lançada no Brasil. Princess Princess é um mangá de Mikiyo Tsuda (mais conhecida pelo pseudônimo Taishi Zaou, que ela usa para publicar obras BL como Love Stage!! [resenha]) que não é exatamente BL, mas tem uma pegada homoerótica forte. Tooru é um rapaz que acabou de entrar no Ensino Médio, e vai estudar em uma escola masculina que tem uma estranha tradição de vestir os rapazes mais bonitos de mulher. Tem aqueles que gostam dessa tradição, os que detestam, e aqueles como Tooru - o "protagonista que se parece com o espectador" - que só acham tudo muito bizarro e acabam se divertindo. É uma comédia e não-romântica, mas vale a pena assistir se você curte BL porque o slash é forte, e é interessante como a série subverte estereótipos de gênero e coisa e tal. *^_^* Se você gosta desse tipo de comédia, recomendo!~



Chega a ser criminoso o quão incrível e subestimada essa série é. Baseada em um mangá shoujo de autoria de Reiko Shimizu, essa série é sobre um universo futurista no qual é possível investigar memórias de pessoas mortas; uma equipe é responsável por fazer investigações de crimes a partir dessas memórias, descobrindo assassinos e coisa e tal. Como é tudo muito serious business e "Top Secret", bem, daí o nome do mangá e o subtítulo do anime. É claro que essas pessoas que trabalham com isso também acabam ficando seriamente afetadas. O estilo lembra um pouco Psycho-Pass [resenha], diria, mas com menos gore e drama e mais sobriedade. O único defeito na minha opinião não está na ambientação nem no tom, mas sim no fato de que acaba virando um "murderer of the day". De resto, é muito bom. Pra quem gosta de séries como Shiki, Ghost Hound ou Shinsekai Yori, eu recomendaria essa aqui também. 




Essa série foi popular porque foi a primeira série de anime a ser exibida legalmente via streaming, mas foi meio que totalmente perdida no tempo, então vale retomar porque eu realmente gostei dela. Não, eu não assisti só porque "tinha lá e não era ilegal". Tower of Druaga é essa série baseada em um jogo arcaico que conta a história de um grupo de aventureiros que escala uma torre muito grande e vai enfrentando desafios no caminho. Apesar de ser meio de drama e aventura, especialmente na segunda temporada, na real a série é mais comédia que qualquer outra coisa, cheia de referências "meta" - com destaque para os episódios 1 e 5 da primeira temporada, e a abertura, claro - e personagens bem legais. O encerramento do Kenn até hoje fica na minha cabeça de vez em quando. Então, se você gosta de séries como Sword Art Online [comentários] e Log Horizon, saiba que existiram outras séries como .Hack e Druaga antes, que abordaram "videogame" de forma interessante... e com menos fanservice desnecessário. Se é essa a sua pegada, recomendo!




Existe a possibilidade de Tactics não ser tão desconhecida assim e eu estar comendo bola, porque lembro que era até comentadinha na época em que saiu. Sucede que o ranking de popularidade da série no MAL é baixo, e eu estou me baseando nisso para falar dessa série com quem eu nunca tive oportunidade de trocar uma ideia! Tactics é essa série de anime baseada em um mangá, que conta a história de Kantarou, um rapaz que é uma espécie de padre ou pessoa com poderes supernaturais, que vive com um demônio osso-duro chamado Haruka. Eles tem outros amigos bizarrros e resgatam pessoas de males sobrenaturais. Lembra sim um pouco séries como Noragami [resenha] ou Kamisama Hajimemashita [resenha], e sim, tem uma pegada BL - inclusive, a autora chegou a escrever doujinshi yaoi da série. Não espalhem!




Confesso: eu gosto de Zombie-Loan mais do que deveria. Essa era minha série favorita no ano em que foi lançada - 2007 - e é mais um caso de "o mangá é muito melhor que o anime", porque o mangá dispensa a animação horrível e a abertura em gutural historicamente bizarra que o anime tem, a lambida do Shiba na camisa do Chika (no original, é no peito) e outras invenções que estragaram boas coisas do mangá. Que, por sinal, é da Peach-Pit de Shugo Chara e Rozen Maiden. Então, eu não estou só puxando a sardinha para os BL vexaminosos que eu costumo gostar, é que a história é interessante mesmo! Recomendo para quem gosta de mistérios sobrenaturais à la Vampire Knight com slash/femslash de bônus - e, claro, tiver interesse de ir ler o restante da história, que também foi cortada no anime.






Contrariando 90% dessa lista, esse aqui é melhor em anime do que mangá, pelo simples fato de que por mais besta que a história seja, pelo menos o anime tem BL. No anime tem BL com direito a beijos e coisas e tal, e os ships são até interessantes, mas vejam só - no mangá não tem nada disso, é um shounen heterossexual (tm). Então, hã, por que eles fizeram essa adaptação destruidora de famílias tradicionais japonesas eu não tenho muita certeza, mas eles fizeram e tem várias coisas boas nela: o encerramento, o beijo, o outro encerramento e... é, acho que foi só, mesmo. (Brincadeira. Talvez. Eu realmente gostei de todo o fanservice.)




O que tem uma família com uma nekogirl alienígena, um cara normal de uma divisão anti-fenômenos-paranormais, uma loli com passado triste, uma água-viva rosa, uma arma biológica, um leão, um camp gay, músicas incríveis do MOSAIC.WAV e outras coisas? Não, Persona 5 não tem música do MOSAIC.WAV. Só esse anime. Eu estou vendo esse anime só agora depois de literalmente anos na minha plan to watch, e ele não é realmente incrível mas é... interessante. Para quem gosta de séries com um certo humor nonsense como a do Orenchi ga Furo Jijyou [resenha] (mas com menos fanservice...) ou Ookami-san to Shichinin no Nakama-tachi naquele estilo amiguinhos aprontam altas aventuras nesse anime digno de Sessão da Tarde, esse anime é para você!




Mais um que eu comecei a ver quando saiu, meio que cansei e só fui voltar esse ano, Suteki Tantei Labyrinth tem como qualidade principal o fato de ter minha música de anime favorita de todos os tempos. Para a galera que gosta de anime com detetives e magia como Dantalian no Shoka, Gosick, UN-GO, Hyouka [resenha] ou Kindaichi Shounen no Jikenbo, essa série é pra você. Sim, ela surgiu muito antes de muitas outras séries e o defeito é que tem aquele problema de "adaptação de mangá feita em meados dos anos 2000" - ficou meio incompleto e o orçamento era baixo mesmo então ninguém assistiu, ninguém ligou, paciência. Ainda não terminei de assistir essa aqui, mas eu estou deixando aqui só porque... eu gosto um tantão assim da música e da produção em geral. Sério. (Os personagens também são legaizinhos, como tudo, só não faz meu tipo. Voto pra quem curte, certo?)




Menção honrosa: Marginal Prince

Bem... eu não sei se devia recomendar essa série aqui porque o nível de "qualidade" dela é altamente questionável, mas ei, guilty pleasures - quem nunca? Marginal Prince é essa série em 12 episódios baseada em um otoge de celular de 2005 (sim, já existia!) que conta a história (hahah, "história") desses garotos que estudam em uma escola masculina, e aí tem um roubo ou qualquer besteira assim. Não que eu ligue realmente, porque eu só ligo pro fato de que Sylvain é um personagem incrível. É incrível também como naquela época já existiam otoges para celular. No mais: o encerramento é tão legal (daquele jeito 2006). Tem até AMVs bonitinhos de Marginal Prince por aí. Então... qualidade... não, não tem. Mas por algum motivo eu fiquei tão obcecada quando assisti (em 2010-2011) que até fui tentar assistir o OVA em japonês. É algo especial. 




Enfim, era isso! Outras séries que eu também estou assistindo e posso vir atualizar a lista aqui com essas recomendações futuramente são Hakushaku to Yousei e Human Crossing. Enfim, espero que vocês tenham gostado desse post dessas recomendações para aumentar o seu status de "anime hipster"! Até mais! ~

Nenhum comentário:

Postar um comentário