terça-feira, 19 de julho de 2016

Primeiras Impressões: Temporada de Verão/2016 - Fukigen na Mononokean, Love Live! Sunshine, Rewrite, Hatsukoi Monster, Tales of Zestiria, Days, B-Project, Saiki Kusuo no Psi Nan, Bananya, Orange, Fudanshi Koukou Seikatsu, Servamp, Cheer Danshi, Amaama to Inazuma, Scared Rider Xechs, Tsukiuta the Animation, Ozmafia!!, Handa-kun, Amanchu!, 91 Days, Taboo Tattoo, Tenkyou no Alderamin, Hitori no Shita, Mob Psycho 100 e Battery.

 Screencap do anime B-Project: Kodou*Ambitious.

Finalmente saiu o post com as minhas Primeiras Impressões da Temporada de Verão! Esse post era para ter saído dia 15, no dia em que estreou o último anime da lista, mas como sempre, eu fiquei enrolando horrores para editar. Muita gente já deve ter visto todos esses primeiros episódios, mas bem... Para quem ainda não viu tudo, seguem meus comentários sobre essa temporada de anime! (ノ◕ヮ◕)ノ*: ・゚✧ Espero que vocês consigam aproveitar esses comentários para escolherem o que mais vão ver nessa temporada!

Os títulos estão organizados por ordem de estreia, e dessa vez, eu incluí aqueles que eu tinha expectativas mas acabei não vendo porque seria loucura tentar acompanhar mais títulos no ritmo em que minha vida está. Então, mais tarde eu devo ainda editar esse post para incluir mais comentários, mas por enquanto fiquem com esses impressões das 25 estreias que eu assisti nessa temporada! (◡‿◡✿)







Fukigen na Mononokean foi um anime que não chegou a me surpreender, porque minha expectativa inicial era de que fosse um daqueles shounen com carão de shoujo e muita fantasia (à la Noragami [resenha] ou Zetsuen no Tempest [resenha]) e foi exatamente isso, talvez um pouco mais puxado para o lado da fofura e do slice-of-life. A começar pela arte e cores fofas, a trilha sonora simples porém agradável, o primeiro episódio me agradou um tanto. A maior parte do episódio se passa com um garoto de colegial sendo perturbado por uma bola de pêlos sobrenatural - é esse o nível de fofura da coisa. 
Então, foi isso: atendeu às minhas melhores expectativas. Se você gosta de séries com fofura, meio-shounen-meio-shoujo, coisas fantásticas e sobrenaturais, esse aqui provavelmente vai ser o sleeper hit da temporada que você vai querer acompanhar.



ReLIFE [Assista ao anime no CrunchyRoll!]
Data de estreia: 01/07

Esse aqui eu não vi porque... né? Dá para maratonar qualquer hora. Até esqueci.






Então, vamos falar de Love Live!? O primeiro anime de Love Live! [resenha] foi bonitinho, agradável, nada demais; confesso que assisti os últimos episódios já me arrastando um pouco. Mas, para quem era fã de Love Live! e estava acostumado com a animação medíocre dos primeiros PVs, a arte e a animação do primeiro anime definitivamente agradavam.

E o que dizer dessa série nova? A julgar pelo primeiro episódio, Love Live! Sunshine pega tudo aquilo que o primeiro anime de Love Live! trouxe de bom para a franquia, como animação bonita, personagens carismáticas fazendo coisas fofas e dancinhas agradáveis, e completa com açúcar. Se você, que nem eu, gosta de K-On! da vida, com garotas bobas fazendo coisas inofensivas e música fuwa fuwa, até agora me parece que Love Live! Sunshine será para Love Live! o que K-On!! foi para K-On!: ainda menos fetichista, ainda mais fofo, ainda mais autista. Ou seja, ainda melhor no meu conceito, mesma coisa no conceito de muitos. 
Quem ainda não é fã da série pode assistir tranquilamente. Mas é ainda mais legal para quem já é - eu confesso que essa foi uma das estreias que me fez chorar na parte em que ela canta START:DASH. Se você é um love liver que nem eu e a protagonista, vai entender o que eu estou falando. *^_^* E se você, que nem eu, estava com medo de odiar as garotas novas por pura nostalgia... pessoalmente, eu senti pelo primeiro episódio que vou gostar ainda mais das garotas do Aqours, então não posso fazer nenhuma crítica nesse sentido.



Rewrite [Assista ao anime no CrunchyRoll!]
Data de estreia: 02/07

Rewrite teve um episódio de estreia de 47 minutos, o que eu achei prejudicial para o anime, porque a qualidade técnica é realmente o que o estraga. Eu estava muito empolgada nos primeiros minutos por conta da história, mas conforme os minutos foram passando, a qualidade não muito boa da animação começa a ficar mais evidente, vai cansando, então realmente não vejo como o anime se beneficiou com essa estréia mais longa. A qualidade da produção me lembrou os tempos de Key-Toei, hoje chamados pela própria Key de "tempos sombrios" então, bem. Se você viu Kanon original ou o filme de Clannad, vai saber do que eu estou falando. Mas como é uma versão 2016 desse nível pobre de animação, é até passável.
Enfim, e a história? Tão maravilhosa quanto eu esperava. É Key, não tem como dar muito errado; tem algo que toca lá no coração logo no comecinho, o narrador tem frases muito boas, e as garotas são realmente adoráveis. Se eu não soubesse previamente que é um anime baseado em um jogo da Key, eu provavelmente chutaria certo, então tem, digamos, a essência da coisa. Mas não tem um dedinho a mais do que "VN da Key em versão animada", diferentemente dos famigerados anime da combinação KeyAni. Então, é aquilo: "Vou ver com alegria, 0/10".



Hatsukoi Monster
Data de estreia: 02/07

Isso aqui é uma grande piada bem ruim. É um shoujo, certo? Em teoria, é. As coisas bizarras começam quando a protagonista é uma garota de ensino médio que se apaixona pela primeira vez... por um garoto do 5º ano (vulgo 4ª série) que parece fisicamente muito mais velho. A sacada é que a mentalidade dele é de segunda série, assim, no máximo. Ele tem mais um monte de amigos que parecem ter 15 anos de idade mas na verdade são garotos do 5º ano. Eles fazem kancho, piadinhas com pênis, brincam no playground, e outras coisas que crianças do primário fazem. Foi horrível, foi hilário, de um jeito ruim. As piadas são ruins. Tudo é tão fascinantemente ruim que devia ser estudado. Seriamente considerando no momento fazer posts semanais só para estudar essa série. 
Em nota, o que mais me chamou a atenção foi que depois do final teve ainda um omake de alguns minutos com "palavras que você não pode dizer na TV" sendo ditas sem censura, o que me deixou totalmente confusa porque esse anime, até onde eu sei, passa na TV. Hatsukoi Monster: simplesmente revolucionário, de jeitos ruins.




Como a gente tinha comentado no post de expectativas da temporada: Quando Ufotable anima um Fate, sai um Fate; quando anima outra coisa, geralmente sai um God Eater da vida. E ficou a aposta de qual dos dois ia sair dessa comemoração de 20 anos da série de jogos Tales. Eu vou me adiantar dizendo que eu nunca joguei Tales of Zestiria, e cheguei a comentar aqui que até queria, mas já joguei outros jogos da série e tenho uma noção de como tendem a ser os universos e etc. Pois bem, tranquilizemo-nos: a animação, pelo que pudemos ver pelo episódio de 47 minutos, vai ser digna dessa comemoração, definitivamente mais para um Fate até agora.
Então, eu acabei não entendendo muito da história, porque rola um nada de exposição em quase 50 minutos de episódio, mas não sei se era para ser assim mesmo. Do que deu para entender: existe um reino com criaturas místicas chamadas serafins, que são invisíveis para a maioria dos humanos. Sorey é um humano que foi criado pelos serafins, e que por conta da convivência desde criança consegue vê-los. Ele tem uma relação de Suzaku-e-Lelouch com o Mikleo, um serafim de aparência frágil que é seu amigo de infância. Um belo dia, explorando territórios, Mikleo e Sorey encontram uma guerreira humana chamada Alisha que é secretamente uma princesa. Mas, bem, tecnicamente para ela só Sorey a encontra. Ela fica muito confusa com esse doido cheio de amigos imaginários, acaba sendo atacada por criaturas que estão perseguindo-na, e então Sorey e Mikleo vão numa jornada para encontrá-la e proteger o mundo ou... algo assim. Brincadeira, eu estou resumindo muito mal aqui os 47 minutos porque realmente gostaria que muita gente visse esse anime. Tem uma mensagem bonita, e como sinto que esse anime vai ser digno da série, gostaria de compartilhar o quanto gostei dessa estréia.
É aquela coisa: eu vou assistir consciente de que eu estou assistindo uma adaptação de jogo e talvez perdendo algumas coisas aí, mas para uma adaptação de jogo, sinto que vai estar muito boa!



Days [Assista ao anime no CrunchyRoll!]
Data de estreia: 03/07

Ahh, o que dizer desse anime que mal conheço e já considero pacas? Sinceramente, essa foi uma das minhas estreias favoritas da temporada, se não a favorita. Eu já sabia que ia ser legal quando logo nos primeiros minutos a) tinha uma imagem de um campo de futebol fortemente familiar pra quem é obrigada a assistir futebol na TV semanalmente e b) começou com o loiro do L'oreal aí da imagem, cujo nome é Jin Kazama. Porque, cara. Ambicioso.
Falando sério, só nesse primeiro episódio Days já provou que vai ser um shounen de esportes muito do fofinho. Eu não sou de curtir anime de esportes, mas parece que quando é fofinho (tipo Ookiku Furikabutte ou Baby Steps [comentários]) eu não consigo simplesmente não gostar, então já gostei desse aqui, obviamente. Como esperado, esse aqui também tem material pras "fãjoshis de esportes" ("Então você deu tão duro por mim?" "N-no homo! Eu só me diverti muito essa noit-- NO HOMO!"), mas o loiro da L'oreal na realidade é másculo e forte concorrente a babaca do ano. A cena do protagonista correndo (ou não correndo, né) me lembrou meus tempos de educação física. Então... tudo é muito engraçado. 
Simplesmente, correspondeu a todas as minhas boas expectativas, mas eu apostava que seria mais Haikyuu!! [comentários] e agora acho que será mais Baby Steps - uma história mais focada no crescimento dos personagens do que propriamente no esporte. E de forma alguma considero isso ruim. Estou empolgadíssima para ver mais e acompanhar o crescimento desse jovem frágil e mirrado.



B-Project: Kodou*Ambitious
Data de estreia: 03/07

Eu já escrevi um post inteiro sobre essa estreia, mas para falar rapidamente: B-Project é a temporada 3.5 de Uta no Prince-sama [comentários], basicamente, mas aí eles registraram um nome errado e deu isso.
Brincadeira. Acho que a maior diferença é que B-Project é um pouco mais consciente de si que Uta no Prince-sama; tem sim bastante fantasia, bastante "poder do amor" e pseudo-poesia melodramática, mas ao menos no primeiro episódio chegam a mostrar um pouco de como funciona uma produção musical real e coisa e tal. Diferentemente de 90% dos animes de idols, eu diria, chega a ser um pouco educativo. (Em nota, o garoto tem um MP4 player em 2016. What? Produtores musicais não ouvem música no celular? Enfim.) Mas não, também não é nenhum Shounen Hollywood [resenha], então não sei nem se isso deveria contar pontos. Afinal, é bom ser um anime que trata o espectador como um pouco menos idiota do que um UtaPri da vida, mas mesmo assim vender um produto medíocre para um espectador não-idiota? Fica a questão.
Também não achei os personagens muito carismáticos, mas talvez seja porque todos são apresentados de forma muito expositiva logo no primeiro episódio. Eles chegam a quebrar a quarta parede e brincar com isso na série, dizendo que a protagonista "não vai lembrar de todos os nomes de cara". Em resumo, eu acho que é...  Foi uma das estreias mais decepcionantes da temporada para mim, e senti que a série provavelmente funciona melhor comigo como um CD de música ou drama CD do que anime. Mas dá pra assistir, vou acompanhar por obrigação moral e tal, vida que segue.



Saiki Kusuo no Ψ Nan (TV)
Data de estreia: 04/07



Olha, esse anime de 4 minutos que soava como uma cópia de Mob Psycho 100 nem foi tão ruim como comédia curtinha e bizarra, mas devo admitir que a produção é bem pobre. Pobre para um anime de 4 minutos, o que é provavelmente o cúmulo da pobreza, mas eu vou continuar acompanhando, e sinto que vai ser digno de entrar na minha próxima lista de animes de 4 minutos que são bizarros e divertidos. Em nota, me divertiu mais que Mob Psycho 100, então acho que só isso já é algo.




New Game! [Assista ao anime no CrunchyRoll!]
Data de estreia: 04/07



Bananya [Assista ao anime no CrunchyRoll!]
Data de estreia: 04/07

NYA!


Eu vou ter tantos gifs de gatinhos 2D no meu computador quando esse anime acabar. Aliás, se você é uma pessoa que gosta de gifs de gatinhos, assista Bananya, porque é um grande gif de gatinhos versão 2D. E quem não gosta de gifs de gatinhos, afinal?



Orange [Assista ao anime no CrunchyRoll!]
Data de estreia: 04/07

Aqui, a estreia da temporada que mais me fez chorar, e olha que muitas estreias nessa temporada me fizeram chorar, então tirem suas conclusões. Sério, lágrimas escorreram pela minha cara. Em um episódio.
Como eu já tinha comentado, esse shoujo conta a história de uma garota que começa a receber cartas do seu eu do futuro dizendo, basicamente, "faça isso para não ter os mesmos arrependimentos que eu". Eu não vou dar spoilers, mas só essa premissa já é extremamente forte, certo? Especialmente se você é uma pessoa um pouco mais velha, certo? Devo dizer que eu chorei nos dois episódios que saíram até agora, e isso porque todo mundo diz que "depois piora", então já preparei aqui um balde para não ficar desidratada e vou continuar assistindo com paixão. 
Em nota, a produção está muito boa como esperado, e com "carão de shoujo", com musiquinhas extremamente açucaradas (identifiquei fácil o trabalho do Yukio Nagasaki!), rostos super redondos e afins. À primeira vista, eu pensei em dizer que essa estética não combina com as temáticas do anime, mas isso é simplesmente um preconceito meu, não? Porque shoujo não pode ser profundo e bom, é isso? Como não é todo ano que temos um shoujo excepcional com "carão de shoujo" e um enredo capaz de agradar todas as tribos (quando foi o último, sinceramente?) eu passei a apreciar demais essa estética depois de fazer essa reflexão.




Esse anime é ridículo do melhor jeito possível. Palavras não descrevem o quanto eu já adoro esse anime depois de dois episódios, apesar da animação tosca e apesar de ser um anime de 4 minutos, porque a ideia dele é muito "por que isso não existia ainda?" e a execução é cheia de "tropes" que qualquer fujoshi ou fudanshi saca logo de cara. Fudanshi Koukou Seikatsu é sobre um cara que simplesmente entende a beleza de BL num nível fundamental, procura ativamente BL em todo canto e não é compreendido pela sociedade. ;_; Se identificaram? Yeah, eu também.
Se você gosta de BL, não deixe esse aqui passar! É curtinho demais para se arrepender, super vale a pena conferir. Gostei demais e quero ler o mangá quando o anime terminar.



Servamp
Data de estreia: 05/07

Esse aqui acabou se tornando um dos meus favoritos da temporada, confesso, talvez pelo simples fator surpresa - achei muito melhor do que eu dava por ele. E vou explicar o porquê. É o seguinte: eu comecei a ver com a expectativa de: "shounen com cara de shoujo, o tipo de coisa que eu gostava quando tinha 14 anos, tende a ser medianozinho". Já estava errada desde o começo porque o mangá disso aqui é josei, mas prossigamos. O nível de shit got real começou a ficar claro logo nos primeiros minutos com essa abertura do OLDCODEX com mais gutural do que What's up people. Depois vieram: um protagonista com uma linha de pensamento incrível, um humor gostoso, homolust, discursos de "humanos são horríveis", contrato 人◕ ‿‿ ◕人, sangue, um assassinato no meio da rua no melhor estilo Psycho-Pass [resenha], vampiros surgindo do nada, mais sangue ainda, que porra eu acabei de assistir?!
Depois disso tudo, eu só fiquei muito confusa. De alguma forma, eu estou achando a série muito legal nesses dois episódios, daquele jeito - provavelmente é um gosto só meu, porque Servamp usa uma fórmula que me lembra favoritos antigos meus e que eu acho que só vi mais recentemente em... Devil Survivor 2: The Animation [resenha]? Que é: ser shounenzinho trevoso, mas sem a pretensão de ser popular de um Tokyo Ghoul [comentários] ou um Mirai Nikki, o que faz com que a série se permita experimentar muito mais. Tipo sendo fofa em momentos bizarros, e colocando gutural do OLDCODEX na abertura. 
Em nota, os ships também são fortes nesse aqui, fujoshis. Para começar, é um anime de vampiro em que o humano doa seu sangue para o vampiro de uma forma pouco heterossexual. "Que nem Shiki ou Owari no Seraph [resenha]?" Menos heterossexual. E com direito ao melhor estilo "contrato de corrente" que eu não via desde Death Note ou Zombie-Loan já no primeiro episódio. É sério, babado é forte. Os personagens parecem saídos de Karneval ou Kuroshitsuji, e me lembrou um pouco Fukigen na Mononokean, porque também tem um protagonista que sofre com um mal que só ele vê, e também é muito parecido no quesito de fofura... mas, bem, com consideravelmente mais sangue. Ah, mais uma coisa: Esse anime tem o encerramento mais dançante da temporada
Então, é isso: sangue e fofura. Longe de ser groundbreaking, "profundidade" é algo inexistente, mas esse anime acaba indo muito ao encontro das minhas preferências do passado e bate direitinho no meu sensor de nostalgia. Então, reconheço que não é para todo mundo, mas ah se não é para mim.




Cheer Danshi!!
Data de estreia: 05/07

Cheer Gays Guys, ou como quiserem chamar, é uma história de esportes com um personagem chamado Haru em que todo mundo é muito fofo. Eu confesso que esperava um pouco mais do primeiro episódio, que teve muito mais introdução dos personagens e da ambientação e dos ships que deu pra ver que vão ser fortíssimos do que propriamente líderes de torcida. Pessoalmente, não achei uma estreia ruim, mas não teve nada que chamou muito minha atenção além da abertura, que eu já considero uma das melhores da temporada
Será que todos os episódios vão ser assim, cheios de "nada acontece, garotos fofos, shippei"? Pelo que eu sei e li dos livros, não. Eu creio que Cheer Danshi ainda não teve tempo de mostrar para que veio, e que isso vai ser desenvolvido ao longo dos episódios. A julgar pelo primeiro episódio, é um anime de esportes tanto quanto K-On! é um anime de música (tradução: nada), mas eu gosto de como a arte me lembra Shounen Hollywood [resenha], que é uma série que eu defino como "um bom slice-of-life de produção musical de garotos idols". Então eu espero que, da mesma forma, Cheer Danshi também consiga equilibrar bem esses dois aspectos - esporte e slice-of-life. Eu torço. (Hahah, "torço", sacou? Parei.)




Esse aqui eu apelidei de "cebolinha". Eu apelidei assim porque ele é sobre comida, tem várias camadas de fofura e faz chorar muito. Sério, eu lacrimejei três vezes em um episódio, foi ridículo. Facilmente vai ajudar Orange a preencher o balde de água aqui no quarto pelos próximos três meses. Desidratação será um risco.
Verdade seja dita, tenho problemas mentsou sensível a histórias de parenting - Clannad After Story que o diga - mas nesse caso foi especialmente ridículo. Como já tinha comentado, a história é a seguinte: tem esse pai viúvo que, como 90% dos pais que acabam sozinhos, não sabe o que fazer para cuidar da sua filhinha, não sabe o que ela gosta de comer, não sabe que roupas colocou para lavar, mas com certeza a ama muito. Tem cenas muito ternas (o que dizer de quando ele a cobre quando ela está dormindo?), uma animação fofa, e uma das melhores trilhas sonoras da temporada sem dúvida.
Eu tinha medo de que a comédia fosse forçar a barra no lado lolicon da coisa, mas não! É bem levinho. Talvez a menininha, Tsumugi, seja excessivamente moe, mas no geral é tranquilo. Um dos meus favoritos, na certeza, eu adorei demais esse anime até agora e quero mais.



Scared Rider Xechs
Data de estreia: 06/07

Ahh, eu já comentei no Twitter sobre o trainwreck que foi essa estreia aqui, mas nunca vou cansar de gfalar sobre essa estreia maravilhosa *gasp!* de uma equipe da pesada que consegue arruinar qualquer história. A estreia de Scared Rider Xechs foi tão deprimente que chega a ser forte concorrente ao título de pior da temporada, com direito a: personagem que não existia no jogo burríssima e com character design extremamente fetichista, que não tem nenhuma função além de vender dakimakura para quem? Algum otaku tarado vê adaptação de otome game?; nada da explicação inicial sobre o fator super sentai que torna o jogo interessante; basicamente, nada da parte boa do jogo; muita coisa inventada e estúpida, e... esqueci algo? O lado bom: foi tão, mas tão ruim, que eu ainda não sei dizer se achei "tão ruim que é bom" ou "tão ruim que é horrível". Uma semana depois, eu ainda não sei dar nota para o que eu vi.
Eu só lamento demais os fãs japoneses do jogo que ficaram esperando anos por isso. No mais: ainda recomendo o jogo para quem sabe japonês, espero que traduzam oficialmente, e, com todo o respeito, espero que Jun Kumagai (Psycho-Pass 2 [resenha]) se aposente cedo.



Tsukiuta. The Animation
Data de estreia: 06/07

E aqui, em um sério caso de "parece que o jogo virou, não é mesmo?", eu acabei gostando muito mais de Tsukiuta do que B-Project. Não pela qualidade das músicas, porque eu achei a qualidade mais ou menos no mesmo nível, mas sim porque Tsukiuta é um anime de idols que *gasp!* (atenção para a inovação que vem a seguir) realmente tenta ser bom, decente, bem feito. Só por isso já é único, só por isso já ganhou mil pontos comigo.
Tem até uma historinha, vejam só: uma menina que é basicamente eu, inclusive pela idade mental de 15 a-- muito fã de idols pede desesperadamente para o seu irmãozinho ir num evento pegar uns brindes especiais do grupo que ela gosta. O irmão vai, muito contra a vontade, acaba confundindo os idols com funcionários, e coisas engraçadas acontecem. O idol preferido da menina acaba tratando super bem o irmãozinho dela e tirando uma foto com ele, e ela fica doida da vida. É tão engraçado quanto soa.
Eu pessoalmente sou trash por idols 2D e 3D, então acabei gostando bastante dessa estreia. Diria que ter uma personagem-feminina-identificável que é uma de nós definitivamente me empolga mais do que o "Mary Sue compõe músicas genialmente" ao qual já estamos acostumados. Não tem absolutamente nada de excepcional, mas pode acabar sendo um shoujo divertido e vou ver assim, sem expectativas enormes, apenas pelo entretenimento.






Data de estreia: 07/07

Tudo muito fofo. Cores fofas, animação fofa, adorei! Mesmo não conhecendo a fundo o jogo de Ozmafia!!, e mesmo sendo um spin-off que em teoria só tem graça para quem já é fã de Ozmafia!!, eu acabei gostando demais desse anime curtinho. As personalidades excêntricas dos bishounen acabaram me dando vontade de jogar Ozmafia!!, então se o objetivo era fazer propaganda para quem ainda não conhece, funcionou bem. É um shoujo, é curtinho e tem slash, e só tem 4 minutos por episódio. Logo, vou ver tudo simplesmente porque sim.



Planetarian: Chiisana Hoshi no Yume
Data de estreia: 07/07


Esse aqui eu ainda não vi porque sou trouxa e achei que ia demorar para sair na Internet, mas vou ver logo mais e editar aqui depois. Perdão pelo vacilo.







Handa-kun
Data de estreia: 08/07

E aqui, a decepção da temporada para mim até agora. Não porque foi horrível, mas sabe quando uma série simplesmente não bate com o que você esperava dela, e você acaba achando horrível a despeito de objetivamente reconhecer que não é tão ruim assim? Eu esperava de Handa-kun o que eu tive com Cheer Danshi, então eu só me decepcionei bastante porque acabou pendendo para um Sakamoto desu ga?, ou até uma versão longa de Fudanshi Koukou Seikatsu. Em outras palavras: não dá para negar que é uma comédia, e uma mais para o lado shounen do que para o lado shoujo da coisa. E meio vazia, também. (Sinceramente, o que foram aqueles quinze minutos de propaganda do Diomedea? Ainda se fosse um estúdio que merece propaganda, mas sinceramente.) 
Apesar de não ter absolutamente nada a ver com Barakamon [resenha] em nenhum sentido até agora, não é uma comédia ruim. Só não me empolga, ainda mais depois de uma temporada em que eu basicamente só assisti comédias medianas como essa promete ser. Vou ver mais por obrigação moral do que por empolgação, e vou comentar semanalmente os episódios só por ter ganho a enquete que eu lancei, mas é só.





Era para eu ter visto esse aqui, mas eu esqueci. Também devo editar depois, quem sabe... Ou não...





Amanchu! [Assista ao anime no CrunchyRoll!]
Data de estreia: 08/07

Queria começar os comentários desse aqui falando sobre a abertura sensacional da Maaya Sakamoto, como esperado, digna de "abertura da temporada". Quer dizer, a música é facilmente a melhor da temporada. A animação... termina com um quê de "Kannazuki no Miko meets pés de pato" que provavelmente é um gosto adquirido. Enfim.
O episódio 1 de Amanchu! foi bem como eu esperava: um slice-of-life pacífico (ou "paradão", diriam alguns) que começa com essas duas garotas muito fofas e com personalidades basicamente opostas. Eu queria notar também que vi muitas semelhanças, tanto em termos de estética e temas ("água e garotas fofas", na real) quanto de personalidade, entre as garotas de Amanchu e as de Love Live! Sunshine, mas eu gostei mais de Love Live! Sunshine por motivos óbvios - além de eu ser fangirl de Love Live!, é muito mais agitado e mais coisas acontecem - então talvez essa comparação tenha me feito gostar menos de Amanchu! do que eu gostaria em outra temporada.
Definitivamente não foi ruim. Definitivamente está no meu top 10 de estreias da temporada até agora, o que é bom para um anime que não faz exatamente meu estilo (confesso que anime paradão não é meu estilo, assim como anime de garotinhas também não é) e fiquei com vontadezinha de assistir mais, mas nada que eu vá ficar aguardando semanalmente com ansiedade. É. É... bonitinho. (E vai ter yuri? Parece que sim, confio no Junichi Sato, fico na torcida.)







Aqui, mais uma série da temporada que eu pretendo acompanhar com muito gosto - um evento um tanto único quando se trata de eu e série de gangster dos anos 2010. O episódio de estreia de 91 Days teve diversos eventos acontecendo, jogou a explicação da sinopse na nossa cara de um jeito deveras violento, e eu sinceramente acho que vou ter que rever mais uma vez para continuar a história porque pareceram ter muitas pistas jogadas que não podem ser captadas todas de uma vez. Ambientação ótima, animação ótima, sutilezas, psicológicos densos, músicas excelentes. Eu confesso que gostei tanto desse aqui que estou pensando em fazer um post mais longo sobre, então por favor não me odeiem se eu acabar postando semanalmente sobre essa série também! ;; (´・ω・`)



Ah, que anime legal... Trevas, uns negócios de "lado obscuro do mundo", abertura da May'n e comentários de gente pouco confiável dizendo que "é assim que se começa um anime". "Não poderia estar menos empolgada", pensei antes de começar a ver o episódio, mas... vai que, né? Bem, não.
Minhas expectativas se cumpriram: shounen genérico, provavelmente vai ser popular, animação decente, ritmo mais rápido do que Code Geass [comentários] - o que eu geralmente considero algo bom, mas um ritmo gotta go fast de vários nadas é só... erm. Para terem uma ideia, foi mais rápido ver os eventos da sinopse no anime do que escrever aquela sinopse gigante no post de expectativas da temporada.
O negócio é que eu não achei Taboo Tattoo "ruim", eu achei Taboo Tattoo "bom para os fãs de Tokyo Ghoul [comentários], Mirai Nikki, Sword Art Online [comentários] e afins". Que eu geralmente chamo aqui como "fãs de shounenzão jeitosinho". Porque é shounenzão, tem um monte de lutinhas e ação, peitos pulando, garotos gritando (sério, eu verifiquei: em 4 minutos temos tudo isso mais o protagonista correndo atrasado com torrada na boca) e todos aqueles clichês de shounen. Basicamente, nada de interessante para mim. Exceto a direção de som, porque ela não faz sentido.




Opa, aqui mais uma estreia que eu não dei a mínima! O que dizer de Alderamin? Verdade seja dita, em dez anos vendo anime eu já vi muita história parecida com a de Alderamin. Aliás, não só anime, essa história não seria exatamente inovadora em lugar nenhum: Tem um reino fantástico em guerra, um pessoal que quer ser the very best, um outro pessoal que não dá a mínima, umas magias, uma curandeira, um personagem que tem uma das piores dublagens que eu já vi em anime em anos recentes (sim, o Matthew - eu não sei se é culpa do dublador, que eu não faço ideia de quem é na fila do pão, mas a dublagem tem uma cara de "copypasta" à la dublagem americana...), além de muita exposição e coisas acontecendo de uma forma 200% artificial. Yeah.
Eu queria dizer que "não foi horrível", mas a verdade é que foi horrivelmente medíocre. A animação não se destaca, a história não é ofensiva mas também não tem muita coisa a seu favor, mas eu acho que agrada a alguns públicos, especialmente aquele chamado "quem viu menos de 5 animes na vida". Desculpa, galera.








Hitori no Shita começou bem para um anime de segunda linha. Infelizmente todo mundo está chamando-o por aí de "anime chinês", mas se não fosse por essa vaga mostra de xenofobia de boa parte dos fãs de anime, não seria um anime tão ruim. A dublagem é notavelmente boa, a arte e o character design são mais decentes que da maioria dos animes; maduros, de um jeito positivo.
O lado ruim é que tem muita exposição o tempo todo, e por mais que a história pareça ter potencial (...ao menos se você gostar de zumbis), a apresentação em si não tem muita graça e dá uma vontade de dormir pela maior parte do tempo. Rolam uns probleminhas claros de direção nesse primeiro episódio, mas esses problemas também podem ter sido muito bem causados por pura e simples falta de orçamento.
A moral da história é que Hitori no Shita não é horrível. É até... interessante. Em termos de qualidade técnica tanto da animação quanto do enredo, não parece um anime de 2016, o que não é necessariamente algo ruim. É só... OK. Passa no meu conceito, mas sem sobra. Eu definitivamente veria se não tivesse mais nada para ver, mas com tantas séries boas para acompanhar nessa temporada, não tenho muita certeza se vou continuar assistindo, mas tenho carinho. Por favor me contem sobre!




Mob Psycho 100 me entreteu puramente pela qualidade da animação e da produção, como esperado, porque Bones. No geral, esse primeiro episódio todo pareceu uma grande piada de meia hora, e com um bom humor baseado em exageros e excentricidades que definitivamente me lembra One Punch Man. Lendo comentários, eu descobri que é porque realmente foi isso: o episódio não reflete o começo do mangá, mas sim um extra do mangá. Dá para entender o porquê dessa escolha da parte dos produtores do anime, afinal, nessa quase meia hora o anime já estabeleceu muito bem não só os pontos principais do seu enredo, como a dinâmica e a personalidade dos protagonistas Mob e Reigen, como também como deve ser o seu humor, então de forma alguma foi um primeiro episódio ruim; só ficou claro que eu não é para mim. Mas, como a produção é excepcionalmente boa, eu vou continuar assistindo. (Chances de eu estar sendo tsundere nesses meus comentários sobre esse anime: 50%.)






Battery
Data de estreia: 15/07

Eu comentei aqui no post passado que estou me apaixonando novamente por No. 6 e com muito amor pela série graças ao livro, certo? E já comentei também que Battery, assim como No. 6, é uma série do bloco Noitamina baseada em um livro da Atsuko Asano, certo? Então, acho que não preciso falar de como estou sendo tendenciosa com esse anime. Eu não sei avaliar objetivamente Battery nesse momento da minha vida, só sentir. Além disso, eu estava sem meu "garotos fofos jogando baseball" fix desde 2010, então não poderia estar mais feliz com essa estréia.
Battery é um anime de esporte em que você basicamente não vê o esporte no meio de todos os eventos que acontecem, assim como na vida. Não que não tenha esporte, ou que a parte do esporte não seja importante, mas são muito mais notáveis e atraentes as dinâmicas entre os personagens, as histórias de fundo que começam a emergir aos poucos, as diferentes formas pelas quais você vê que essa história pode se desenvolver... então, é um anime de baseball, mas não sobre baseball. Pelo que deu para ver até agora, é bom que você tenha algum conhecimento prévio de baseball para aproveitar bastante Battery, porque já ficou claro que o objetivo da história não é ensinar como funciona o esporte, mas sim expôr acontecimentos de um slice-of-life dramático por meio dele. 
Sinto que esse aqui tem potencial para ser um queridinho do pessoal mais velho dessa temporada, e eu acho que sou bem o "público alvo", então espero continuar adorando essa série. *^_^*




Enfim, esses eram os comentários que tinha a fazer sobre as séries que cheguei a assistir dessa temporada! Infelizmente, acabei assistindo menos do que planejava porque andei ocupada com coisas da vida real (*cof* cosplays *cof* vi muita coisa aí costurando *cof*), mas eu gostei bastante do que eu assisti e já estou no ritmo para acompanhar essas 25 séries pelos próximos meses, então... Boa sorte para a minha alma! Digo, espero que vocês gostem do que eu vou acabar postando aqui! 
Yay!

Só depois desses comentários eu enfim me toquei de como o que eu chamo de "fantasma do Toki wo Kakeru Shoujo" realmente está pairando por essa temporada. Só gente reescrevendo a vida, recebendo conselhos do futuro... Relife, Rewrite, Orange... Dá até pra competir em número com os idols masculinos, e o povo reclamando que tinha muita boyband nessa temporada. Tsc, tsc.
No mais, fazia tempo que eu não chorava com tantas estreias. Orange me fez derramar um pequeno balde de lágrimas, Amaama to Inazuma não ficou muito atrás, e eu devo confessar que lacrimejei com Love Live! Sunshine,
 Rewrite, e talvez mais alguma série (foi tanta choradeira que eu não lembro), então, bem.

Definitivamente foi uma temporada com várias estreias ricas em sentimentalidade e drama. Para quem gosta de drama e slice-of-life, sinto que vai ser difícil acompanhar menos de dez séries nessa temporada, então boa sorte para a gente! Para quem gosta de fantasia, a temporada também está rica. Para quem gosta de bishounen, então, nem se fala.

E para quem gosta de shounen de lutinha... só lamento.

Desculpa, puro recalque de quem raramente pode falar isso. Por favor, deixem aí nos comentários o que vocês acharam dessas estréias, o que estão acompanhando ou pretendem acompanhar! Espero que tenham gostado desse post, e até mais! 
(ノ◕ヮ◕)ノ*: ・゚✧

8 comentários:

  1. Saudações


    Nobre Chell, este post parece ter lhe dado um grande trabalho, sem dúvida alguma. O mesmo é grande, porém completo e dinâmico. Gostei da ênfase e achei a mesma justa.

    Agora...
    Este título do post, sinceramente, eu te sugiro mudar em uma próxima oportunidade. Os nomes dos animes poderiam vir em um parágrafo dedicado, abaixo da primeira imagem. Com tantas nomenclaturas, o "motor de busca" ao seu post terá um trabalho mais árduo e, por conseguinte, talvez não recebas tantas visitas no texto.
    Mas isto é apenas uma dica de minha parte, nobre Chell. Tu não pode nada alterar a contra-gosto ou similares, jovem.

    Quanto às estreias...
    Battery, Orange, Days, Amaama e 91 Days são os carros chefes da temporada para mim. Não consigo aqui pensar de outra forma. Travel Shoujo é simpático e pode ser visto sem grandes complicações. Taboo Tattoo me recaiu com certa descrença, mas planejo dar oportunidades ainda para esta obra.
    Handa-kun e Love Live! são bons animes. Os seguirei, também.
    Rewrite teve um primeiro episódio que, seguramente, muitos devem ter droppado o anime neste ponto mesmo. Mas seguirei com a obra, graças ao potencial que a mesma possui.

    Agora, o meu xodó tem nome, sendo este Planetarian.
    O anime está seguindo tão bem a novel que, seguramente, estou preparando alguns baldes para as lágrimas que derramarei no quinto e último episódio desta obra. Será emocionante demais.
    Aliás, o terceiro episódio já considero, em caráter pessoal (esqueça a esfera de blogueiro e crítico nisto), como o melhor episódio dos animes neste ano e, com certeza, um dos principais de tantas obras que já vi em minha vida. Me emocionei demais (detalhes no texto presente no blog N!).

    E a nobre amiga não está vendo Planetarian... Ao menos, não até no momento no qual digito estas palavras...
    Olha só isso...

    No mais, grande texto este de sua parte, nobre Chell.


    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carlílio! ^_^

      Obrigada, fico feliz que tenha gostado do post!

      Eu não sei exatamente como funciona isso, mas eu mantive o formato dos posts de primeiras impressões e expectativas que eu fazia no passado... É que antes eu tinha paciência para dividir em vários posts, ao invés de fazer um só que acaba com títulos gigantes. Eu gosto de deixar os assuntos do post no título, mas nesse caso, realmente acabou ficando inesperadamente gigante. :P Grata pela dica!

      Battery, mesmo? Eu vi tanta gente falando mal na blogosfera internacional, achei até triste... mas sei que vai melhorar nos próximos episódios porque li spoilers, então espero que seja, como se diz, dark horse. Gostei do primeiro episódio de Rewrite, pessoalmente achei a história promissora, mas também imagino que pela qualidade técnica muita gente não vai nem dar uma chance.

      Eu ainda não assisti Planetarian, e a essa altura acho que vou esperar terminar de passarem os 4 episódios para assistir tudo de uma vez. Mas imagino que esteja muito bom mesmo, eu gosto da novel e já fiz minhas apostas quando do trailer. ^_^

      Muito obrigada pela visita e pelo comentário, Carlílio! Fico feliz que tenha gostado!

      Até mais!

      Excluir
  2. Saudações


    Ah... Seu layout novo está ficando muito bom.

    Porém, não esqueças de mudar a [time zone] nas configurações do mesmo para GMT-3 São Paulo ou Brasília, nobre Chell...
    Caso contrário, as datas dos posts e/ou dos comentários aparecerão erroneamente.


    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é meu layout velho! Rsrs. Eu só mudei os widgets da sidebar para ficarem na ordem que eu vou usar no próximo, mas depois disso surgiram coisas (e posts atrasados, como sempre) e eu acabei parando de modificar. Muito obrigada mesmo pelo aviso da timezone, eu não me ligo nisso e podia acabar deixando passar despercebido!

      Grata pelo aviso e até mais! :)

      Excluir
  3. Ooi!~
    Primeiramente, obrigada pelo convite de parceria! Já adicionei o seu blog aos parceiros! <3
    Nossa, haja tempo pra conseguir ver o primeiro episódio de cada anime da temporada! Eu geralmente seleciono alguns que me chamaram mais atenção pela sinopse, arte ou cast e se eu deixar passar algum bom meu irmão me mostra (porque ele assiste todos os primeiros episódios também).
    Sobre essa temporada, Re-life ainda não vi também. Isso de sair todos os episódios de uma vez me desanimou pra ver agora, mas um dia eu vejo. Hatsukoi Monster é muito bizarro, mas estou assistindo porque dá pra dar umas risadas e eu tento assistir todos os shoujos que posso. B-Project eu gostei bastante, achei os personagens muito carismáticos e curti as músicas. A heroína parece ter mais personalidade que o normal nesse tipo de anime também. Bananya é tão fofinho! Orange já vi 4 episódios e 3 me deixaram com vontade de chorar, parece que vai ser muito bom. Fudanshi é engraçado, mas muito curto. Servamp eu estava na dúvida se ia ver, mas daí meu irmão viu e como você, disse que era muito melhor do que ele esperava, então vou ver ainda. Cheer Danshi é fofo e me lembra shounen hollywood de certa forma também, estou gostando bastante. Scared Rider só vi o primeiro e não me empolgou, mas vou assistir porque eu assisto todas as adaptações de otome games. Tsukiuta eu estava super ansiosa porque eu gosto muito das músicas, e não me decepcionou. Ozmafia!! tenho que ver ainda (e comprar).
    Adorei o post!
    Beijos~
    Armazém de uma Otome

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! ♡ Ahhh, muito obrigada mesmo!
      HAHAH eu tentava fazer isso láa no começo do blog, mas depois parei justamente por falta de tempo... ´w`;; na faculdade era realmente difícil fazer isso, mas agora dá! Ai, que legal, seu irmão também assiste anime? Assim parece ser super eficiente, HAHAH melhor trabalho em grupo!
      Pois é, eu também, já tenho tanta coisa pra maratonar... Aah, sério? Eu acabei desanimando tanto de B-Project que ainda nem vi os outros episódios, mas concordo que a protagonista é bem legal perto da maioria das protagonistas genéricas. Por outro lado, estou gostando de Tsukiuta, que você também está comentando, né? ♡
      Bananya é muito fofo, né?! E Orange tem sido um grande "não estou podendo" pra mim também... TT;; tenho certeza de que se eu tivesse mesmo pego um balde ele ia estar cheio no final, HAHAH. Também esperava que Fudanshi fosse mais longo! Se as piadas fossem um pouco mais longas, acho que seria até mais legal.
      Sério? Que legal que ele também teve essa impressão! ♡ Eu sinceramente não dava nada por Servamp, e sinceramente, tá meio genérico, mas eu não vou negar que me diverte muito e tem sido um dos meus favoritos.
      Ai, que bom que não sou a única a fazer essa comparação bizonha de Cheer Danshi com Shounen Hollywood! (´・ω・`) Acho que o estilo de SoL de um realmente lembra o outro. E SRX também não empolgou nada... justamente porque eu sou fã do jogo e as minhas partes favoritas são as que não mudaram um dedo do jogo, lol. Fiquei tão decepcionada, mas acho que não dava pra ser diferente mesmo. E Ozmafia!! eu acabei parando porque realmente não dava pra entender muita coisa sem o background dos personagens, mas achei fofo!
      Enfim, fico feliz que tenha gostado do post!! Até mais! (´▽`)ノ

      Excluir
  4. Olá!
    Os meus favoritos dessa temporada foram o Amaama to Inazuma , o
    Saiki Kusuo no Ψ Nan, Tales of, 91 days e Battery, já o Amanchu, se rolar um romance yuri, talvez ele se torne interessante.
    Não está nesse post, mas o que me decepcionou foi o Berserkr com uma computação gráfica bem tosca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, Daniel! Tudo bem?
      Eu também estou curtindo bastante esses títulos. Estou gostando do Amanchu mesmo sem romance, Amaama to Inazuma está lindo, Battery então nem se fala, Saiki Kusuo no Psi Nan tem piadas ótimas... essa temporada até que tem sido boa, né? ^_^
      Eu nem assisti Berserk porque logo senti que não ia ser bom, e quando vi os próprios fãs falando mal, aí sim eu percebi que não deveria ver.
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário, e até mais! :)

      Excluir