domingo, 12 de junho de 2016

Aquele post de Dia dos Namorados: Recomendações (e críticas) de anime BL! (ノ◕ヮ◕)ノ*: ・゚✧

Gif de uma verdadeira obra de arte dos anos 80.

Como esse post vai ser imenso, vou começá-lo contando a história de como eu tive a ideia de escrevê-lo. No começo desse ano, rolou uma discussão em uma comunidade de anime que eu frequento sobre BL - mais especificamente, pedindo recomendações de anime BL que não tivessem coisas problemáticas que nem pedofilia ou estupro, porque quem assiste BL sabe que esse tipo de coisa está presente literalmente na maioria dos BL, então o tópico era muito válido. Por conta desse tópico, eu acabei compilando uma lista de todos os animes categorizados como yaoi e shounen ai no MyAnimeList, e notei que não tinha visto a grande maioria, então anotei aqueles que mais me interessaram pra assistir. E, depois de muita discussão, a gente chegou à conclusão de que 90% tinha coisas problemáticas, e os outros 10% deviam ser tratados como as jóias preciosas que são.

Ano passado, nessa época de dia dos namorados, eu postei algumas resenhas de live actions baseados em mangás shoujo que eu tinha assistido, como Suki-tte ii na yo. [resenha] e Kyou, Koi wo Hajimemasu [resenha]. Como vocês devem saber, eu sou grande fã de live-actions asiáticos românticos e melosos como sou fã de outras coisas que tendem a ser "tão ruins que são boas", e o Dia dos Namorados pareceu uma oportunidade única de assistir e resenhar esses OVAs e filmes que eu geralmente não resenho aqui.

No começo, minha ideia era fazer um post só com os melhores dentre aqueles que eu queria assistir, e mais alguns que eu assisti no passado. No entanto, quando eu me dei conta, eu percebi que realmente não conhecia tantos e ia ter que assistir muitos OVAs, e só tinha um ou dois que eu realmente queria recomendar. Daí surgiu a ideia de fazer esse post com todos os filmes e OVAs BL (yaoi ou shounen ai) que eu já assisti, em ordem de preferência. Como eu já fui longe demais e já estou permanentemente apodrecida pro resto da vida, eu pretendo algum dia assistir todos aqueles que eu ainda não assisti e fazer um segundo post exatamente no mesmo formato com mais recomendações e avisos de "fique longe".

Enfim, concluindo essa mega-introdução: Esse aqui é um post aproveitar o Dia dos Namorados como uma ótima oportunidade de recomendar aí uns BL animados, e apontar umas coisas que eu percebi sobre anime BL nesse maratona, também!

A maioria desses não são difíceis de encontrar - a bem da verdade, eu encontrei 90% no Youtube ou no Veoh, procurando na parte de vídeos do Google. Alguns tem legendas em português, outros só em inglês ou espanhol, mas eu não assisti nenhum sem legendas.

Eles estão organizados em ordem de preferência minha. Ou seja, o primeiro da lista é o que eu gostei mais, o último é o que eu gostei menos. Vale notar que: meu gosto não é universal, mas eu justifico no post por que eu gostei mais de um ou de outro, então se nós tivermos preferências parecidas (do tipo: "estupro é ruim", "pedofilia é ruim", etc) minhas recomendações e dicas devem ser úteis! Ah, outra coisa que deve ser útil é o "nível de explicitação". Eu diria que maior que 2.5 é o nível "não assista com a família"; 3+ contém nudez e/ou insinuação de sexo, e 3.5+ tem cenas de sexo. Então, fica aí a dica. ^_- (Poder compartilhar isso é provavelmente a única coisa boa em ter mais de 18 anos de idade.)

Dito tudo isso, espero que gostem do post! Feliz Dia dos Namorados com muito BL pra vocês, colegas fujoshis/fudanshis desse recinto! ヽ(゜∇゜)ノ



Eu curti:

"QUE SOFRÊNCIA DO CARALHO. SÓ DOR E SOFRÊNCIA. Q ORRO R" - um tweet real que quase foi publicado quando eu terminei de ver isso.
Duração total: 65 minutos
Ano: 1987
Nível de explicitação: 4/5

Eu já tinha ouvido muita gente falar que esse é o melhor anime BL que existe, e por isso estava na minha Plan to Watch do MyAnimeList há muito tempo. Eu não sei se é o melhor, mas com certeza se tornou meu favorito.
Kaze to Ki no Uta é maravilhoso por alguns motivos. O primeiro é que é uma história inegavelmente a frente do seu tempo. Apesar de sua ambientação - em uma escola masculina europeia - e de sua arte serem muito tradicionais dos anos 70-80, que é a época em que o seu mangá foi lançado, a caracterização é maravilhosa, e eu diria que a história permanece muito atual por conta disso. Ainda que tenha um moralismo e um maniqueísmo, por exemplo, porque a ambientação pede, o psicológico dos personagens é incrível. Os sentimentos e o desenvolvimento dos personagens são realmente muito bons.
Depois, toda a parte visual é encantadora, simplesmente hipnotizante. Eu confesso que não tinha assistido esse OVA antes porque achei que visualmente ia ser uma porcaria, mas como eu estava errada. A animação é belíssima pra sua época, e é melhor que muita coisa lançada nos dias de hoje, sinceramente. Para completar, a arte e o visual dos personagens são ótimos também. Eles são personagens muito bonitos, e o visual do OVA não nega isso.
Dito tudo isso, e a história? É incrível. Vocês vão encontrar em todo lugar a premissa, mas eu acho mais interessante não dar spoilers. É suficiente dizer que se passa em uma escola masculina, e esbarra em temas como bullying, homofobia, masoquismo e incesto. Um dos fatores que torna Kaze to Ki no Uta tão interessante é que essa é uma história de um romance que vai se desenvolvendo aos poucos, então é bem legal independentemente de ser BL. Depois, é uma história cheia de angústia - de verdade, quando eu terminei de assistir, eu estava me sentindo triste como não me sentia há muito tempo com qualquer obra de ficção. Sim, é muito dramático.
Tem alguns elementos problemáticos, como abuso sexual, mas a história em si é bem bonita, então eu abro uma exceção e recomendo. Além disso, tem uso aleatório de simbologia cristã (sério, parecia que eu estava assistindo Marimite) e tem personagens que chamar de "andróginos" é uma subestimação brutal (o/a Rosemarie com aqueles olhos horríveis é de longe o personagem com visual mais bizarro nesse negócio). Fora isso, eu sinceramente não tenho reclamações, só elogios.
Se quiser outra opinião, eu recomendo a resenha do Blyme dessa série.
Por que eu recomendo Kaze to Ki no Uta: Porque me arrepiou. É extremamente emotivo e belo, e é um verdadeiro clássico.


Duração total: 108 minutos e 100 minutos
Ano: 1992-1994 e 2012
Nível de explicitação: 4.5/5

Eu já comentei aqui sobre Ai no Kusabi. Não vou mentir: eu gosto de Ai no Kusabi. Eu já falei um pouco sobre Ai no Kusabi aqui, é um yaoi que surgiu inicialmente como livro, então eu só pude ler a tradução do livro e ver os OVAs, mas é uma série que eu gosto bastante, confesso. Digo "confesso" porque tem um monte de clichê estúpido de yaoi, como abuso sexual, traição e blabla, mas calma. Para começar, a ambientação é excelente: se passa em um universo futurista no qual existem hierarquias sociais muito bem definidas, e pessoas escravizam umas às outras. Soa como um retrocesso? A mim soa plausível. De verdade, é um yaoi que tem até uma parte reflexiva, então eu considero isso positivo. Enfim, nesse universo - que por sinal é muito bem construído! - existem obviamente sujeitos rebeldes entre os não-privilegiados, e aí começam a rolar uns romances proibidões.
Esse aqui, especialmente a versão de '92 - que realmente tem, sabe, uma história completa, e não só uma história interrompida por questões de orçamento - é novelão. Novelão, nível novela da Globo, mas com um universo futurista muito louco e imoral. Existem partes dos OVAs que são realmente muito boas, e existem partes que são tão ruins que chegam a ser engraçadas, então eu só tenho elogios. Then again, eu gosto de Togainu no Chi pela ambientação, então reconheço que meu gosto está longe de ser universal.
O visual é ótimo, e obviamente o remake é muito mais bonito - arrisco dizer que é visualmente o BL explícito mais bonito que eu já vi, mas foi interrompido por questões de orçamento - mas os dois tem seus prós e contras.
Por que eu recomendo Ai no Kusabi: Porque o universo é bem diferente da maioria dos BL, e chega a ser reflexivo. Também porque é novelão, e as dinâmicas dos romances são no mínimo interessantes. E porque é visualmente bonito.


Duração total: 10 minutos
Ano: 2006
Nível de explicitação: 3/5

Eu não conhecia esse aqui, confesso. Trata-se de um ONA de 10 minutos que ganhou vários prêmios nacionais e internacionais de animação, então dá para imaginar que é bonito. É totalmente mudo. Trata da história de dois jovens estudantes que vão se sentindo atraídos um pelo outro. Como é um romance que progride lentamente, é bastante cativante, apesar de ser curto, e me deu vontade de assistir mais. Na real, vale assistir mais pelo sentimento de ternura e pelo deleite estético que pelo BL propriamente, mas é muito bonito, então queria recomendar de qualquer forma.
Por que eu recomendo Nakedyouth: Porque é um ONA premiado, extremamente artístico e sensível.


Duração total: 45 minutos
Ano: 1995
Nível de explicitação: 3.5/5 

Esse aqui foi uma grata surpresa da primeira vez que eu assisti, então fui rever e não é que continuei achando muito bom? Esse aqui é muito mais limitado em termos de qualidade da produção do que o meu top 3, porque foi feito em 1995 com um orçamento muito mais limitado, mas o fato é que a história fofa acaba compensando. Se você tiver um mínimo de carinho e apreço por anime dos anos 90, e conseguir superar esse fato, a história em si é bem legal. Eu não vou dar spoilers porque acho que qualquer spoiler tiraria a graça desse aqui, mas é um romance adolescente e eu confesso que quando assisti da primeira vez, assim que terminei, quis assistir de novo. É simplesmente muito fofo.
Por que eu recomendo Lesson XX: Porque é um OVA pouco conhecido com um romance bonito e totalmente consensual e fofo entre pré/adolescentes.


Duração total: 60 minutos e 90 minutos
Ano: 2005 e 2007
Nível de explicitação: 4/5

Eu vou começar falando que não acho esses dois OVAs as últimas bolachas do pacote chamado "obras BL", ao contrário de muita gente, mas eu os considero bem acima da média. Do que se tratam? Haru wo Daiteita - baseado em um mangá homônimo - conta a história de dois atores de vídeos eróticos que tem uma situação amorosa meio mal resolvida a princípio, e essa situação se resolve. Só o fato de ter um enredo com desenvolvimento, começo, meio e fim já torna esse OVA melhor que muitos, então mesmo com o enredo não sendo grandes coisas e tendo algumas situações constrangedoras, já presta. Depois, às vezes parece que vai ter algo não-consensual, mas realmente não tem. Por fim, o fato de ter homens adultos e sexualmente bem resolvidos é... reconfortante. Então, Haru wo Daiteita é OK, mas estaria pra mim na lista de baixo, se não fosse por Fuyu no Semi.
Ah, Fuyu no Semi. Na verdade, dentro do universo da série, Fuyu no Semi se trata de uma história que esses dois atores encenam. Por isso, eu assisti Haru wo Daiteita primeiro e depois Fuyu no Semi, e recomendo isso para uma maior imersão, mas você pode também só querer assistir Fuyu no Semi, e não vai estar perdendo a melhor parte. Em Fuyu no Semi, dois soldados de facções inimigas se apaixonam, então, como já dá pra imaginar, tem um quê de épico que é bem único em termos de anime yaoi. Para saber mais, recomendo a resenha no Blyme Yaoi.
Por que eu recomendo Haru wo Daiteita e Fuyu no Semi: Porque são duas histórias incríveis baseadas em um universo bem estruturado e que são, sobretudo, românticas. Sexy sem ser vulgar. Vale assistir.


Duração total: 30 minutos
Ano: 1996
Nível de explicitação: 2.5/5

Esse aqui é um BL ruim hilário sobre uns caras que não querem levar na bunda. Não, gente, é isso. Eu confesso que ri demais assistindo esse negócio. Aliás, diria que o gênero desse aqui é "yaoi/mistério", porque você passa 30 minutos no mistério.
Brincadeiras a parte, é hilário, sério. Na minha opinião, existe algo adorável quanto a esses OVAs antigos de meia hora que tem comédia inocente e coisas assim, apesar de que eu cresci vendo Ranma 1/2 e GetBackers, então minha opinião é enviesada. Enfim, se você gosta de yaoi de comédia ruim, e não se importa com a falta de coisas acontecendo pela maior parte do tempo, nem com a animação antiga (mas OK pros padrões de 1996, eu diria), recomendo demais, porque é fofo e engraçado. Ah, a autora é bem ativa no Twitter até hoje, então eu fiquei com vontade de ler o mangá, até.
Por que eu recomendo Seikimatsu Darling: Porque é um OVA de comédia engraçado e com um romance fofo e consensual, além de ser diferente do padrão "semezão e ukezinho".


Duração total: 60 minutos
Ano: 2016
Nível de explicitação: 3/5

Ah, Doukyuusei! Eu cheguei a comentar no blog sobre minhas expectativas para esse filme antes mesmo de ser lançado, como eu devo ter comentado também que Doukyuusei não é meu mangá favorito da Asumiko Nakamura - meu favorito seria Copernicus no Kokyuu, que é difícil e profundo, e tem sua bela arte. Doukyuusei é fofo, mas tem coisas problemáticas. Bem, bem problemáticas, tipo abuso sexual e pedofilia, mas você não diz pelo visual fofo. Eles mantiveram as partes problemáticas do mangá no filme, então... no fim das contas, ainda que o romance central do filme não seja problemático, eu também não consigo ser 100% fã - porque sinceramente, qual é a necessidade? Se não fosse por isso, estaria no meu top 3.
Então, visualmente falando, o filme está lindo. Se você não se incomoda tanto com isso, é um filme BL excelente, e que venham mais com essa qualidade. O romance central entre jovens estudantes é bastante fofo, e aliás, a continuação em mangá do romance deles também está linda enquanto não enfiaram um estupro aleatório pelo menos ^_^ #beingfujoshiissuffering
Por que eu recomendo Doukyuusei: Porque se você ignorar a parte moralmente errada, é recente, artisticamente lindo, muito fofo e açucarado, e... bem, se não tivesse a parte imoral, seria excelente, sério.


Duração total: 40 minutos
Ano: 1989
Nível de explicitação: 2/5

O que dizer desse OVA que eu mal conheço e já considero tanto. Esse não é conhecido o bastante para ter status de meme, mas deveria ser. Fato curioso: Eu comecei a lacrimejar depois de 2 minutos vendo isso aqui. Não, não eram exatamente lágrimas de comoção, mas sim lágrimas de riso, porque parecia que eu tinha pego um vídeo de "estudar inglês" em japonês, só que com algo errado, porque eu sabia que tinha incesto gay no meio. Se você quiser ter uma ideia do que é esse troço, só bate o olho nas resenhas do MyAnimeList.
No começo, parecia que eu estava assistindo um AMV de um anime de esportes, mas não estava, era o anime que só tinha música em inglês mal sincronizada, mesmo. Depois, rola um Freud, mais umas música em inglês, uns mommy issues, muitas referências ocidentais desnecessárias, e aí você tem Cipher. Sinceramente, quase um Evangelion. Tá ali: Cipher e Evangelion.
Enfim, gente, é... incrível. Não, brincadeiras a parte, vocês devem saber que eu tenho mal gosto. Eu gosto de uns negócios incompreensíveis, de Hatenkou Yuugi a Marginal Prince. Então... eu gostei demais de Cipher, desse jeito. Eu gosto de existir num mundo em que existe Cipher. Queria agradecer o mundo por esse OVA que não faz absolutamente nenhum sentido. Me dá esperança, porque me faz pensar "Se Tsuneo Tominaga conseguiu dirigir vários OVAs (dentre os quais obras de arte que eu assisti como Cipher e Carol) talvez um dia eu consiga também".
Por que eu recomendo Cipher the Video: Porque Phil Collins.



Já vi piores:

Duração total: 26 minutos
Ano: 1989
Nível de explicitação: 3/5

O que dizer desse aqui? É fofo. Não tenho muito de bom nem de ruim para falar, porque é extremamente superficial. Vamos lá, tem esses garotos que são amigos de escola, e um deles é um idol popular. E aí um dia ele é raptado (como se o título não tivesse deixado isso claro) e coisa e tal. É literalmente só um episódio de 26 minutos, então se você tiver curiosidade, pode ver. Eu gostei bastante do visual - é muito fofo, e a animação é bem OK pro ano em que foi produzido também! As músicas também são decentes, então... se você só quiser ver um BL aleatório, presta.
Por que eu recomendo Be-Boy Kidnapp'n Idol: Arte fofa, basicamente uma história de um dia de um idol e seu romance fofo. Sem compromisso, só açúcar.


Duração total: 30 minutos
Ano: 1995
Nível de explicitação: 5/5

Ok, galera, vocês conhecem Boku no Pico? Se não, conheçam e depois voltem para essa lista. Antes de Boku no Pico, existia Level-C. A história é a história do one night stand mais aleatório do mundo - um cara estranho literalmente puxa um jovenzinho (Mizuki e Kazuomi, mas eu chamo de Pico e Mokkun) e fala "Yaranaika?" "posso ir na sua casa?". E aí eles vão, e aí o cara estranho vem com um papo de "agora vou fazer você se sentir bem". Eu não vou dar mais... spoilers... aqui, mas é simplesmente hilário.
Começa parecendo uma aula de educação sexual, mas em poucos minutos você descobre a natureza Pico e Mokkun do negócio, com direito a articulações rosadas. No entanto, a sensação de "estou assistindo kama sutra animado" permanece. Como vocês podem perceber, 5/5 é uma nota que eu não uso de graça. Esse anime tem o uso mais desnecessário de mosaico que eu já vi em animação japonesa.
Acontece que a história (? HAHAH) em si é boa, digamos. Não rola estupro, e, hã, a diferença de idade em relação a Boku no Pico é menor, inclusive o Pico paga o aluguel do Mokkun, o que é hilário. O romance é fofo, e até a bitch obrigatória é uma pessoa bem legal. Sério, eu quero recomendar isso, mas meu 5/5 não permite. Mas, bom, eu ri muito. Eu acho que recomendo, daquele jeito: conheçam o antecessor de Boku no Pico, por razões históricas.
Por que eu recomendo Level C: Pelo novo mene da galera do protagonista de yaoi consciente de que deve dar prazer pro parceiro também. (Sério, gente, esse treco é subversivo!!)


Duração total: 59 minutos
Ano: 1981
Nível de explicitação: 5/5

Vamos começar esse comentário dizendo que Natsu he no Tobira é um OVA shounen ai de 1981. Sendo assim, é literalmente um pioneiro. Em outras palavras: tem uns cinco minutos de romance entre no OVA inteiro, o que é menos do que o tempo com sexo hetero muito explícito. Sim, é por isso o 5/5. Aliás, naquela época aparentemente não se tinha mosaicos, o mundo era bem louco.
Enfim, no sentido estético e temático, esse aqui me lembrou muito Kaze to Ki no Uta, porque se passa em uma escola europeia masculina, com direito a máquinas a vapor, francês gratuito e tudo mais, mas a qualidade tanto da produção quanto da história é bem inferior. "Natsu he no Tobira" é traduzido como "A porta que leva ao verão", então tem umas conversas poéticas sobre o verão, sobre se tornar adulto, descobertas, primeiros amores e coisa e tal. Não nega sua natureza de shoujo anos 70-80, então para quem gosta desse tipo de ambientação é um prato cheio.
Em termos de enredo, é um triângulo amoroso clichezão, com muito, muito drama e sofrência, como todo BL daquela época. Tem muito drama interno, e faz uso pesado de símbolos e imagens para representar ideias, então em alguns momentos eu me senti vendo Utena. As temáticas são pesadas, envolve mortes e pedofilia, e deixa mesmo um gosto amargo na boca; apesar de não ter estupro, é muito horrível. Mas como vocês devem imaginar por ter resistido todos esses anos, tem uma abordagem interessante e diálogos excepcionalmente bons. Em termos técnicos, tem as limitações de sua época, mas eu achei bem passável em termos de narrativa, especialmente se levada em conta sua época.
Por que eu recomendo Natsu he no Tobira: Para quem gosta de romance adolescente, dramalhão, um apelo bem clássico/anos 70, e uma vibe de Europa histórica, é um bom OVA. De BL em si, tem muito pouco ou quase nada, mas considero pelo psicológico dos personagens.


Duração total: 55 minutos
Ano: 1998
Nível de explicitação: 3/5

Esse aqui é um que eu tinha na minha Plan to Watch há eras e acabei me esquecendo. Conta a história de dois policiais - ambos com ascendência japonesa, mas que moram nos EUA - que saem de férias, porque um deles quer pegar o outro, mas eles acabam tendo problemas e vira uma história de investigação. 
O mangá em que ele é baseado é um clássico yaoi, mas o OVA não tem nem mesmo cenas de sexo; eu só avaliei com 2.5/5 por conta de violência, mas não é pesado de forma alguma. A mim, Fake me lembrou um pouco Seikimatsu Darling na parte de férias e comédia. Tem alguns momentos meio ofensivos e outros em que parece que vai rolar algum tipo de abuso sexual, mas no fim das contas nada acontece. É basicamente isso: leve, engraçadinho, uma história de investigação que dá pistas para um romance que não acontece efetivamente porque surgem problemas, pobre rapaz. É feito para fãs do mangá; para quem não liga pros personagens, não tem muita graça, mas confesso que até me deu uma vaga vontade de ler o mangá porque achei os personagens OK.
Por que eu recomendo Fake: Porque o mangá parece ser bom. Sério... é só isso.


Duração total: 30 minutos
Ano: 2007
Nível de explicitação: 4/5

Esse OVA conta a história de dois homens que estavam sofrendo em um casamento porque queriam ter ficado com as pessoas que se casaram - um deles queria ficar com a moça, e outro, com o homem. (O protagonista sofre de um caso grave  de "If it's you, it's ok".) E assim começa a história. Surgem problemas nesse casamento, e rolam uns yaois. A história em si tem um quê de adorável, lida com homossexualidade em um nível mais ou menos realista, então é passável.
Eu fico com um pé atrás em responder se eu gostei ou não, porque... Digamos assim: Nesse aqui não rola, assim, estupro. Mas também não rola, assim, consensual. O (não?)-estuprador é uma pessoa até bacana, gosto dele. A cena de sexo também é bonitinha. Então... eu acho que gostei, mas talvez tenha algo de problemático que passa no meu radar problematizador. Fora isso, a animação é bem mais ou menos, a anatomia é bizarra, mas definitivamente já vi bem piores. Não é um sonho de BL, mas é passável.
Por que eu recomendo Saigo no Doa wo Shimero!: A resposta que eu realmente quero dar é "porque yaoi com frotting", mas na verdade é só porque é uma história OK e ainda é definitivamente melhor que Fujimi Orchestra.


Seitokaichou no Chuukoku / Hey, Class President!
Duração total: 60 minutos
Ano: 2009-2010
Nível de explicitação: 4/5

Esse aqui é um que faz eras que eu assisti, então perdoem se tiver algo brutalmente errado, mas vou falar das minhas impressões na época. É uma história que envolve um romance entre o presidente do conselho estudantil e um garoto lá da escola. A premissa em si é clichê, mas não é horrível - tem shoujos bons com exatamente o mesmo tipo de premissa! - mas como esperado de um OVA yaoi, o desenvolvimento é "que desenvolvimento?". Ainda assim, eu lembro que não achei tão horrível quanto esperava, apesar de rolar ali um ou outro abuso de poder e coisa e tal, não tem nada exatamente não-consensual, nada extremamente ofensivo. A animação em si não é das mais bonitas, o visual não é daqueles de dar gosto, mas é... é... fazer o que. Eu basicamente concordo com essa resenha do Blyme. Assisti esperando ofensivo, tive sem graça, fiquei com uma impressão positiva.
Por que eu recomendo Seitokaichou no Chuukoku: Porque tem coisa muito, muito pior por aí. Tipo Fujimi Orchestra. É lindo, excepcional? Não, mas deu até pra achar fofo, então tá ótimo.


Duração total: 30 minutos
Ano: 1994
Nível de explicitação: 3.5/5

Esse aqui é um caso de OVA que é excepcionalmente mediano. Basicamente, conta a história de dois jovens estudantes, Ken e Ritsuro, com muita tensão sexual mal resolvida, que acabam metendo uma garota no meio deles porque eles não conseguem resolver sozinhos o problema que eles tem, e aí drama acontece. :P Eu não achei tão horrível porque tem um enredo bem claro, não tem nada não-consensual e, enfim, tem seus méritos, é uma história relativamente única e com algumas partes interessantes, sem dar spoilers. Tem bastante drama, e dá vontade de torcer por eles. Mas é isso. É o equivalente daquele 6 pra passar de ano, daquele "you're OK!". É... se você não tiver mais nada para assistir, é até bonitinho, mas eh.
Por que eu recomendo Boku wa Konomama Kaeranai: Porque se você não tiver nenhum BL melhor para assistir, eu acho que você devia assistir isso aqui antes de assistir Fujimi Orchestra. Que eu vou comentar ali embaixo, aliás.


Duração total: 30 minutos
Ano: 2010
Nível de explicitação: 3/5

Tudo que eu tenho realmente a dizer sobre esse anime é "hã. ok". Como na temporada que vem vai ter o anime do fudanshi, e a gente quer se preparar vendo umas coisas totalmente no homo, g0y e assim por diante, esse aqui é o anime dos g0y. Conta a história de um cara que é um presidente de uma empresa e... vide a screen acima. É puramente comédia, e é uma comédia muito, muito culturalmente bem definida, porque se você não levar em consideração como é tratada a homossexualidade no Japão, soa apenas homofóbica e de mal gosto. Enfim, é uma comédia levinha e que, sendo uma paródia do chamado estilo de vida gay, na verdade não é bem um BL, eu só estou comentando aqui porque está categorizada assim no MAL, mesmo.
Por que eu recomendo Kachou no Koi!: Se você gosta de comédia, ou tem interesse nessa cultura gay mais "realista", acho que vale a pena assistir. Se não, eh.


Duração total: 27 minutos
Ano: 2013
Nível de explicitação: 3.5/5

Olha galera, esse aqui é tosco, mas tem uma animação que... eu não consigo simplesmente jogar na lixeira. Essa arte. Essa arte. Isso devia ser o padrão dos animes BL, sinceramente.
Dito isso, vamos falar da história: A história em si é meio "história? Que história", e imagino que não ter lido o mangá é um passaporte pra.. não entender nada. Mas a animação é linda, sério. E é recente, então é realmente linda. Onde estávamos? Ah, a história. Em poucas palavras, eu descreveria como "O Código da Vinci meets yaoi anime". Começa rolando umas nudez básica, depois enfiando uns negócios que não são uns negócios bons, e depois tem aquela zoada com o catolicismo, e aí termina, porque são só 27 minutos. Eu assisti porque eu queria conhecer mais do mangá há muito tempo - sério, eu já tinha ouvido falar desse mangá quando nem era tão popular assim - mas, assim como o de Fake, é um OVA pra acompanhar o mangá que não tem muito sentido sem conhecer os personagens. Mas a música é boa. E ah, a animação.
Por que eu recomendo Vassalord: Se você deixar no mudo, botar uma música bonita e ficar apreciando o visual, é super bonito.


Duração total: 52 minutos e 52 minutos
Ano: 2014-2015 e 2002
Nível de explicitação: Eu literalmente não me lembro/5 (Vamos colocar 3.5/5 por segurança.)

Esses daqui são adaptações do mangá de Wild Adapter, que é um mangá policial/de ação, meio como Fake, mas os OVAs tem ainda mais "vários nadas" que Fake. Sério. Eu assisti os dois, eu tenho certeza de que eu assisti os dois, eu só não me lembro nada porque absolutamente nada de nada acontece. Eu tenho uma vaga lembrança de que os personagens são legais e me deu um pouco de vontade de conferir o mangá, mas como OVAs isolados, eu realmente não tenho como avaliar. Que nem Vassalord, mas a animação de Vassalord é linda, enquanto a de Wild Adapter só deixa muito a desejar. Vale dizer também que é da Kazuya Minekura, autora de Bus Gamer e Saiyuki, que tem fãs leais. Então, a adaptação de Bus Gamer me deixou com a mesma sensação de "vários nadas". Pra algo similar - "policial com vários nadas" - mas que eu gosto e não é categorizado como shounen ai, recomendo Switch e outras obras da naked ape sem adaptação em anime. Próximo!
Por que eu recomendo Tight Rope: Porque foi tão morno que não me deixou nenhuma impressão negativa. Nem positiva, também. 


Duração total: 46 minutos
Ano: 2012
Nível de explicitação: 3/5

Esse aqui já faz alguns meses que eu assisti, e foi extremamente não-marcante para mim. Assisti pelo dublador do meu husbando, tive o dublador do meu husbando, mas só. A premissa da história é algo que eu provavelmente gostaria se lesse o mangá - e aliás, eu não tenho muita certeza até hoje se eu li o mangá e só não marquei no MAL, porque é extremamente familiar, ou se é tão clichê que eu já li histórias com a mesma premissa e estou confundindo. Juro. Enfim, é sobre dois amigos de infância, um rapaz mais ou menos normal e um outro que é um poderoso herdeiro da yakuza, e por isso o romance deles é proibido. O romance dos personagens em si é cheio de drama desnecessário, tem abuso sexual desnecessário, e a produção é abaixo da média. Eu não curti, mas também não foi a pior coisa que eu vi na vida e muito menos a mais ofensiva, então fica aqui.
Por que eu recomendo Tight Rope: Porque daqui pra baixo só tem coisa realmente ruim, e que não tem nem bishounen com voz do Makoto pra aliviar.



Já devo ter visto piores *cof* Boku no Pico *cof* mas apaguei da minha mente:

Aviso: Esses aqui são ou aqueles que foram excepcionalmente ruins, ou aqueles que foram tão sem graça que eu senti que foram tempo perdido. Tenha em mente que eu não curto coisas tipo Junjou Romantica, Sekaiichi Hatsukoi ou Super Lovers, então pode ser que o meu gosto seja diferente do seu, obviamente, e você goste mais desses aqui do que os que eu gostei. Viva a diversidade de opiniões no mundo! :)


Duração total: 48 minutos
Ano: 2009
Nível de explicitação: 4.5/5

Esse aqui está em primeiro na lixeira porque tem estupro. Tem muito, muito estupro. É basicamente "como arrombar o coleguinha: o anime". Meus comentários enquanto assistia, em resumo: "Esse OVA é um erro da vida. O planeta criou um monstro. Sen or. Quem fala que Boku no Pico é a pior coisa não assistiu Maiden Rose. Isso é tudo."
Isso é tudo.
Dito isso, a história (hahaha) é: tem esses dois soldados super importantes em uma grande guerra no Japão, sendo que um deles é estrangeiro e o outro é um jovem que tem poderes mágicos passados de geração pra geração que o tornam competente pra ganhar guerras, ou algo assim. Um belo dia eles se apaixonam, e depois disso rola muito estupro, Rozen Maidengaijinfobia e uma ou outra frase bonita, como "é por isso que eu estou aqui" (pra arrombar seu coleguinha, é?). ~*Fim*~.
Eu acho que o que mais doi desse negócio é que a história tem um tanto de potencial, e os raros momentos mais românticos são até bonitinhos, mas... hã... assista por sua conta e risco. Boa sorte.



Duração total: 48 minutos
Ano: 1996
Nível de explicitação: 4/5

Ahh, Kimera. Eu tinha ouvido falar pela primeira vez em Kimera em um post do Anime News Network. Eu fiquei curiosa, e deixei lá na minha Plan to Watch por anos. Enfim assisti, e a experiência foi tão boa quanto eu esperava. Assim como Cipher, esse aqui é arte, mas é um tipo de arte em que rolam aliens procriando e estupro, então é um tipo de arte que você precisa ter estômago pra digerir. Se você for fraco, não venha, Kimera não é para você.
Kimera não é exatamente yaoi, porque o cara (alien, criatura) do romance não é exatamente um homem, mas sim um (alien, entenda) hermafrodita. Mas tudo era tão obviamente feito pra cativar um público de mulheres loucas e sedentas que ficou conhecido como yaoi.
É realmente tão ruim assim? Seja o juiz. Assim como, digamos, Boku no Pico, é uma obra que ficou conhecida por ser horrível, mas definitivamente podia ser pior. É por isso que não está em último aqui. Eu acho o (a?) alien até bonitinho(a?), de verdade. E, bom, o fato de ter cabelo verde/cabelo marrom é super avant-garde em termos de yaoi, em que todo seme é moreno e todo uke é loiro. Eu não odeio Kimera tanto assim. Mas é definitivamente muito bizarro.


Duração total: 52 minutos
Ano: 2007-2008
Nível de explicitação: 4/5

Esse OVA em 2 episódios  é baseado em um mangá yaoi popular. Eu o tinha na minha Plan to Watch já há muito tempo porque a arte promocional é bem bonita, mas como esperado, a animação em si é... um lixo. Me deu vontade de chorar e rir ao mesmo tempo, porque é muito ridículo. As cenas de sexo são bem estilo Junjou Romantica, até pelo estilo da arte.
A história começa razoável, apesar de ser meio boba, mas depois disso vai ladeira abaixo. Tem um rapaz da yakuza chamado Ranmaru, que está em um cruzeiro num casamento arranjado com uma moça chamada Kaoru. Eles vão em um cruzeiro, e lá conhecem o comandante, um italiano chamado Al-qualquer-coisa (eu so lembro dos gritos de "Al"), que gosta de pegar rapazes que ele não conhece, e é assim que ele se mete com esse filho da yakuza. Enfim. Depois disso começa uma perseguição mútua, PDAs, sequestros. O roteiro é bem naquelas de "eu quero ficar você mas não posso, agora eu não quero, kkk pega-pega", rolam vilões e coisa e tal, então, é... se você gostar desse estilo, fica aí a recomendação. Tem estupro e algumas violências mais pesadas desnecessárias, além de muito drama, semezões e ukezinhos. Em geral, a premissa é bem OK, mas haja desenvolvimento tosco.


Duração total: 45 minutos
Ano: 2010
Nível de explicitação: 4/5

Oba! Mais um OVA yaoi com animação lixo, semezões e ukezinhos, pedofilia (11 anos de diferença pra mim é pedofilia, ok?), "você diz que não quer mas seu corpo diz sim", "se for você tudo bem" e "vou te ensinar". Os personagens são extremamente estereotipados, o ukezinho tem problemas de auto estima e fica chorando, e tudo é daquele jeito - machista, pra mulher se identificar.
A história em si é algo sobre celebridades, um abusinho de poder e coisa e tal - tem esse garoto que só quer um trabalho, e o chefe só quer pegá-lo, e é Dia dos Namorados e então rola uma história envolvendo chocolate e coisa e tal, mas é tão enrolada que eu já esqueci qual era a história.
Rola empurrão e não-consensual. É... complicado, assim como é complicado de julgar. Não é tão ruim quanto eu estou fazendo parecer aqui, tem um lado fofo, e eu tenho sentimentos mistos, porque apesar de não serem grandes coisas, a arte e o character design são incrivelmente funcionais (especialmente nas cenas ero). Mas a animação é invariavelmente ruim para um anime de 2010. Em suma, não curti, mas calma que ainda tem piores.


Duração total: 56 minutos
Ano: 1994-1995
Nível de explicitação: 3/5

O que dizer desse anime? Eu só não o joguei mais pra baixo porque as músicas são boas. A animação, no entanto, é horrivelmente ruim para compensar pela qualidade das músicas. Se você duvida do que eu estou falando, basta dar uma olhada nas resenhas do MyAnimeList. Dito isso, eu não joguei esse aqui pra baixo porque eu adoro coisas que são tão ruins que chegam a ser boas, e esses OVAs são definitivamente dessas coisas: é horrível, horrível. Tanto que chega a ser engraçado.
Trata-se de uma história de amor consensual entre professores, mas volta e meia tem umas ameaças de abuso sexual, clichês do tipo "oh não, você vai se casar com fulana", uma animação muito lenta e pobre, uma quantidade incrível de drama, ameaça de suicídio/morte e yaoi hands. Se você quiser saber tudo o que tem de clichê e ruim porém não necessariamente ofensivo em BL, esse aqui é uma ótima síntese, de verdade. A arte é feia, rola larva fálica na boca, e outras bizarrices. O lado "bom": É um romance sem estupro com uma história compreensível, e que poderia até ser razoável se não fosse a produção... de... qualidade bem baixa para padrões de 1994. Eu faria melhor? Provavelmente.


Duração total: 100 minutos
Ano: 1992 e 1996
Nível de explicitação: 4/5

Esse aqui eu assisti há uns seis anos, então perdoem qualquer inconsistência nas minhas observações aqui. Eu vou falar do que eu lembro: rola violência, abuso sexual, uma zoada com imagens cristãs, mas também rolam músicas boas, porque um deles é um cantor famoso. Então, bem, eu lembro que gostei de tão hilário que eu achei que era na época, daquele jeito "é tão ruim que é bom". Mas, é... de qualquer outro jeito, não vi nenhuma qualidade, sinceramente. A arte é meio tosca, a animação também, tem dramalhão exagerado e umas cenas de gore que dão vontade de vomitar, etc. Eu ouvi dizer que o mangá é bom, ou pelo menos tem mais fãs, então me desculpem os fãs do mangá.


Duração total: 30 minutos
Ano: 1994
Nível de explicitação: 3.5/5

Eu queria comentar mais sobre esse aqui, mas eu vi antes de dormir e me deu tanto sono que tudo que eu anotei foi: "Que merda.. vide comentários". Então é isso que eu quero compartilhar com vocês: Que merda, vide comentários do video no Youtube. Assim como Cipher, sinto que esse aqui é arte, mas uma arte que eu precisaria ver mais vezes pra entender e apreciar. Porque nada fez nenhum sentido. Talvez tivesse feito mais sentido se eu tivesse lido o mangá, sei lá. Tem violência, os caras levam o garoto pra um bar, tem ukes excessivamente andróginos, e nada faz sentido. Só... não era o que eu esperava.


Duração total: 60 minutos
Ano: 1997
Nível de explicitação: 3.5/5

Sinceramente, foi horrível. Em muitos níveis. Todos os níveis possíveis, sério. Viva Fujimi Nichorume, que conseguiu ser o pior dessa mega lista.
Para começar, pelo fato de que "ele parecia um grande poste telefonico" é uma frase real do fansub que eu assisti, apesar de que o fansub que eu assisti não era grandes coisas, pra ser gentil. Enfim, a grande piada interna do OVA é que ele é um poste, então tem uma parte em que eles deviam estar transando (ou, em outras palavras: devia estar havendo um estupro ali) em que a "imagem poética" que aparece é... um poste em cima do cara. É sério. Esse é o nível da coisa.
É bem, bem sem graça. A animação no geral é ruim, mas tem momentos importantes em que ela é boa. A história aqui, para ser sincera, é bem medíocre, algo sobre professores que *cof* se apaixonam *cof*. A verdade é que esse foi um dos últimos que eu vi nessa maratona, então talvez eu esteja sendo injusta, mas foi ruim. Rola estupro, drama exagerado, a "mulher que atrapalha o romance" não é legal, então, basicamente, nada me atraiu aqui.



... Sim, parece que nesses últimos dias eu virei uma espécie de especialista em anime BL. (Eu juro que isso foi só um resultado de uma mistura de falta do que fazer com minha obsessão em fazer posts bem completos.)

Pra completar essa lista, eu vou deixar aqui mais duas dicas de mangás BL que não foram adaptados em anime, mas sim em filmes live-action, cujos filmes eu resenhei aqui e curti: Doushitemo Furetakunai [resenha] e Seven Days [resenha]. Para quem gosta de mangá BL, e gosta de assistir adaptações em live action, ficam aí minhas recomendações! Eu gostei bastante dos dois, e por bem ou por mal não tem nada explícito, são bem bonitinhos. Se quiser saber mais, convido-o a ler as resenhas!

Dito tudo isso, eu não assisti todos os OVAs e filmes BL que eu conheço.
Outros que eu até considerei, mas não tive tempo de assistir ou simplesmente não tive interesse em incluir nessa lista foram: EarthianThe Legend of the Blue Wolves, Koisuru BoukunAngel's Feather, Okane ga Nai, Papa to Kiss in the Dark [nossa história hilária no PxP], Enzai, Sensitive Pornograph, Kirepapa, Sex Pistols [resenha no Blyme], Hybrid Child, Viewfinder [resenha no Blyme], KizunaBoku no Sexual Harassment, Shounen Maid Kuro-kun. Ah, e Boku no Pico. Porque né?

Então, se você gostou desse post que depois do décimo OVA ruim que eu vi foi uma tortura para mim deixe aí nos comentários, e eu vou pensar em fazer um segundo post com esses que eu não assisti! Deixe também nos comentários se você conhecer algum que por acaso não está aqui, para eu eventualmente incluir num próximo post... Quem sabe ano que vem... juro que não faço uma outra maratona dessas tão cedo.

Ok, vou superar. Muito obrigada pela visita, e feliz restinho de Dia dos Namorados! ^_- Até mais! ☆彡

... Ah, só uma última coisa: desculpa a quem assistiu Cipher por causa da minha recomendação.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ois!
    Com um delay magnífico de mais de seis meses, finalmente consegui ler seu post e pegar as recomendações hahah.
    Sério, você deve ter umas 23436598 visualizações desse post só comigo tendo ele aberto tanto tempo nas abas do chrome... Bem, antes tarde do que nunca né?

    Menina, sou a última pessoa quando o assunto é anime e ainda mais os mais antigos, e olha que você me convenceu a ver quase todos! (Dos que você curtiu pelo menos)
    Dito isso, achei ótimo o fato de serem OVAs, porque aí fica muito mais fácil de eu tomar vergonha na cara, já que não demanda muito tempo pra assistir todos.
    Resumindo: só gratidão por essa lista tão completinha ❤.

    Gosto muito da maneira como você escreve e mais do que isso o modo como analisa as produções, problematização é altamente encorajada hahah.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi, Cami! o/ Super grata por sua visita e seu comentario.
      Que bom que vc acabou lendo e gostando! Ja pensou se nao tivesse valido a pena? ;; ♡ Que bom que os comentarios que fiz te animaram a assistir!! Eu sou louca por anime mas nem sempre tenho tempo ou paciencia, tambem maratonei apenas porque esses ai sao curtinhos.

      Obrigada por sua visita e seu comentario! Ate a proxima!

      Excluir
    2. Ooi, Cami! o/ Super grata por sua visita e seu comentario.
      Que bom que vc acabou lendo e gostando! Ja pensou se nao tivesse valido a pena? ;; ♡ Que bom que os comentarios que fiz te animaram a assistir!! Eu sou louca por anime mas nem sempre tenho tempo ou paciencia, tambem maratonei apenas porque esses ai sao curtinhos.

      Obrigada por sua visita e seu comentario! Ate a proxima!

      Excluir
  3. Muito boa sua lista. Estou assistindo, nesse exato momento, Doukyuusei. E....realmente é lindo!! Muito obrigada pela recomendação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Geovanna, obrigada por sua visita e seu comentário! É lindo mesmo, não é? Eu não gosto muito da pedofilia e uns problemas, mas visualmente considero muito bom. Eu pretendo fazer outro post desses no Dia dos Namorados desse ano, então espero lhe ver novamente! Até a próxima!

      Excluir