sexta-feira, 8 de abril de 2016

Anime: Haruchika - "A juventude é uma passagem só de ida!"


Haruchika - Haruta to Chika wa Seishun Suru, traduzido como algo como "Haruta e Chika sendo jovens" e chamado comumente apenas de Haruchika, é uma série de anime em 12 episódios do estúdio P.A. Works (Glasslip [resenha], Tari Tari [resenha]) que tem como temática principal a história de Haruta e Chika, dois jovens do ensino médio que são amigos de infância. Sendo um slice-of-life, essa "história" não é nada muito complexo: eles estão no mesmo clube na escola, que é um clube de instrumentos de sopro, e como Haruta é um pequeno garoto genial, volta e meia surgem problemas e mistérios para ele resolver. Ele resolve porque é genial assim, e aí surgem histórias complicadas e brigas que sua amiga Chika ajuda a resolver. No meio de tudo isso surgem jovens estudantes, que um a um vão se juntando a eles no clube, tornando se amigos e se fortalecendo juntos como grupo e como pessoas.

Sim, é tão fofinho quanto soa.


Nossos protagonistas ou personagens-título, os amigos de infância Haruta e Chika, não tem absolutamente nada a ver um com o outro. Haruta é sério e inteligente, e Chika é energética e desajeitada. Apesar dessas diferenças, eles compartilham o que consideram uma "maldição": os dois são apaixonados pela mesma pessoa, o professor Kusakabe, conselheiro do clube de música.
O mais desavisado pode estar se perguntando agora se Haruchika é um yaoi. Não, não é um yaoi, é apenas um anime com um garoto que tem um crush no seu professor, o que vai muito de encontro com a questão da representatividade que muito bem trouxe o Diego do blog É Só Um Desenho. Pois Haruchika é um anime que tem representatividade. Haruta é um garoto incrível, inteligente; não sabemos se ele é ou não homossexual (ou bi-, pan-,...) mas sabemos que ele tem um crush no seu professor, e um dos seus dilemas durante a série é se ele deve se declarar para ele ou não.

Haruchika é meio que o tempo todo um anime assim: de pequenos momentos. Meio semelhantemente ao que eu disse anteriormente sobre Tamako Market [resenha], aliás, Haruchika não é bem um anime que tem uma história, mas sim alguns eixos, morais e temas. Amigos de infância e romance são apenas alguns dos temas. E Haruchika tem, sim, vários temas interessantes. Tem representatividade, família, até mesmo temas pesados como suicídio, mas tudo é tocado de forma muito delicada para que o anime não perca a leveza da sua forma. É definitivamente um anime leve na sua apresentação, é episódico, mas isso não o impede de ter temas pesados, especialmente para os jovens. Nesse sentido, considero Haruchika um anime bem "jovem" - para o público adolescente, mesmo, e bem contemporâneo.

Tem, também, várias histórias de vida. Para quem já assistiu séries como Bartender e Shigofumi (e desculpa se minhas referências forem velhas demais... que tal Death Parade [comentários]?), não deve achar muito estranho o rumo da prosa: em cada episódio descobrimos a história de um determinado personagem novo, os protagonistas Haruta e Chika o ajudam a superar um dilema ou - mais comumente - resolver um mistério, com a ajuda dos super poderes de dedução de Haruta, e depois disso o personagem se une a eles. O anime segue assim até o final, e cada um dos personagens vai se juntando à banda do clube. Novamente, tudo é muito jovem e de fácil identificação, acredito, para os adolescentes de hoje. Todos são personagens sensíveis, empáticos e humanos, com personalidades bem delimitadas. O rapaz cuja família queria se refugiar da sociedade, mas não tanto, por exemplo, tem algumas falas profundas e o Haruta nota que "ele pensa em coisas complicadas". O ponto é que todos são especiais e carismáticos, e ao mesmo tempo identificáveis.

É assim, de pequenos momentos de paz e inspiração, que consiste Haruchika.  É super especial? Original, inventivo...? Não. Mas tem temas interessantes, e é gostoso de ver, se não extremamente pacífico, até meio entediante. Não é a toa que a serie foi chamado de "Hyouka [resenha] + Hibike Euphonium [resenha] da P A. Works", porque é bem isso mesmo. Você tem o clube de instrumentos de sopro, mistérios e muita paz. Sim, Haruchika é uma daquelas séries que são ótimas para trazerem uma paz de espírito ao espectador, porque ela tem mensagens muito positivas e até mesmo reflexivas nas suas histórias. Por exemplo, me vem à mente a frase do "quando você se cansar, procure mudar a forma pela qual você olha para o sol", que foi uma recomendação dada a uma garota depressiva, e que volta e meia tem vindo à minha mente. É uma frase tão simples, mas tão inspiradora.

Bem como a série toda. Simples, delicada, inspiradora. Não tenho mesmo muitas coisas a falar, apenas dizer que eu curti demais a experiência de assistir esse anime, é bem meu estilo e eu recomendo para quem gostou de outras séries que recomendei aqui, como Tamako Market, Hyouka, Hibike Euphonium, e outros slice-of-life fofos assim (que super fazem meu tipo, aparentemente! ^_^;). A comédia da série se dá basicamente por conta das loucas peripécias da Chika. Na minha opinião, a abertura e o encerramento, muito felizinhos, também são grudentos. Ou pelo menos eu fiquei com eles na cabeça por muito tempo.

É aquela coisa: não dá para dizer que Haruchika é "especial", porque não tem toda essa pretensão, nunca. Mas os temas tratados são especiais, tudo é muito fofo e delicado, e para quem gosta, é um prato cheio. Em conclusão, eu adorei assistir Haruchika, e para quem gosta de anime levinho de slice-of-life: recomendo fortemente!

6 comentários:

  1. Exatamente o título que eu dei para o artigo do último episódio, hahaha. Mas também, depois de assistir aquilo, o que mais poderia ser não é? Até porque o anime inteiro, entre "mistérios" malucos (que por razões de o-enredo-precisa sempre caem no colo do Haruta para resolver) e uma aparente falta de rumo (que se confirma?) não tem mais nada a dizer no final das contas. E daí o Haruta diz isso. E BANG!, é um momento de catarse quando todo o resto da série passa rapidamente diante de seus olhos e tudo de repente faz sentido. Ou melhor, não faz? São apenas adolescentes vivendo como adolescentes. Coisas incomuns demais acontecem com eles, coisas que poucos adolescentes passam sequer uma vez, que dirá passar por todas elas, mas o ponto é que _isso não importa_. Ignore o que aconteceu, se concentre em como eles reagiram, como agiram, como se sentiram, como viveram. Por isso que em alguns momentos eles podem parecer cruéis demais (episódio da Narushima...) mas isso não deve ser entendido ao pé da letra. Tomado literalmente, Haruchika é absurdo, inverossímil, às raias da loucura, _para no final não ter história nenhuma_. Foi um pouco frustrante acompanhar esse anime semanalmente porque gosto de mistérios e gosto de musicais, e no fundo esse anime não é nenhum dos dois. Maratonar a série sabendo que ela é um slice of life com um pouco a mais a dizer sobre adolescentes deve ser uma experiência bem melhor.

    Belo texto, parabéns. Sobre a sexualidade do Haruta: eu fiquei decepcionado. Não com ele, mas com a reação das pessoas ao primeiro episódio. Aquele "nojinho" besta. Não tinha chance nenhuma do anime virar um yaoi, isso estava claro por várias razões: gênero, público-alvo, o tabu nem tanto da homossexualidade (embora exista esse tabu também) mas da relação entre professor e aluno, enfim. Mas nem queriam saber de conversa. E mesmo entre os que entendiam e aceitavam esse argumento (que se mostrou verdadeiro, como não poderia deixar de ser), muitos retrucavam com "ah mas mesmo assim ele é gay eca". Credo, povo escroque. O único medo que eu tive foi a sexualidade dele virar alívio cômico no anime, e isso felizmente não aconteceu. Teve até dois momentos importantes de reflexão sobre o tema (o episódio do cachorro e o final) que só foram possíveis graças ao Haruta ser quem ele é.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHA nossa, sério? Acho que essa é uma das frases impactantes da série, que aliás, tem várias frases "de efeito", diria. Eu dei esse título justamente porque o subtítulo da série tem essa mesma mensagem.
      Mas realmente, é bem isso. Haruchika tem essas várias coisas acontecendo caoticamente, nada se conecta muito, mas essas coisas são coisas que passam pela vida dos jovens Haruta e Chika. E você tem razão, tudo é meio absurdo e fora do real sob uma certa perspectiva, mas eu honestamente acho que as coisas na vida são (ou pelo menos andam) meio assim. Quem nunca foi exposto a uma coisa "inadequada para a sua idade", quantas coisas "estranhas" para os adultos não aconteciam quando éramos adolescentes? É por isso que eu chamo Haruchika de uma série "jovem" e "de fácil identificação para adolescentes". Vamos encarar: estamos velhos. :P Assim, esse momento resume o espírito da série, não acha? São jovens fazendo coisas de jovens.
      E não, Haruchika não é nenhum dos dois mesmo, apesar de ter um pouco dos dois a oferecer. Entendo sua decepção!

      Muito obrigada! Ah, lá no Peku x Peku a gente tinha um nome para esse nojinho: "guardiões da heterossexualidade". Quando a pessoa vê um casal gay, amável e feliz, em um anime que não é categorizado como yaoi/yuri, e proclama frases como "eca!", "medo de ser gay" e "se não é yaoi/yuri, por que precisa ter gays?". Vide: http://pekuxpeku.blogspot.com.br/search/label/temei%20os%20guardi%C3%B5es%20da%20heterossexualidade . Mas, se no geral isso não fez diferença NENHUMA, eu também acho isso muito legal pela questão da representatividade, e sim, a reflexão dele no final foi incrível.

      Enfim, muito obrigada pela sua visita e seu comentário, Fábio! Até mais! ♡

      Excluir
  2. Acho que até agora Haruchika foi o anime que mais gostei da sua temporada (também gosto muito de Boku Dake ga Innai Machi mas disseram-me que o anime não ficou lá grande coisa na última metade e eu também ainda não acabei).
    Mas gostei como Haruchika trata temas tão variados e de certa forma realistas e comuns de uma maneira leve (e por vezes não tanto).

    Unicorns and Chill

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bea! Primeiramente, muito obrigada pela visita e pelo comentário!~

      Eu não assisti Boku Dake ga Inai Machi, mas também ouvi que o final foi decepcionante. Mas Haruchika eu assisti, e posso dizer que adorei por fazer muito, muito o meu estilo. Concordo com você, uma das grandes qualidades da série na minha opinião é essa leveza ao tratar de assuntos delicados e até pesados. ^_^ Muito obrigada, e até mais!~

      Excluir
  3. Curti muito Sound Euphonium, mas esse Anime foje completamente do pro.etido tema musical. Me senti enganado por esperar um Anime realmente focado no cotidiano de uma banda. Uma pena. A protagonista toca meu instrumento, mas o Anime nem de longe esta correspondendo minhas expectativas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah e esse garoto gênio é chato!! Merecia o apelido de moleque chato.

      Excluir