terça-feira, 8 de março de 2016

Um post sobre personagens femininas de anime que eu adoro.

Gif da personagem Utena Tenjou do anime Shoujo Kakumei Utena.

Olá, gente!~

Aproveitando que hoje é dia 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, eu vim escrever aqui um post curto e grosso (não mais) espontâneo sobre personagens femininas de anime, mangá e jogos. Essa é uma ideia que eu tenho na minha cabeça há muito, muito tempo, e depois de ler o post maravilhoso do AnimaXForce intitulado "Afinal o que torna uma personagem feminina forte?", há um ou dois meses no máximo, lembrei dela. E comentei lá que eventualmente escreveria mais sobre aqui também, apesar de ele já ter dito tudo que eu penso sobre esse assunto. Se você quer saber o que eu penso sobre esse assunto, vai lá ler esse post pelo qual eu me senti 100% representada!

Também há coisa de um ou dois meses no máximo, eu li o post do Collant sem Decote sobre Final Fantasy VII sem machismo, e postei lá nos comentários que eu discordo veementemente de Final Fantasy VII é um jogo machista, porque eu acho as personagens femininas sensacionais para um jogo de 1997. Mas eu percebi então que o que faz uma personagem feminina ser sensacional, no meu conceito, tem muito mais a ver com a série em que ela está do que a personagem em si. Por que? Não é porque a série faz a personagem, é porque em 90% dos casos o quanto um determinado autor é machista - ou quer propagar uma visão machista - ou não é refletido tanto na série quanto nas suas personagens. Então as coisas acabam combinando.

Enfim, esse post aqui não é pra falar sobre sexismo no fandom de anime/mangá nem nada disso - até porque eu já gastei muito teclado falando disso por aqui, deixo mais para uma próxima. Esse post é para falar um pouco das minhas personagens femininas favoritas, e por que elas são minhas favoritas, aproveitando o clima depois de ter feito um 5x5 de personagens femininas incríveis para o Dia da Mulher para o Suco de Mangá. Minhas escolhas lá refletem meu princípios - são personagens que gostando ou não eu achei que mereciam ser lembradas como personagens femininas interessantes, e mais importante, que não tem nenhuma contraparte importante pra ninguém ficar de "ai, mas por que escolheu uma e não a outra?" (exemplo, Ranka e Sheryl - eu sei que ia ficar ofendida se visse a Sheryl e não a Ranka num 5x5 desses). Então, foram escolhas políticas.

Mas aí eu fiquei, poxa, minhas escolhas pessoais seriam um pouquinho diferentes disso, e eu gostaria muito de falar sobre elas. Então eu queria postar aqui sobre minhas escolhas pessoais. Também por uma questão de princípios, eu não comemoro o Dia da Mulher, mas não queria deixar passar a data desse 5x5 para puxar saco das minhas personagens favoritfalar o que eu penso sobre essas personagens femininas de anime fortes e interessantes, que me encantaram e inspiraram desde sempre. ♡



Meu 5x5 de personagens femininas incríveis. Para saber os nomes de cada personagem, acesse o post no Suco de Mangá!

Para falar um pouquinho das minhas escolhas: muitas ali eu sei que são ótimas, digamos, por segunda mão - porque eu sei da paixão de outras pessoas. A Lady Oscar, por exemplo, é uma favorita da minha melhor amiga - e acredito que da Valéria do Shoujo Café também - e a Sakura Haruno é uma favorita da Pixela, do Otomicesque conseguiu me convencer do quão legal ela é em um dia com um textão no Line. Juro. Outras, como a Eureka e a Belldandy, eu considero ótimas porque a Internet nunca se cansou de falar delas. Elas simplesmente marcaram, e por consequência me vieram à mente.

Tem algumas personagens de séries que eu assisti e não liguei tanto assim, mas sei que o público tende a gostar delas. A C.C., por exemplo, não entra nem no meu top 10 de personagens de Code Geass [comentários] (já falei que esse é meu anime preferido hoje? Não? Agora falei), mas eu sei que muita gente gosta dela, e sendo uma bruxa que aguentou torturas e dificuldades durante séculos, ela tem definitivamente uma personalidade excepcional. Mas eu ainda gosto mais da Cornelia, da Milly, da Anya, da... etc. Outra coisa que eu não curto tanto é que ela é uma personagem de índole meio problemática, meio que nem a Yuuko ou a Ryuuko. Elas não tem necessariamente uma índole nem uma motivação incríveis, mas elas se viram e fazem acontecer com o que tem. O fato de elas saberem se virar sozinhas em si é um traço importante, que eu considero inspirador, e queria valorizar. E, claro, as séries em que elas estão inseridas não são exatamente feministas, ao menos na minha opinião. Vou falando mais sobre isso.

Depois, a lista tem ainda personagens que eu pessoalmente reconheço que são incríveis, mas tenho implicâncias pessoais pelo fato de determinadas emoções serem algo mega relevante na história delas. Por exemplo, a Sakura Kinomoto não estaria na minha lista de favoritas porque o eixo da história dela pessoalmente me entedia (quem me conhece sabe a implicanciazinha que tenho com CLAMP: isso é mal de como elas costumam levar suas histórias, nada a ver com a personagem Sakura em si). Por outro lado, temos personagens como a Celty ou a Kurisu, que são personagens que tem como traço relevante a falta de emoções pela maior parte da história. Isso é igualmente entediante ao meu ver. No meu conceito pessoal - que está muito distante de ser o conceito mais comum ou um senso geral - uma personagem com sentimentos mais equilibrados e diversificados é mais realista e portanto mais interessante.

Tem as escolhas que bateram com meus gostos pessoais. A Nagisa Furukawa, por exemplo, para muitos não é a best girl de CLANNAD, mas com certeza é a que tem mais relevância na história, e a que mais fez o pessoal chorar. Eu gosto da personalidade dela - ela é extremamente perseverante, meiga com as pessoas, e incrivelmente fofa, e esses são alguns traços que eu consigo apreciar em personagens. Então eu precisava colocar ela. Idem a Tamako, de Tamako Market [resenha]; eu gosto muito dela porque ela é tudo isso também, mas ela tem também as qualidades de ser extremamente trabalhadora e amiga, apesar de todas as dificuldades que ela enfrenta na vida. Ela é aquele nível de personagem que não tem exatamente poderes mágicos além de uma personalidade admirável, e eu procurei colocar algumas personagens assim na lista também.

E sim, tem alguns casos nos quais meu gosto bate totalmente com o da maioria das pessoas, porque as personagens são incríveis assim: a Yona de Akatsuki no Yona [resenha], a Haruhi de Ouran Host Club, e a Akane de Psycho-Pass [resenha], por exemplo. Não é segredo pra ninguém que eu adoro elas, e acho que a maioria das pessoas que assistem seus animes adoram elas, porque... né? O que falar de uma personagem forte, inteligente e com índole impecável? Falando assim, elas parecem até meio Mary Sues, mas realmente não são - todas elas vacilam em algum momento das suas histórias, mas se recompõem. Elas são personagens carismáticas e incríveis ao mesmo tempo, e acho que mais autores podiam se inspirar nessas façanhas.

Dito tudo isso, é claro que eu também pesei outras coisas nessa lista. Por exemplo, eu queria incluir algumas personagens queer - desde personagens andróginas como a Kino e a Haruhi, passando por personagens canonicamente bi- ou homossexuais como a Utena e a Saki, até personagens trans como a Nitorin. (aos que não viram ou leram Hourou Musuko, "o que você está esperando?" porém "desculpa o spoiler" também!) Eu queria incluir alguns estereótipos: garotas mágicas, garotas de ação, garotas intelectuais, garotas com talentos específicos, e garotas, bem, simplesmente normais. E, bem, eu queria incluir séries populares - ou ao menos popularmente aceitas como feministas e legais - também, e aí algumas favoritas minhas pularam fora.

Digo "popularmente aceitas como feministas e legais" porque nem sempre o que é feminista e/ou legal para uma pessoa é para outra. "Mas o Teste de Bechdel..." Ok, mas falar de sutilezas nunca é tão simples. Eu sou a pessoa que escreveu um post sobre como considera K-On! feminista. Pode me julgar, mas K-On! não me ofende. Kill la Kill me ofende, mas há quem o considere a epopeia feminista do século XXI, e todo mundo deve concordar que é um anime popular, então está lá. E até hoje K-On! tem uma das minhas personagens femininas favoritas, mas eu já forcei um pouco a barra do meu amor KyoAni colocando CLANNAD e Tamako Market, então me contive. (Assim como me contive pra não colocar a Kobato, ok? Eu reconheço que CLAMP, apesar de não fazer meu tipo de narrativa, também tem personagens femininas incríveis.)

Então, vou falar aqui na segunda parte desse post quem a minha lista pessoal teria. Yay! (◡‿◡✿)




Ritsu Tainaka - K-On!

Até hoje a Ritsu é uma das minhas personagens femininas favoritas. De verdade. A Ritsu é sensacional: ela é tomboy, engraçada, não liga pra nada, talentosa, criativa. Conclusão sociológica da noite: se ela fosse brasileira e vivesse em 2016, provavelmente ia ser uma youtuber bateirista famosa. Eu provavelmente assistiria. Ela é uma personagem incrivelmente carismática, e não é a toa que é uma favorita entre os fãs de K-On!, ou pelo menos era na minha época. Ah, e tem também o ship sensacional dela com a sua amiga, a Mio. Ela simplesmente me diverte muito, além de me inspirar a tentar ser mais feliz e contagiante, então ela está na minha lista de personagens favoritas. Mas não, ela não é a primeira colocada, eu só coloquei ela aqui para pegar a deixa de K-On! e feminismo. A primeira colocada na verdade seria...




Rahzel Anadis - Hatenkou Yuugi

Ah, sim, minha #1. Em tudo, em termos de personagem feminina de anime. Eu não coloquei a Rahzel na lista do Suco por motivos óbvios: quantas pessoas conhecem a Rahzel? Pouquíssimas, mas eu garanto que muita, muita gente devia conhecer a Rahzel. Como eu não me canso de falar da história dela, vamos lá: garota de 14 anos com poderes mágicos que vive com um pai adotivo um belo dia é chutada de casa por esse homem. Ele parece ter boas intenções, mas um método certamente pouco ortodoxo; ele diz a ela: "veja o mundo", e é assim que Rahzel acaba se metendo em uma jornada pelo mundo com dois caras bem mais velhos que ela: um albino que está procurando o assassino de seu pai, e um ex-soldado que está procurando mulheres mulheres mesmo, talvez boys tambhã, companhia para andar por aí ou algo assim. E então, ela sai pelo mundo tentando ajudar os amigos dela, depois ajudar quem ela encontra pelo caminho, e por fim, ajudar a si mesma. Porque afinal ela é uma garota mágica incrível em um mangá josei empoderador, com frases como "eu sei que posso porque tenho poder, mas mesmo que não tivesse eu saberia que posso fazer qualquer coisa e posso ir a qualquer lugar" saindo da boca de uma garotinha de 14 anos. Enfim, Rahzel é a epítome das garotas mágicas no meu coração, e mais pessoas deviam ler esse mangá lindo.



Naru Kotoishi - Barakamon [resenha]

Depois, a Naru. Eu não coloquei ela na lista, na verdade, porque ela é uma criança, e rola toda uma divergência quanto a crianças serem ou não mulheres - porque, como colocou Simone de Beauvoir em um texto realmente muito bom chamado O Segundo Sexo: Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Aquele texto que causou furor no ENEM é muito bom, viu? Enfim, Simone de Beauvoir a parte, eu incluo a Naru na minha lista de personagens femininas queridas porque ela é a versão anime da garotinha empoderada. Ela gosta de brincar com os garotos, simplesmente fazer as coisas divertidas da vida no campo, e apesar de não ser socialmente inapta - ela é até bem esperta e comunicativa para uma criança - ela não tem preocupações com coisas como romance. Ela é simplesmente uma criança feliz, e eu gosto muito dela, daquele jeito meio maternal, meio "espero que ela cresça bem e se torne uma mulher incrível"!



Chihaya Ayase - Chihayafuru [resenha]

Eu confesso que quase me esqueci da Chihaya, mas não foi por maldade; foi, sim, porque eu ia colocá-la na lista, apaguei por engano e acabei esquecendo que tinha apagado, se é que isso faz algum sentido. Mas eu não poderia esquecer de colocá-la na minha lista pessoal, porque a Chihaya é muito, muito importante. Ela é importante porque sua personalidade é realisticamente excepcional. Ela segue seu coração a risca, desenfreadamente, e isso a faz especial. Ela é, como seu nome diz, apaixonada. E isso não significa que ela sai correndo atrás de um homem apesar de ela fazer isso também; isso significa que ela é focada, muito íntegra, e apesar de normalmente gentil e amigável, chega a ser feroz e competitiva quando necessário. Chihayafuru para mim é uma história sobre paixões, e até onde as paixões podem te levar, e a Chihaya é uma garota que vai muito longe só com o poder insano da sua força de vontade, porque ela sabe o que quer e persevera naquilo. Ela tem um sonho e vai atrás dele. É uma personagem que tem muito a ensinar basicamente para todo mundo, então é claro que ela está nessa lista. (E devia estar na do Suco também, faço um mea culpa aqui! OTL)




A Yona é uma personagem que estava no meu top do Suco de Mangá, e eu já falei muito aqui sobre o porquê de eu gostar dela, então vou apenas citar um pedaço da minha resenha.
Akatsuki no Yona é a história de uma guerreira. Uma garota que se vê em uma situação inesperada e o que ela faz, senta e chora? Sim, por um dia ou dois; depois, percebendo que não há saída - que aquilo é, de fato, real, e que ela vai ter que seguir em frente de algum jeito - encurta suas roupas de princesa (não demais, seus pervertidos), arranja um arco, flechas, e começa a matar animais para praticar suas habilidades de defesa pessoal. Não, ela não gosta de matar animais; Yona é a típica princesa perfeitinha e amorosa, que nunca teve motivos pra isso e certamente nunca se imaginou matando animais. Mas ela faz isso porque ela precisa sobreviver, e precisa, ainda por cima, cumprir uma missão que ela descobre que tinha no meio do caminho: a de unir quatro guerreiros com um poder lendário, do qual ela é o centro.
Resumindo, ela é uma princesa mimada que de repente se vê em uma situação de vida ou morte, literalmente. Por motivos muito plausíveis, na verdade: uma disputa política, algo que realmente poderia acontecer. E ela ergue a cabeça e vai à luta. Ela é uma guerreira incrível de um shoujo contemporâneo, e a personagem feminina que mais recentemente me cativou, então claro que tinha que estar nessa lista.



Haruhi Fujioka - Ouran Koukou Host Club

A Haruhi foi a primeira personagem de anime pela qual eu me apaixonei perdidamente. Nenhum segredo aqui. Ouran Host Club foi também o primeiro anime que eu acompanhei semanalmente com empolgação, há quase 10 anos, e o primeiro anime que eu me considerei "fã" fora os que assistia na TV. E até hoje a Haruhi é uma personagem especial no meu conceito. Aos 12 anos, eu realmente me identificava muito com ela: ela é uma tomboy, não por necessidade de ser um dos garotos, mas porque ela é totalmente indiferente ao conceito de gênero. Eu diria que a Haruhi de boa parte do anime (sem contar os últimos dois episódios, sem contar a do mangá...) é quase agênero: ela só não se importa, e por isso não suporta as garotas e garotos fúteis que baseiam suas vidas inteiras em crushes em pessoas do sexo oposto... e então vamos descobrindo que ela é uma personagem tão bem construída que tem até motivos para isso. Sua mãe é falecida, e seu pai é um travesti profissional que a mima demais. Ela tem uma aparência tomboy, é tímida, e não se encaixava nada naquele ambiente de pessoas ricas da sua escola nova - então por que devia procurar agradá-los? Como resultado, ela acaba dando discursos feministas excepcionalmente racionais no meio da escola de ricos com toda a naturalidade do mundo. Uma verdadeira lady, inteligente e madura até demais. O triste é que Ouran deu uma mudada radical, mas ainda assim eu considero uma história feminista, e acho que a Haruhi é uma personagem tão sensacional quanto realista. Quantas Haruhis não existem por aí, que eventualmente podem até se encaixar no padrão de feminilidade socialmente imposto, mas que enxergam muito mais coisas? Eu admiro mulheres empoderadas e inteligentes, e por consequência, acho muito bom que elas sejam representadas na ficção. Então é óbvio que eu sou apaixonada pela Haruhi até hoje. ♡



Tamako Kitashirakawa - Tamako Market [resenha]

Por fim, a Tamako é a terceira personagem que eu coloquei na lista do Suco de Mangá, e que colocaria na minha lista pessoal de personagens femininas favoritas também. Para quem ainda não tinha advinhado, come esse header do blog. Enfim, por que eu gosto tanto da Tamako? Isso é um tanto pessoal (*gasp*, vai rolar um Arquivo Confidencial nesse blog hoje!). A Tamako é uma garota com uma história meio difícil: sem mãe, desde pequena ela é a mulher responsável pelo negócio de mochis da família, além de ter uma irmãzinha mais nova. Pensando em termos de sociabilidade e família no Japão, é uma situação meio complicada pelo tanto de responsabilidade que recai em suas costas. Apesar de estudar e trabalhar literalmente o dia todo, Tamako é uma garota que não desanima. Nunca. Não que ela não se sinta triste de vez em quando, mas ela está sempre sendo simpática com as pessoas, sempre procurando dar atenção, e assim conquistou o coração de todos do distrito comercial em que vive. Ela é apenas uma garota amável e criativa, e suas amigas são um pouco atípicas, mas pessoas igualmente muito legais. Eu me identifico bastante com ela por um lado, mas por outro, muitas vezes me falta a paciência e sobretudo a alegria que a Tamako tem. Então, na sua normalidade, eu penso que eu sou um pouco Tamako - e como eu muita gente, né? - e ao mesmo tempo queria ser mais: mais esforçada, mais leve, mais alegre. Ela é definitivamente a maior Mary Sue dessa lista, mas o fato é que ela nem passa por Mary-Sue-detestada porque sério, quem vai odiar a Tamako? Ela é só uma personagem simples, batalhadora e adorável. E inspiradora para caramba. Rock on, Tamako!



Enfim, era isso que eu tinha a dizer por hoje. Eu colocaria mais personagens ainda na minha lista - tipo a Ranka Lee e a Utena Tenjou; eu colocaria ambas facilmente! - mas a verdade é que está ficando tarde e, na real, eu gosto de tantas personagens que fica difícil fazer um levantamento 100% real e condizente com o que eu penso. Fato é que, felizmente, ainda que anime seja um meio em geral machista - óbvio, sendo produto da sociedade japonesa - e com alguns tipos de fanservice problemáticos (*cof* peitos pulando e passada de mão não são tão legais na realidade *cof*), tem várias personagens femininas em anime que são realmente legais, moças fortes e independentes que não precisam de homens, mas sobretudo personagens inspiradoras tanto para homens quanto mulheres.

Enfim, muito obrigada por ter lido até aqui!~ Espero que tenham gostado desse post mega aleatório que eu estava devendo para esse blog. Por favor, deixem aí nos comentários o que vocês acham do meu gosto cof: quem ficou faltando, quem não devia estar aqui? No mais, quem são suas personagens femininas favoritas de anime? Muito obrigada, e até mais! ♡

4 comentários:

  1. Olá! Agora, finalmente, o artigo que deu início à minha avalanche de comentários =P

    Em primeiro lugar obrigado pelas referências! Adicionei mais dois blogs à minha lista de leituras diárias e estou aqui lamentando que um terceiro não esteja mais ativo. Aquele texto do Peku Peku me fez enxergar o moe de uma forma completamente diferente. Preconceituoso eu já não era, mas tendia sim a achar que era primariamente sexualizante, masculino. Foi uma leitura realmente esclarecedora sem ser pedante.

    Li algumas das suas resenhas, comentando todas, e percebi que você escreve ainda melhor do que eu já achava. Preciso melhorar meus textos também!

    Ah, outra coisa que lamento: assisti Chihayafuru há pouco tempo e estou para escrever um artigo sobre o anime. Ontem (já é ontem!) teria sido um bom dia para publicá-lo, mas estou completamente perdido no tempo. Se o Facebook não me conta que dia é, eu fico sem saber. Tô ruim assim.

    A minha lista de personagens preferidas seria bem diferente da sua e eu precisaria pensar um bocado para escrever uma, mas acho que gosto demais de um tipo de personagem que você disse que não gosta (as kuuderes, como a Rei, hahaha), até tenho um artigo no meu blog sobre elas (http://anime21.blog.br/2015/08/05/7-personagens-que-sao-clones-da-rei-ayanami/).

    Muito bom artigo, pelo que está escrito e pelo que me fez ir ler noutros lugares, até mais =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fábio, tudo bem?

      Em primeiro lugar, obrigada por ter lido o post! Fico feliz que você tenha gostado, e das referências também, são blogs muito bons mesmo. Ah, e o Peku Peku era basicamente eu e uma amiga; eu posto aqui, e juro que tento convencer essa amiga a postar também, então não está perdendo nada. :P Fico feliz que tenha gostado do texto!

      Ah, muito obrigada pelo elogio! m(_ _)m Eu sempre gostei de escrever, então acho que tem a ver com o hábito, hahah. Como eu disse, você provavelmente vai pegar todos os hábitos que ainda não tem depois de alguns anos de blog.

      Poxa, Chihayafuru é um josei excelente, não? Uma pena que não tenha dado para publicar ontem, mas sempre é tempo, até porque o mangá continua e ficamos na torcida para ter uma terceira temporada... E nossa, cuidado! Desculpa se tenho tomado demais do seu tempo com posts gigantes rs, mas realmente não é bom ficar assim. Por falar em estar ruim, você estava doente, né? Está melhor?

      Ahh, e que legal sua lista, vou comentar lá!

      Enfim, fico feliz que o artigo tenha sido interessante e tenha levado coisas novas e legais até você! (◠‿◠✿) Muito obrigada pela visita e pelo comentário, como sempre! Até mais!~

      Excluir
  2. Olá! Com internet hoje, tudo ótimo! Espero que esteja bem por aí também, hehe

    O Peku Peku era você e uma amiga só? Menos pior. Bom, deixei um comentário no link que postou, acho que você pode ver então, hahaha. E provavelmente vale a pena considerar reeditar artigos atemporais dele para republicação por aqui, não acha? Bom, isso é só uma sugestão porque o conteúdo é bom =)

    Anos de blog. Me pergunto onde estarei daqui uns anos. Não, antes disso, me pergunto onde estarei no final desse ano =D

    Chihayafuru eu acabei decidindo assistir as demais temporadas para escrever um artigo só, eu só vi a primeira mesmo e já faz um tempo, prefiro escrever quando a coisa ainda está viva na minha cabeça.

    E não se preocupe, prefiro perder tempo lendo o que você escreve do que rolando inutilmente no Facebook. Porque eu faço isso também. Se tem uma coisa em que eu sou bom é em ficar gastando tempo. Já fiquei horas na Wikipedia (quem nunca?), já fiquei horas no TV Tropes (quem nunca?), etc. Por isso não jogo, se eu começo a jogar qualquer coisa quero ir até o fim, sem parar, de uma vez só. E espero virada de temporada pra maratonar animes, porque se eu não tenho disciplina pra assistir "só dois ou três" episódios por dia =) Continue escrevendo bom conteúdo e linkando para bom conteúdo, eu pelo menos usarei meu tempo consumindo bom conteúdo, pense nisso =)

    Obrigado a você pelo artigo, e desculpe pela demora em responder. Já expliquei o que aconteceu em outro comentário então não vou ficar sendo repetitivo aqui, hehe. Até!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Ahh, que ótimo! Aqui também, quase terminando o post de Rakugo Shinjuu 9, ou eu devia chamar "o testamento"... (Demorei uns dias para escrever para não ter dor de coluna, por aí você vê o tamanho do negócio.)

      Sim, sim! Aquele post era meu mesmo, haha. Como era um blog com uma amiga, e seu tempo passou, eu nunca pensei em republicar, mas volta e meio linko os posts do blog porque era bem divertido e saiam boas coisas lá. :P

      Hum... seu blog já tem alguns aninhos também, não? Hahah 3 anos não é muito, quem dera um dia ser como o Carlílio do Netoin!, por exemplo! ^_^; (Ou como diria o RH, "onde você se vê daqui a 5 anos?" rs)

      Ah sim! Bom, tem a segunda também, e também deve sair mais no futuro. Espero que um dia você queira escrever sobre, eu gostaria de ler, por favor não esqueça de linkar aqui! (◠‿◠✿)

      Ah, isso é verdade também. HAHAH poxa, fico feliz por estar te ajudando a fazer algo bom com seu tempo, então! Eu procuro escrever coisas boas justamente porque gosto de ler coisas boas, e na Internet tem muuuita baboseira, rs. Eu também faço isso, acho que todo mundo faz, o que é pior. A gente insiste em ficar o tempo todo conectado com "tudo" (em que "tudo" é o Facebook, com as guerrinhas sociais e os memes da Inês Brasil, né) e aí um site como o Quiet Place abala nossa estrutura, porque a gente se dá conta do quão esquisito está. Mas né, eu tô ficando velha mesmo. Parei de reclamar.

      Imagine, relaxa! Fico feliz mesmo que tenha gostado. Mais uma vez, muito obrigada pela visita, pela leitura e pelo comentário! Até mais! ☆彡

      Excluir