quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Prince of Stride: Alternative 1 e 2 - Que comece o Best_Stride_Ever.mp4!

Claramente Best_Stride_Ever.jpg.

Olá! Quem se lembra do post de expectativas da temporada de Inverno 2015/16, no qual eu propus que vocês votassem em um anime para eu acompanhar? O anime mais votado foi Prince of Stride, e por isso estou finalmente trazendo nesse post meus comentários sobre os episódios 1 e 2 do anime! Yay!! (ノ◕ヮ◕)ノ*: ・゚✧

Para começar, eu queria dizer que Prince of Stride era uma das minhas estreias mais aguardadas dessa temporada, mas, como eu já comentei no meu próprio post de Primeiras Impressões da Temporada, eu não consegui evitar de fazer na minha cabeça comparações com Free!, que é outra série que eu cheguei a comentar semanalmente e gostei demais. Por isso eu acho que não consegui curtir tanto quanto outras pessoas que vi comentarem - afinal, como fã incondicional do KyoAni e dos personagens de Free!, não dá pra exatamente substituí-lo no meu coração assim tão fácil e tão cedo. ^_^;

Por isso, eu vou deixar aqui apenas alguns breves comentários que tenho a fazer sobre os episódios 1 e 2, enquanto ainda estou conhecendo os personagens, me envolvendo com eles e tudo mais e ainda não tirei Free! da cabeça. Ainda essa semana virá o post de impressões dos episódios 3 e 4, e a partir de então farei ou tentarei fazer posts de impressões semanais de acordo com os lançamentos. Assim, espero que vocês gostem dessa série de posts, e por favor aguardem mais Prince of Stride e Shouwa Genroku Rakugo Shinjuu aqui no blog!~

Eu vou começar essa análise falando da parte mais superficial de Prince of Stride: o visual. A primeira coisa que me ganhou no anime foi, definitivamente, a sua abertura. Extremamente colorida e animada, ela reflete bem o feeling do anime: energético, transmite uma imensa sensação de liberdade, aventura e de empolgação. Para quem gosta desse estilo de anime - de esportes, com muita emoção e bishounen à la Free!, Haikyuu!! e tantos outros - a abertura de Prince of Stride é incrível e sabe ganhar o espectador. Tudo isso além de apresentar os personagens, um mais bishounen que o outro.

Problema é que, depois disso, quanto ao visual do anime em si... não que eu tenha me decepcionado exatamente em relação à minha primeira impressão, mas confesso que, apesar de o character design dos personagens ser incrivelmente bonito, o colorido não era tudo aquilo que eu estava esperando da diretora Atsuko Ishizuka, de No Game No Life (comentários) e Hanayamata. Visualmente falando, confesso que esperava um visual mais atraente e menos entediante do popular estúdio Madhouse (Death NoteHunter x Hunter [2011]), especialmente levando em conta o visual do jogo e o quão dinâmico Prince of Stride se propõe a ser, mas sendo um anime de bishounen com pouco enredo e que provavelmente só terá 1-cour, talvez minhas expectativas fossem exacerbadas.

Reclamações iniciais feitas, esses dois episódios serviram basicamente para apresentar os personagens e o esporte em torno do qual gira a história desse anime. A história é a seguinte: no universo do anime, um esporte fictício chamado "Stride" é comum. Esse esporte é basicamente uma mistura de corrida de revezamento com parkour, e tem ainda um conceito a mais que é explicado melhor somente no final do episódio: o conceito de relationer. O relationer é uma pessoa que opera eletronicamente o cálculo preciso dos revezamentos. Sim, os revezamentos são minuciosamente calculados e isso leva a trocadilhos ruins não vistos desde Buddy Complex [resenha] e "coupling". O fato é que Stride é um esporte bastante interessante (e confesso que um pensamento que me ocorreu da primeira vez que eu vi o anime foi "que esporte maravilhoso, eu jogaria fácil um jogo sobre e--ah, é um jogo."). O problema, no entanto, é que ele não é muito bem explicado em nenhum momento. O episódio 1 começa com uma demonstração de como é o Stride, e termina com outra - e tudo, é claro, possui muita ação e parece promissor, mas nunca é explicado muito bem o que é o esporte. O anime te joga nele, e você aprende a gostar, ou não. Eu confesso que me ganhou - e foi possivelmente a única coisa no primeiro episódio que me ganhou - mas a falta de explicações melhores, que também não foi suprida no segundo episódio, deixou a desejar.




A protagonista Nana Sakurai é uma garota que gosta de Stride. Bastante. Ela entra em uma escola tradicionalmente conhecida pelo seu clube de Stride, com o interesse de administrar esse clube (o que eu achei interessante, pessoalmente: é difícil ver garotas de anime interessadas em um esporte a ponto de escolherem uma escola por conta dele, mas é mais raro ainda fazerem isso tudo não para jogar, mas sim para administrarem, não?). Ao entrar na escola, ela conhece ainda um rapaz chamado Riku Yagami. Riku é um garoto que logo fica popular na escola por arrasar em todas as demonstrações dos clubes de esportes, e ele tem como meta entrar em todos os clubes de esporte da escola. Com isso, ele acaba praticando Stride também, mas sem ter interesse particular no clube. Um belo dia, ele vai com Nana até o clube, e então eles descobrem o nível da decadência do clube. O clube de Stride do colégio Hounan, outrora forte e famoso, teve de se unir ao clube de Shogi para não fechar e contam no total com três membros.

É aí, ainda no primeiro episódio, que conhecemos os demais bishounen da equipe que virá a ser a dos personagens principais de Prince of Stride. O líder do clube, Heath Hasekura, é um rapaz de descendência estrangeira que é modelo nas horas vagas; temos também Kohinata, o "fofinho" (shota) (trap ocasional) do lugar, e Ayumu, um legítimo nerd do clube de Shogi o qual foi cautelosamente manipulado pelos demais para fazer parte do clube de Stride quando tivessem mais membros. Além desses, não podemos esquecer de um dos membros mais especiais do clube de Stride: Takeru Fujiwara, um garoto que admite viver pelo Stride.

Assim, logo no primeiro episódio somos introduzidos aos bishounen principais do clube de Stride do colégio Hounan (e consequentemente do anime, acredito) e já conhecemos um pouquinho de cada um. A verdade é que todos eles são personagens com estereótipos bem definidos - o que não é necessariamente ruim; na verdade, não é nada mais do que o esperado de um anime de otome game - mas eu diria que eles não são apenas estereótipos cimentados; todos são sempre apresentados de uma forma gradativa, comédica e leve, e nesse sentido, se tornam mais humanos e próximos. Ainda que tenhamos tido poucos momentos para realmente conhecê-los nesses primeiros episódios, um é bastante diferente do outro e por mais que eu não tenha me apaixonado por nenhum digamos, não tem um Makoto Tachibana achei interessante como eles são bem desenvolvidos individualmente. Creio que isso tenha a ver com uma opção da adaptação do jogo para anime, e creio também que cada um deve ter uma rota individual no jogo, mas quanto a isso não cheguei a pesquisar.




Os verdadeiros protagonistas do anime, como percebemos logo, deverão ser os (parceiros de equipe, porém "rivais") Riku e Takeru. Ambos talentosos, um logo se estabelece como competidor do outro, o que tem a ver com o fato de eles terem visões muito opostas do Stride. Riku é um garoto que passou por algum tipo de trauma relativo ao seu irmão, que, conforme mostrado no episódio 2, parece ter abandonado-o por causa do Stride. Por conta desse trauma, Riku se recusa a dar o melhor de si no esporte, e ele explicita no segundo episódio que não quer ser como seu irmão, que era um grande esportista. Já Takeru é um garoto com uma paixão imensa pelo esporte, que logo fica bem bravo (pra dizer o mínimo) com Riku pelo fato de ele não dar seu melhor. E a fúria dele chega a ser explicável, considerando a importância de haver uma sinergia numa prova de revezamento. E algo que com certeza gera uns ships pra quem curte. 

E é isso que sabemos dos personagens até agora. No episódio 2, no qual o clube já está estabelecido, os personagens estão procurando um patrocinador para a equipe de Stride. No fim do episódio, temos ainda a introdução de uma equipe de rivais chamada Galaxy Standard que parece ter saído diretamente de UtaPri contra os quais eles devem competir no episódio 3. Quem vê esse tipo de anime sabe que introduzir os rivais cedo é normal, mas pra já chamar pro fight é meio rápido demais, e por isso penso que Prince of Stride seja incrivelmente rápido. Uma das maiores impressões que esses episódios me passaram, em uma palavra, foi essa: velocidade. Tudo é veloz, e o que senti foi que o anime se propõe a ser extremamente "orientado para ação", por falta de um termo melhor. O tempo todo temos metáforas sobre vento e movimentos, mensagens nada sutis de "se mova!" e coisas do tipo - assim como, pra fins de comparação, a primeira temporada de Free! tinha sobre liberdade, por exemplo. É legal ter um "lema" ou símbolo como fio narrativo, mas, ainda assim, penso que talvez eles... tenham levado o lema a sério demais.

Como assim? Chegou a hora de confessar aqui, então, uma coisa que eu achei sobre esses dois primeiros episódios: pouco envolventes. O fato é que tem muita coisa acontecendo, mas não tem explicação. Tentando colocar de outra forma, por enquanto o anime não parece focar nos relacionamentos nem no desenvolvimento dos personagens, nem tampouco em explicar o Stride. Ele foca no Stride em si; nas histórias do passado do esporte e em necessidades como campeonatos e patrocínios, e eventualmente na própria ação também, mas nisso ele acaba "jogando" o espectador que não conhece o esporte no meio de um terreno desconhecido. Acho que isso é uma escolha diretorial, e não necessariamente ruim: é uma que pode ganhar mais fácil até aqueles espectadores que curtem a ação e a dimensão de "esporte" do anime, mas para quem gosta mais de história, foi algo que realmente faltou aqui. A propósito, também não tem nenhum sinal de romance no anime até agora, mas ouvi dizer que o jogo também foi muito criticado pelas faltas nesse departamento. A moral da história é que o anime, até agora, focou muito mais na ação do que em qualquer coisa mais envolvente e emocional, ou mesmo em qualquer coisa de romance, como se poderia esperar de um anime baseado em otome game, e acho que alguns espectadores (como a jovem senhora que vos escreve) podem não gostar disso também.


Mas eu não posso dizer que não gostei desses dois episódios iniciais de Prince of Stride. Fui atraída, sim, pelo estilo visual relativamente original, além dos personagens interessantes - definitivamente o tipo que quero conhecer mais, pois até agora apenas pedaços deles apareceram, e ficou claro apenas que eles são complexos. Tem ainda o fato de que o Stride em si parece ser muito legalironicamente? as cenas em que eles correm pelos prédios transmite uma sensação de liberdade muito boa. Ou seja: eu vi várias falhas sim, mas estou só sendo reclamona aqui, porque no fim das contas eu me diverti. E diria que Prince of Stride até o momento tem tudo para ser "ao menos divertido". Um 7/10, um "gostoso de assistir". Mas claro que é cedo para julgar.



Então... nos vemos nessa semana com mais comentários sobre os episódios 3 e 4! Será que minhas expectativas vão ser subvertidas? Ou confirmadas?~
Agradeço muito a quem leu o post, e deixem aí nos comentários o que acharam desses episódios! Para quem tinha expectativas: elas foram superadas? Ou não? Sentiu que faltou algo? Já arrumou um husbando para essa temporada? Muito obrigada pela leitura, e até a próxima!!~ ✿

2 comentários:

  1. hmm...
    Bem interessante, porém o anime trás uma coisa um tanto repulsiva para os praticantes de Parkour, a competição entre praticantes...
    É algo um pouco polêmico e que em minha opinião (sou praticante) não deveria existir :/
    Inda bem que é só um anime :p
    Fora isso, parece ser bem interessante :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jorge!
      Entendo. Eu fiz uma resenha depois do anime completo se quiser conferir, mas minha opinião não mudou muito e eu acho que parkour é um esporte que fascina muitos leigos, como a própria patinação, ginástica artística e etc. mas também por isso parece difícil de se aproximar. A sacada do anime (e da VN) de inventar um esporte que NÃO é parkour mas tem semelhanças foi exatamente essa, eu acredito: não ser parkour (até porque competição dá ibope em anime de esportes!) mas ter coisas em comum para fãs de parkous, de animes de esporte em geral e etc. Também preciso notar que o anime não é só sobre competição, no esporte em si tem muito a importância da sincronização e etc, não é um anime que foca em competir por assim dizer. Então entendo os seus comentários totalmente, mas creio que talvez você se interesse por terem esses fatores que eu não expliquei bem. ^_^
      Enfim, super obrigada por sua visita e seu comentário! Até!

      Excluir