terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Jogo: Minhas recomendações de jogos de Nintendo DS que você (provavelmente) não jogou! - Parte 1: O Bonitinho



Olá! Como vão?
O tema do post de hoje são jogos de videogame, mais especificamente sugestões de jogos. Como eu mencionei no último post de projetos, um dos projetos que tenho no momento envolve retrogaming e jogos pouco conhecidos, preferencialmente japoneses e antigos. E é claro que pra jogar esses jogos, eu preciso antes fazer algumas pesquisas de títulos.

Eu tenho alguns consoles e portáteis, e um deles é um Nintendo DS, bem velho, daqueles lançados há mais de dez anos atrás. Ok, o Nintendo DS não é extamente retrô, mas o último lançamento relevante para ele foi Pokémon Black & White 2 em 2012, e desde então os bons lançamentos tem ficado - obviamente - para o Nintendo 3DS. Como eu não tenho um 3DS, fico com meu DS mesmo, e é nele que eu jogo desde Pokémon até jogos mais obscuros.

Depois de alguns anos com meu Nintendo DS soterrado, eu resolvi procurar alguns jogos e ressuscitar alguns outros que eu curti, ou que nem cheguei a jogar. Foi assim que cheguei em uma lista de 20 títulos de Nintendo DS relativamente obscuros que você, dono (ou dona) de um DS com flashcard provavelmente nunca jogou. E não estou falando aqui daquele nível de jogos tipo Ace Attorney e Elite Beat Agents, que você provavelmente não vai encontrar na coleção de qualquer criancinha, mas que provavelmente vai encontrar na coleção de muitos aficcionados pelo portátil. Estou falando de séries como Jake Hunter, série de jogos de detetive popular no Japão cujo único lançamento em inglês foi para o Nintendo DS, ou Princess Debut, jogo da Natsume estilo EBA-meets-otome game.

Como 20 jogos é bastante, eu resolvi dividir esse post em dois de acordo com o meu gosto estético pessoal. Eu tenho tendência a gostar de jogos ou muito bonitinhos/fofinhos/kawaii, ou com uma estética trevosa dark e/ou insana, como qualquer um que navegar pela seção de jogos desse blog deve saber. Como os jogos que eu acabo gostando mais tendem a se dividir mais ou menos em uma dessas duas categorias, esse primeiro post é apenas para os 10 jogos mais fofinhos ou girly, e o segundo post terá os jogos com estética mais séria ou sombria. (Não, essa classificação não tem nenhum sentido além de economizar espaço, mesmo.)

E quero deixar claro também que, primeiro, essa não é uma "retrospectiva melhores jogos de Nintendo DS" nem nada do tipo. As recomendações dessa lista são extremamente pessoais, de jogos que eu não vi muita gente dando atenção, mas que curti ou ao menos me pareceram interessantes. Pra ter uma ideia do que vai encontrar aqui, eu gosto muito dos gêneros adventure, visual novel, RPG, simulação e jogos de ritmo. Depois, todos os jogos são em inglês. Se você não fala inglês, mais vale a pena procurar, por exemplo, uma lista de jogos em japonês pra jogos realmente "desconhecidos". ^_^;

Feitos esses avisos, espero que curtam essas listas, e vão lá tirar o pó de seus Nintendo DS antigos com esses jogos!~




Maestro! Jump In Music
Gênero: Música/Plataforma
Maestro é um jogo de música lançado em 2009 por um desenvolvedor francês chamado (ironicamente) Neko Entertainment. Nesse jogo, você é um pássaro que anda sobre cordões que fazem barulho. Você tem que tocar uma música passando a stylus por esses cordões, enquanto o pássaro pula com eles, pega itens e desvia de inimigos. Sério, é basicamente essa a jogabilidade. Apesar de possivelmente parecer estúpido, admito que viciei bastante nesse jogo por um tempo. Além de ser uma ideia inovadora, o que é sempre bem vindo no mundo dos jogos de ritmo, também requer um tanto de estratégia para obter o máximo de pontos possíveis. Além disso, o jogo conta com historinhas em quadrinhos no fim de cada fase. Super casual, adorável e divertido, é altamente recomendável pra quem gosta de jogos de ritmo, especialmente aqueles que tem um "algo a mais" de criativo.

Kilari Become a Star
Gênero: RPG/Simulação
Baseado no popular mangá shoujo Kirarin Revolution, este foi o único de muitos jogos da série lançados no Japão que chegou a ser lançado em inglês. Eu preciso confessar que, apesar de bem desconhecido, acho esse jogo muito fofo e divertido, e é uma das inspirações para o meu joguinho de RPG Maker 2003. :) A história do mangá é de uma garota que quer se tornar idol, e o jogo de DS segue um tanto a mesma história. É um RPG que se passa em um ambiente urbano - muito fofo, por sinal - no qual você tem que ir completando minigames e fazendo aulas de música e dança até se tornar uma idol. Aqui tem um guia do jogo. O irritante é que é um daqueles jogos em que você tem que estar sempre correndo contra o tempo para conseguir fazer as atividades, e nunca dá tempo de fazer tudo o que você quer: em um determinado momento de cada dia, você é parada por um alarme. Também pode ficar um pouco repetitivo depois de um tempo. Mas, pra quem quer conhecer um pouco do universo do anime/mangá, ou só jogar um RPG esteticamente fofinho e divertidinho, é um ótimo jogo.

My World, My Way
Gênero: RPG/Texto
My World, My Way é um RPG simplesmente amável, fofo e lindo desenvolvido pela Global A Entertainment e lançado nos EUA pela Atlus em 2008. É um RPG - a exemplo de Luminous Arc e outros recomendados na parte 2 - cuja jogabilidade não consiste em andar livremente por um mundo, mas sim em passar por diversas cidades apontando em um mapa para onde você quer ir, e atravessando telas de texto; nesse sentido, apesar de ser um RPG, também tem bastante em comum com um jogo de texto. Para passar de uma cidade pra outra, você precisa enfrentar monstros - e já aviso que as batalhas não são fáceis.
A história é a seguinte: Você é uma super mimada cujo poder é, literalmente, ser mimada. (Spoilerzinho amigo: seu poder é também sua ruína.) Daí o nome: "My world, my way", ou em tradução livre, "meu mundo, meu jeito". Você viaja pelo mundo acompanhada de um rapaz que trabalha para a sua família (tipo um mordomo?). Basicamente, é um RPG com princesas, romance, jornada (eu já falei aqui que curto muito um bom shoujo de romance/jornada, né?), e um sistema interessante de batalhas nem um pouco generosas, pra ninguém chamar de "jogo de menininha". É realmente um jogo muito bom, mas que eu confesso que não terminei pela dificuldade dele. Jogue por conta e risco (mas é muito bom, prometo!).

Atelier Annie: Alchemists of Sera Island
Gênero: Simulação/RPG
Um jogo da série popular de RPGs/jogos de simulação (fofíssimos) Atelier. Pra quem não conhece, os jogos da série consistem no seguinte enredo básico: você é uma alquimista que tem que criar produtos com seus conhecimentos de alquimia, tipo poções, armas e coisas do gênero. Pra conseguir fazer esses produtos, você precisa de materiais, que você pode obter em batalhas ou simplesmente explorando mapas. Você precisa então completar quests, e enquanto faz isso, vai interagindo, conhecendo personagens e unindo-os ao seu grupo. O jogo é muito parecido com outros da série Atelier, pra quem já conhece. Pra quem não conhece, vai jogar, porque é clássica e muito divertida! O jogo conta com um sistema de calendário - como, por exemplo, Harvest Moon - e finais múltiplos, entre outros destaques. Esse é outro que eu não cheguei a terminar, mas curti bastante enquanto joguei.

Tokimeki Memorial: Girls' Side 1st Love Plus
Gênero: Dating sim
Ahh, Tokimeki Memorial Girls' Side - o famoso jogo que eu passei um aniversário jogando pra pegar um final, e ouvir um bishounen me desejar "feliz aniversário" em japonês. A gente erra muito na vida. Tokimeki Memorial, vulgo TokiMemo, é uma série popular de dating sims no Japão, e Tokimeki Memorial: Girls' Side é um spin-off em que você é uma garota que fica com rapazes e etc. Tem três jogos da série Girls' Side, e esse é um remake do primeiro, lançado originalmente pra Playstation. De verdade: essa série é sensacional. Você é uma garota do ensino médio que tem que escolher como passará seus três anos do ensino médio. Você pode trabalhar, estudar, comprar roupas, ir em eventos, etc. - e nesse sentido, a mecânica é tão complexa (e completa) que lembra até raising sims como Princess Maker. Claro que enquanto faz isso tudo, você interage com alguns rapazes da sua idade, e pode acabar o jogo namorando um deles. Tem vários finais, como qualquer bom dating sim, um álbum e todas as coisas típicas. De original, os encontros com os rapazes tem ainda uma mecânica de skinship, em que você pode tocá-los em determinados lugares com a stylus pra ganhar mais ou menos "pontos" com eles. Falando assim, parece vergonhoso, mas é bem divertido, de verdade. E os personagens são cativantes. Tão cativantes que eu já passei um aniversário jogando, né? O jogo nunca foi lançado em inglês, mas ganhou uma tradução de fãs. Ele é inteiramente dublado (em japonês, claro). Recomendo de coração!

LovePlus
Gênero: Dating sim
LovePlus, popularizado pela história do cara que se casou com a waifu, é mais um dating sim que nunca foi lançado oficialmente em inglês, e confesso que na época que saiu a tradução de fã dele pro inglês eu estava tão envolvida com TokiMemo que nunca joguei muito. O outro motivo para eu nunca ter jogado muito esse jogo foi que as personagens em 3D me incomodavam um pouco. Mas, como tenho amigos que jogaram e curtiram bastante, deixo aqui a recomendação. Esse é um dating sim mais tradicional, em que você é um garoto que tem romances com garotas, e sendo também da Konami, assim como TokiMemo, tem lá suas semelhanças com o jogo descrito acima: skinship, status a serem treinados, encontros, eventos, vida escolar. Eu não sei dizer exatamente quais as diferenças na jogabilidade, mas como sei que muita gente também curte esse título, fica aqui a recomendação!

Princess Debut
Gênero: Dating sim/Música
Aqui, mais um de meus favoritos. Produzido pela empresa Natsume, Princess Debut é um jogo de simulação que eu considero extremamente subestimado. A história do jogo é a seguinte: Você é uma garota que é uma princesa em um outro reino; a princípio você não sabe de nada, só está lá vivendo sua vida achando que é uma garota normal que só quer um namorado. De repente, um coelho com uma cartola aparece e te conta que, além de ser uma princesa, você vai ter que dançar numa espécie de baile de debutante com um príncipe. Mas você não tem nem um namorado, que dirá um príncipe? Então você tem 30 dias para arrumar um príncipe e, de quebra, ensaiar para o baile de debutante. É aí que vem uma das partes mais interessantes da jogabilidade: jogo de ritmo estilo Elite Beat Agents. Enfim, conforme você tem aulas de dança, compra roupas na cidade e tudo mais, você também conversa com rapazes. É um jogo pra crianças, então é bem mais fácil conseguir o final que você quer do que nos dating sims mencionados acima. Nesse sentido, é ótimo pros iniciantes no gênero (porque tende a ser menos frustrante). É um jogo bem "shoujo", bem fofinho, e é um dos meus favoritos dessa lista, porque é esteticamente muito agradável, a jogabilidade (ainda que relativamente simples) é bem elaborada, e tem um final específico muito, muito legal, que eu dei a sorte de pegar de primeira - fica a dica pra quem for jogar! ♡

Solatorobo: Red the Hunter
Gênero: Action RPG/Ação
Solatorobo é um jogo que eu confesso que joguei bem pouc entre outros motivos por causa da minha implicância com gráficos 3D e RPGs de ação mas que eu acho que tem uma jogabilidade boa e que vale a pena ser recomendado aqui. O jogo é uma espécie de sucessor espiritual de Tail Concerto, outro jogo bem desconhecido pra Playstation que eu pessoalmente estimo muito. O universo ou conceito do jogo pode ser descrito como "furry/steampunk", e se isso não faz umas lágrimas vir aos seus olhos, ou se a própria ideia de um cão antromórfico pilotando um robô não te deixa no mínimo curioso, qual é seu problema? Parei. Mas enfim, é um RPG pseudo-tridimensional de ação em que você tem que resolver vários puzzles e quests. Pra quem gosta dos Kingdom Hearts da vida, Solatorobo é simplesmente maravilhoso e eu penso que merece muito mais atenção, então fica aqui minha recomendação. Respeito!

Ontamarama
Gênero: Música
Eu confesso que, pra essa posição, eu fiquei incerta de que título colocar. Me ocorreu inicialmente um RPG como Contact ou Summon Night: Twin Age - ambos RPGs que eu pessoalmente não sou super fã, mas que se tornaram relativamente populares em alguns círculos por suas qualidades - ou o dungeon crawler Izuna, que pessoalmente me divertiu nas horas em que eu não tinha nada pra fazer, apesar de reconhecer que é extremamente cansativo e difícil em alguns momentos... bem. Eu, como fã incondicional da Atlus que sou, pensei então: que jogo da Atlus realmente subestimado de Nintendo DS eu gostaria de recomendar, mais do que esses todos? E foi aí que eu lembrei de Ontamarama, um jogo de ritmo ridiculamente subestimado lançado em inglês pela Atlus. Sua jogabilidade única que faz uso do microfone do Nintendo DS para a emissão de sons foi descrita como "uma mistura de Dance Dance Revolution [comentários] e Elite Beat Agents". Visualmente, lembra Puyo Puyo. É bastante casual e divertidíssimo, foi considerado bom/razoável pela crítica, mas infelizmente muito pouca gente jogou e infelizmente foi comparado com outros jogos que não tem muito a ver até dizer chega. Ok, talvez não seja mesmo um EBA, mas prometo que é muito bom!

A Witch's Tale
Gênero: RPG/Puzzle
Pra encerrar a lista de hoje, nada melhor do que um jogo que se encaixaria facilmente nas duas listas: A Witch's Tale, um jogo tão fofinho quanto trevoso de RPG lançado pela Nippon Ichi Software em 2009, mas que eu confesso que nunca tinha jogado até outro dia. Esse é um RPG que se passa em uma terra de fantasia, com várias criaturas místicas, no qual você é uma jovem aprendiz de bruxa. Em vários sentidos, ele é bem tradicional - mais do que muitos outros da lista, pelo menos - pois é um RPG de exploração, com um sistema de batalha que se assemelha a Devil Survivor, e tem, por exemplo, tavernas pra recuperar energia e puzzles. Eu diria que o problema dele é que, por toda a estética lindinha que ele tem (sério, ele é muito cativante visualmente!) ele tem sido um tanto cansativo, mas eu confesso que só a estética me ganhou de cara, e me fez querer jogar mais assim que puder.

Extra: Kirby: Canvas Curse
Gênero: Plataforma
Eu sei, Kirby não é nem de longe uma série pouco popular ou subestimada, mas Kirby: Canvas Curse é um jogo que merecia ser muito mais querido. Como foi lançado em 2005, acabou não ficando tão popular quanto poderia - mas foi um dos motivos pra eu ter comprado um Nintendo DS lá atrás. Atualmente o jogo conta ainda com uma continuação para Wii U. Em sua época, esse jogo pegou uma franquia que sempre foi inovadora, e inovou novamente: apesar de ser um jogo de plataforma, você não controla Kirby diretamente. Ao invés disso, você usa sua stylus pra fazer trilhas coloridas através das quais ele se movimenta. Demora um pouco pra pegar o jeito, especialmente pra quem está acostumado com os jogos anteriores da série, porque é bem diferente - talvez lembre mais Lemmings que Kirby, na real! - mas depois que você pega o jeito, a jogabilidade é muito divertida. Além disso, claro, é super bonitinho, como qualquer outro jogo da série.



Por hoje era isso!~ Espero que tenham gostado dessas recomendações. Eu fico me perguntando se elas são realmente tão desconhecidas quanto eu penso;; Espero que tenham se interessado, e que isso sirva de motivo pra quem tiver um DS ir desenterrá-lo agora. Já. e ir jogar esses joguinhos excelentes. ^_- A parte 2 conta com mais dez ou treze recomendações de jogos pouco conhecidos pra Nintendo DS, com uma estética menos fofinha e tons mais sérios. Deixem nos comentários o que acharam da lista, e até mais!~

2 comentários:

  1. Adorei a lista!! To com um DS "emprestado" encostado aqui e precisava de dicas de games <3
    Aliás, onde baixa? Sou meio noob e só baixei Harvest Moon há tempos haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, moça, tudo bem?~ Fico muito feliz que tenha gostado!! ;n; Espero que goste dos jogos, e que confira também a parte 2 das recomendações! Então, eu costumo baixar ROMs pra emulação no site Emuparadise, mas em geral, basta procurar no Google, por exemplo.

      Muito obrigada pela visita e pelo comentário, e até mais! ♡

      Excluir