domingo, 28 de junho de 2015

Anime: Akatsuki no Yona - A saga da guerreira dos cabelos vermelhos.


Olá!
Venho aqui, hoje, para trazer uma resenha de uma série que terminou na temporada passada - não, não a que acabou de passar, mas sim a do trimestre passado - que ganhou meu coração, e eu fiquei devendo um post de resenha aqui. Como estou aproveitando esse começo de férias (ヽ(゜∇゜)ノ ) pra colocar as séries de anime em dia, resolvi escrever também essa resenha dessa série que tanto me ganhou, e já entrou pra minha lista de shoujo favoritos. Senhoras e senhores: Akatsuki no Yona.


Akatsuki no Yona é uma série de anime em 24 episódios, que estreou lá em Outubro, na temporada de Outono de 2014. Baseada em um mangá shoujo, a premissa básica da história é bem simples e "nada novo", se não um tanto dramalhão: Tem uma garota adolescente, chamada Yona, que é a princesa de um reino e protagonista da história. Esse reino é governado por quatro tribos: a tribo do Fogo, da Água, do Vento, da Terra e do Céu. Pela união dos poderes... O seu pai, o rei, é uma pessoa muito amorosa e geralmente querida - ou assim pensa a Yona. Na realidade, porém, esse reino é cheio de conflitos internos, e um belo dia, o rei é assassinado.

Isso pode soar como spoiler, mas é algo que acontece no primeiro episódio. Se você ainda não assistiu o anime, realmente não quer saber, e pretende não saber até assistir, pare de ler essa resenha agora e corra pra assistir o primeiro episódio!

Assistiu? Ótimo, legal. Se não assistiu, ótimo também. Agora senta que lá vem spoiler.

Sendo uma princesa de um grande reino, Yona é, como é de se esperar, uma garota mimada cujas ocupações envolvem suspirar amorosamente pelo seu primo, Soo-Won, e sonhar em se casar com ele. O problema é que é exatamente esse primo o algoz de Soo-Won; é ele, também, que manda prender Yona, a qual foge com a ajuda de um dos guardas de seu castelo, Hak, jovem eternamente fiel ao pai de Yona. E é assim que começa a história de Akatsuki no Yona, ou, em português, Yona do amanhecer: a história de uma jovem princesa desaparecida, conhecida pelos seus característicos cabelos vermelhos, e que, pra falar a verdade, busca uma história. Ela busca um recomeço, um novo caminho, uma forma de vingar a morte de seu pai, mas, mais do que isso, de dar um novo sentido pra sua vida.

Porque, pensem. Yona é uma jovem princesa de 16 anos que provavelmente nunca tinha saído do seu castelo; o amor de sua vida e futuro marido, em uma única noite, se torna o algoz frio de seu pai (e o mata, aliás, na sua frente) e a pessoa que a privou de toda a vida que ela tinha. Seu companheiro de jornada é um amigo de infância não exatamente íntimo, muito mais experiente em termos de batalha; porém, contudo, jovem - pouca coisa mais velho que Yona - e nem de longe seu pai. "Bem vinda ao mundo, Yona!".

E isso é fascinante.

Em termos de construção de narrativa, é fascinante. Pra começar, porque Akatsuki no Yona é uma história de crescimento e maturação, mas não aquela "esperada"; não aquela do herói que iria inevitavelmente adquirir um poder com X anos de idade, nem tampouco aquela do pré-adolescente virando adolescente, ou do adolescente virando adulto, mas é a história de uma pessoa que passou por uma fatalidade e tem que se reconstruir. Isso, confesso, é um fraco meu, e pegando minhas séries favoritas - Code Geass, Clannad, Psycho-Pass - talvez não seja coincidência que todas tenham situações assim, mas em Akatsuki no Yona, a narrativa literalmente se constrói em cima disso.

Akatsuki no Yona é a história de uma guerreira. Uma garota que se vê em uma situação inesperada e o que ela faz, senta e chora? Sim, por um dia ou dois; depois, percebendo que não há saída - que aquilo é, de fato, real, e que ela vai ter que seguir em frente de algum jeito - encurta suas roupas de princesa (não demais, seus pervertidos), arranja um arco, flechas, e começa a matar animais para praticar suas habilidades de defesa pessoal. Não, ela não gosta de matar animais; Yona é a típica princesa perfeitinha e amorosa, que nunca teve motivos pra isso e certamente nunca se imaginou matando animais. Mas ela faz isso porque ela precisa sobreviver, e precisa, ainda por cima, cumprir uma missão que ela descobre que tinha no meio do caminho: a de unir quatro guerreiros com um poder lendário, do qual ela é o centro.

Depois, é fascinante como metáfora, porque a adolescência e a passagem pra fase adulta tendem a ser bem essa fase de se descobrir como gente, longe dos pais e sonhos de infância. E esse é um dos motivos pelos quais eu acho Akatsuki no Yona um shoujo poderosíssimo: é o tipo de narrativa que transmite, de forma indireta, mensagens muito importantes pro seu público. Uma delas é essa: perdas vão surgir, siga em frente, crescer é preciso. A outra, talvez mais importante: Você é uma garota, e isso tem vantagens e desvantagens, mas isso não significa que você não pode ser incrível. É claro que ela não é só uma "garota" - hell, ela é uma princesa com um poder lendário! - mas Yona não é a única personagem feminina incrível da série. E o melhor, a série reconhece que mulheres podem ser incríveis de jeitos muito diferentes. Apesar de ser uma série com muitos personagens masculinos (bishounens, aliás, atraentes pras leitoras, obviamente) as poucas personagens femininas são incríveis. A pirata Gi-Gan é uma delas, que, aliás, dá uma lição para os jovens rapazes dizendo que às vezes, mulheres também tem que lutar, e parabeniza a Yona pela coragem dela.

Isso é empoderamento. Isso é uma visão feminina. E feminista. Você pode ser incrível, mas é preciso ter coragem e lutar pra isso.

As mensagens de Akatsuki no Yona, em geral, são muito positivas. São mensagens de força amor, cumplicidade, de respeito à família (entendam, respeito à família, não ao núcleo familiar heterossexual, por favor não desvirtuem essa frase!) e coisas boas como um todo. Apesar de ser uma história bastante sentimental, também, com vários momentos muito emocionantes, ela nunca, nunca cai no sentimentalismo bobo de excessivo. Aliás, pela própria característica da história - a Yona é uma personagem que não pode se permitir ser excessivamente sentimental, porque ela precisa de um pouco de sangue frio e cabeça no lugar pra ignorar Soo-Won, saudades de casa e tudo mais. Mas, além disso, a autora nunca deixa o romance da Yona e o Hak, ou qualquer sentimento de paixão da parte de outros personagens, roubarem a cena do enredo, ao menos não nessa temporada. (Eu não li o mangá, então não manjo das cenas dos próximos capítulos;;)

...Bem. Acho que já falei bastante sobre a narrativa. De toda forma, acho que ficou claro que Akatsuki no Yona é uma história objetivamente muito boa, e que me cativou por completo. Pra não dizer que não falei dos pontos negativos: fica cansativo, sim, depois de um certo ponto. Ou não diria exatamente "cansativo" porque eu assisti tudo sem me cansar da história, mas se eu assisti os 10 primeiros episódios logo nos dias em que foram exibidos, morrendo de ansiedade, nos 10 últimos eu assistia uma vez a cada duas ou três semanas. Essa primeira temporada inteira foi focada em encontrar os quatro rapazes com os poderes lendários, fora um outro garotinho, então a história que vale pra um meio que se repete pra todos - ou pra maioria - e tudo fica um pouco cansativo.

Vamos falar de mais pontos fracos? Ok. Tem exatamente outras duas características que eu acredito serem pontos fracos de Akatsuki no Yona: a falta de originalidade, e a superficialidade. "Falta de originalidade?" Eu comentei, no post de impressões da temporada de Verão / 2015, uma série chamada Akagami no Shiroyukihime. Essa série sobre uma jovem garota de cabelos vermelhos que parte em uma jornada com um rapaz - qualquer semelhança pode ou não ser mera coincidência! - foi escrita alguns anos antes de Akatsuki no Yona. E não só; The Twelve Kingdoms, vulgo Juuni Kokuki, é outra série de fantasia épica que eu venho pensando em ver há eras, e tem, hm, uma garota jovem de cabelos vermelhos que precisa sobreviver em uma nova realidade. Então, ok, jovens de cabelos vermelhos em jornadas épicas não parece ser exatamente algo novo. Pra uma série utilizar ideias já estereotipadas, você imagina que no mínimo ela tem que ser profunda pra ser muito boa, e isso Akatsuki no Yona... também não é. Akatsuki no Yona é novelão. É dramático, é sentimental, tem um pouquinho de fantasia, não sai muito do genérico. Mas, pra um novelão, é bem elaborado: tem uma produção forte, desenvolvimnto coerente, e mensagens positivas. Ponto pra série.

Voltando aos pontos fortes: personagens. Se a história pode cansar por se repetir, não rola o sentimento de "dèjavu" porque cada personagem é único e tem conflitos e sentimentos diferentes. Desde o jovem e belo Ki-Ja, bishounen de cabelo branco consciente de seu destino de servir à moça dos cabelos vermelhos, passando pelo quieto e delicado Shin-Ah, que desde a infância considera-se amaldiçoado e discriminado pelos seus semelhantes, até o genki shota Zeno, que apesar de toda a aparência bonitinha e infantil é extremamente misterioso, cada um tem uma personalidade única e é divertido ver eles interagindo entre si. Não, não diria que é a melhor caracterização que já vi na vida, mas é muito boa, sim, sobretudo pra um anime baseado em um mangá shoujo (que ainda é, apesar de tudo, um gênero "infantil"). Cada personagem passou por experiências diferentes e aprendemos lições e filosofias de vida diferentes com eles. E o mais incrível: todos se respeitam. Isso também é possível.

Pra falar um pouco, agora, da produção, queria destacar primeiramente a trilha sonora. Eu escrevi parte desse post ouvindo a trilha sonora de Akatsuki no Yona no YouTube, e que trilha maravilhosa. Posso estar soando puxa-saco, mas é perfeita pra um anime de fantasia medieval, e digna de qualquer Final Fantasy. Quanto à primeira abertura, vi muita gente dizendo que não gostava durante a temporada que estreou, mas eu, pessoalmente, acho que a música instrumental dramática e as cenas - apresentando os personagens, e que servem essencialmente como um super resumo da história - se encaixam muito bem com o anime. É simples, mas é boa. Tudo a ver. O segundo encerramento também é um fan favorite, e eu me encaixo nisso. Sou menos fã da segunda abertura e do primeiro encerramento, mas, ei, só o fato de mudarem é legal, né?


A animação do Studio Pierrot (Tokyo Ghoul [comentários], Baby Steps [comentários]) é consistente, mas não é tão digna de elogios. Eu preciso dizer, porém, que adoro como o cabelo vermelho da Yona - o principal símbolo existente no anime - sempre se destaca nas cenas, como realmente deve ser. As cores, em geral, são lindas; o character design é fiel ao mangá, e eu, pessoalmente, acho adorável. Sem grandes destaques, mas sem reclamações também pra parte visual.

Em uma nota mais pessoal, eu queria dizer que Akatsuki no Yona me lembra uma série de anime que meio que só eu gosto - Hatenkou Yuugi, série baseada em um mangá shoujosei (que mudou de demografia, mas ok) sobre uma garota com poderes mágicos que é chutada de casa pelo seu pai e parte em uma jornada, com dois garotos, e acaba descobrindo um monte de coisas sobre si mesma e os garotos. Tem mensagens de empoderamento, mais drama, mais tristeza e sofrência. Era meio avant-garde demais pra sua época, provavelmente - em nota, a autora do mangá, Minari Endou, é a mesma do "yuri bizarro" Maria Holic - mas foi uma série que me ganhou bastante, é um dos meus "favoritos hipsters", eu queria demais que tivesse uma continuação, e ver uma série que nem Akatsuki no Yona ficar popular me deixa, portanto, muito feliz. Prossigamos.

Pra concluir aqui o post, só queria colocar, então, que Akatsuki no Yona foi uma surpresa muito, muito grata. Fazia algum tempo que não assistia um anime baseado em shoujo que saísse do padrão de "romance escolar" ou "harém reverso" - de fato, o último foi Soredemo, Sekai wa Utsukushii [resenha], e antes disso, nem sei...? - e encontrar um que conseguiu fazer isso, com uma boa história com bom desenvolvimento, mensagens importantíssimas, doçura e beleza, me deixou super feliz e esperançosa. Fica aqui minha recomendação pra vários públicos: pra quem gosta de shoujo, de histórias medievais em geral, de histórias de jornada em geral, de histórias com muito drama, de haréns reversos. Pra quem, apenas, gosta de séries de anime boas dos seus respectivos nichos. Akatsuki no Yona não tem a pretensão de atingir um público tão grande quanto um equivalente shounen seu, porque sabemos que existem "preconceitos" com a demografia shoujo e tudo mais, mas é importante dizer que Akatsuki no Yona, apenas pelo que apresenta, desconsiderando o óbvio apelo pra garotas na forma de um harém reverso de bishounen e romances, é sim uma série que poderia ser apreciada por qualquer fã de histórias de ação, maturação e/ou fantasia. Então, pros mais aventureiros, fica aqui também minha recomendação de um novo gênero pra explorar. Afinal, shoujo não precisa ser só pra menininhas. E séries como Akatsuki no Yona estão aí pra mostrar isso.

9 comentários:

  1. Akatsuki no Yona está no meu top 3, e mereceu uma mega resenha no meu blog. Portanto fico extremamente feliz por saber que você a reconheceu assim tanto :) Há coisas em que concordo com você, num ou dois pontos nem tanto, mas como agora ando um nadinha ocupada, podia pedir-lhe para ler antes a minha resenha e assim já ficar a saber o que eu penso? Ah, e lá eu reservo um espacinho para falar do mangá, se o anime se torna cansativo pelo enredo não sair do mesmo, garanto que nos próximos capítulos, a coisa começa a mudar. Aqui está ^^ (tudo desformatado porque o layout atual é pequeno, gómen) http://4ever-sapo.blogspot.pt/2015/04/akatsuki-no-yona-mega-resenha.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anilyan, como vai?~ (◠‿◠✿)

      Diria que é merecido. Não sei se Akatsuki no Yona está no meu top 3, mas eu gostei bastante sim. E claro, é um prazer ler uma resenha sua de algo que eu gosto, aproveitarei pra deixar um comentário lá. ^_^ Estou ansiosa pra ver o resto do anime, mas não tenho muita paciência (e principalmente tempo, confesso...) pra ler o mangá.

      Enfim, muito, muito obrigada pela visita e pelo comentário! ♡ Até mais!~

      Excluir
  2. Acho que esse foi um dos melhores do gênero que eu já assisti, mas confesso que eu passei um pouco de raiva com essa protagonista. Yona ama Suwon, mas o cachorro mato o pai dela e tento mata-la, e Yona continuava nessa obsessão mesmo tendo aquela divosidade do Haku ao seu lado. E eu achei seriamente que iria rolar alguma coisa naquela cena do mel, gente que foi aquilo??? kkkkkkkkkk...

    Ah, tudo indica que vai sair um OVA dia 18 de stembro... 1 Episódio só, mas vale muito a pena!

    Vou entrar no mangá se a segunda temporada demorar muito, porque eu estou muito curioso para ver o que vai acontecer nessa bagaça, e também acho que o Haku pode ser um dragão também, porque aquele é um mostro.

    Excelente post Chell :)
    Aaaaaa como é bom ter tempo para ler postagens como essa kkkkk.
    ABRAÇO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diego! Muito obrigada pela visita e pelo comentário! ♡

      HAHAHA é verdade, ela ama o Soo Won, e não consegue se esquecer dele. Eu cheguei a postar a screencap que ela diz que queria dizer ao pai que nunca o perdoou, né? Mas ela tem o coração muito bom pra isso, ela não é a melhor das guerreiras, rs. E a cena do mel foi muito, mas muito estranha. Aliás, várias cenas do fim da temporada com o Hak tiveram aquele carão de "abuso sexual", e eu estou com sério medo de que isso continue na temporada seguinte. Não gosto de Hak/Yona, pra ser sincero, e muito menos do jeito que está se desenvolvendo. Mas é esperar pra ver...

      E poxa, eu vi ny MyAnimeList! 18 de setembro, né? Já vou anotar na minha agenda...

      Uhum, é verdade. HAHAH sim, ele é monstruoso, ou pelo menos a força dele é monstruosa! Bem, a Anilyan nos contou algo, mas eu também tenho curiosidade pra saber como o personagem dele vai se desenvolver. Espero, certamente, que de uma forma melhor que essa forma que gruda na Yona... Eu gostava dele no começo, mas enfim...

      Muito obrigada pela visita, pelo comentário e pelos elogios, Diego! :) Até mais!~

      Excluir
  3. Ah, Diego, eu leio o mangá, então vim só responder uma coisinha: o Haku não é mesmo dragão nenhum, eu esperava que sim, mas nap. Embora o grupo por vezes o chama de dragão negro, mas só na zueragem mesmo >.< Eu conto algumas coisas sobre AnY no link que deixei no primeiro comentário aqui, é a minha mega resenha de AnY, pode pular até à parte das personagens, mas já que tem tempo, leia o resto ;) Vai ver que o mangá vale MUITÍSSIMO a pena *mendigando fãs*

    ResponderExcluir
  4. Yoooooo belezura!? \o/

    Cara, esse anime foi muito bom! Nossa, nem sei por onde começar, portanto vamos iniciar meus surtos com aquele gostoso do Hak <33333333333

    Gézuis! As melhores cenas desse anime eram as do Hak DIVANDO NAQUELAS BATALHAS! Gente, só digo uma coisa: Quem nasceu para ser dragão guerreiro NUNCA será Demônio Relâmpago U3U (Hak mandou beijos pro recalque!). Enfim, as cenas de ação e luta estavam muito boas! Erão tão emocionante quanto batalhas de shounen! E eu AMEI ver a Yona sambando com aquele arco e flecha e matando aquele carinha lá dos navios! (ela divou muito naquela cena!).

    Outro ponto que eu adorei, foi como abordaram questões familiares, relações de amizade, amor, família, eu chorava em cada despedida entre os dragões lendários e sua família/amigos/aldeia! E eu adorei ver como eles conseguiram trabalhar a perspectiva de mundo de cada um! A forma que cada um enxergava essa lenda e seu papel nela.

    Nossa, e como não comentar do desenvolvimento da Yona!? Uma personagem com características tão reais! Ela foi crescendo e amadurecendo aos pouquinhos, tendo suas recaídas como qualquer outra pessoa, mas sabendo se levantar quando necessário. Foi maravilhoso! (apesar de que eu gostaria de ver ela lutando que nem o Hak. Seria bem show XD). Enfim, a forma como eles colocaram que mulheres também podem sambar e muito! Foi incrível.

    A única coisa que me incomodou foi o fato da Yona ter uma baita de um homi gostosão do seu lado e ficar lá pensando naquela coisa afeminada do Soo-Won! VELHO, ELA TEM O HAK DO LADO, PRA QUE FICAR QUERENDO O SOO-WON!? Na boa, num curti ver o tadinho do Hak sendo Firendzonado Ç.Ç (e vamos combinar que o Soo-Won nem é tão bonito assim '-').

    Mas, fora esse pequeno detalhe o anime foi espetacular! Se não me engano a scan que está traduzindo esse mangá já alcançou os gringos, agora teremos que esperar Ç.Ç

    Sobre a trilha sonora eu curti ela! A primeira OP pode não ser aquele tipo de música para baixar e escutar, mas ainda assim combinou com o anime. Já a segunda abertura eu curti bastante, tanto que até escuto ela de vez em quando XD. E sobre os encerramentos tem um que eu amo, porém não me lembro se é o primeiro ou segundo '-'

    Enfim, vou ficando por aqui

    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hinata-chan! (◠‿◠✿) Como vai?~

      HAHAHA sim, foi!! AUSHEUSAHE "Quem nasceu para ser dragão guerreiro NUNCA será Demônio Relâmpago" UHSAUES tô CHORANDO. Tem razão, Hinata-chan, tem razão!~ O Hak foi um personagem que caiu no meu conceito porque as últimas coisas que ele fez pra Yona estavam meio com cara de abuso sexual, não? Aquela cena do mel, e as vezes que ele fala umas coisas estranhas pra Yona... eu não sei mesmo, achei bem estranho, não colou bem comigo. Mas que ele é bishounen, ele é!! <3

      Também achei a Yona muito, muito diva no navio. E sim, as questões de sentimentos que Akatsuki no Yona aborda são bem universais e singelas, né? Eu também gostei bastante. E sim, os personagens também são bem diferentes e tem perspectivas de mundos bem diferentes, né? Eu achei também. A diferença entre o Ki-Ja e o Shin-Ah, por exemplo, bem gritante, achei incrível pra ilustrar esses universos diferentes logo no começo da "jornada" dela.

      E sim, a Yona é maravilhosa! Também me emocionei muito com o crescimento dela. :') e sim, seria incrível se ela tivesse conseguido aprender a manusear o arco ainda melhor, também! Mas, mesmo sem ser tão forte na luta - afinal, ela tem quem faça isso para ela.. rsrs - a Yona se tornou uma personagem incrível, e achei inspirador o desenvolvimento dela.

      E sim, é verdade. Isso também foi decepcionante... Não digo nem porque o Hak tá lá - sério, ela tem QUATRO dragões LINDOS em volta dela, e mais um shota, tanto, tanto homem pra pensar! Não pensa no Soo-Won não, menina... LOL - mas enfim, espero que isso se desenvolva de uma forma legal lá no futuro, com ela analisando seus sentimentos e coisa e tal. (Mas eu confesso que acho o Soo-Won bonito sim, rs.)

      Mesmo? Eu lembro que eles estavam bem adiantados já quando o anime estreou. Enfim, esse era um mangá que eu compraria se saísse no Brasil, porque achei excelente. :)

      Quanto à trilha sonora, concordo plenamente! A abertura combina bem, apesar de não ser "pra baixar e escutar", e eu também gosto muito do segundo encerramento, que é o que tem a flor caindo e postei lá em cima. As músicas em geral são boas. Ahh, como é bom poder assistir um anime shoujo assim, com uma história tão boa e inspiradora, em pleno 2015, né? <3 Às vezes eu reclamo "não se faz mahou shoujo como antigamente!!", mas afinal, aqui está um shoujo de fantasia recente e ótimo! :)

      Abraços, e muito obrigada pela visita e pelo comentário, Hinata! (◠‿◠✿)

      Excluir
  5. Gosto muito da protagonista, mas o ritmo da série foi sofrível. Às vezes lento demais, às vezes frenético, teve um arco desnecessário (para o anime!) só pra mostrar como o primo é um bom político convencendo aquele general lá, e depois do sacrifício que foi recrutar dois dos dragões o último simplesmente aparece no último episódio dizendo "oi, sou um dragão e estou com fome, me dá comida que eu te sigo?". Esse foi o maior defeito do anime, na minha opinião. De resto, seu artigo já é bem completo e muita gente já comentou muita coisa, não vou me estender demais =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fábio!

      Sim, é verdade, o ritmo foi bastante inconstante, acho que essa foi uma das grandes falhas da série. Tentaram fazer uma coisa com arcos, mas falharam - vide o arco do último dragão, mesmo. O bom da série ao meu ver é que sempre tem muita coisa acontecendo, não tem exatamente fillers (e eu acredito que a parte política, tipo o arco que você mencionou, vai ser retomada numa segunda temporada!) mas isso não muda o fato de o ritmo ser bem ruim.

      Enfim, muito obrigada pelo comentário! :) Até mais!~

      Excluir