terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Cultura japonesa, ficção e sobrepeso: qual é a relação?


Provavelmente uma das representações mais positivas de sobrepeso em anime.


O post de hoje é sobre um assunto totalmente aleatório, afinal esse é meu blog e eu tenho direito de falar sobre coisas totalmente aleatórias também. Mas não tão aleatório, porque na verdade tudo isso tem a ver com cultura japonesa e mangá.

O post de hoje é pra falar sobre: peso. Especificamente, sobrepeso. Sim, obesidade, gordura. "Que, Chell, isso aqui virou um blog de Vida Saudável?" Não, claro que não. Eu continuo mantendo o meu estilo de vida totalmente saudável regado a pizza de sempre. ヽ(•̀ω•́ )ゝ✧
O que me fez pensar foi outra coisa, na verdade; tudo começou porque eu faço desenhos e às vezes eu tenho vontade de desenhar coisas mais conceituais, falando de problemas do dia-a-dia como, bem, peso.


Peso é um problema sério, talvez mais se você for uma garota jovem facilmente influenciável, conforme apontam dados. A sociedade, penso eu, é muito cruel com essa questão. Crianças crescem vendo mulheres como Jennifer Lawrence e Demi Lovato serem consideradas "gordas" (que?) e é óbvio que isso influencia muito sua noção de magreza, afinal de que adianta o médico dizer que não há problema nenhum com seu peso se você se vê "gorda", e consequentemente, todos os outros adjetivos ruins que essa corja de pessoas cruéis costuma atribuir às pessoas "gordas" - como "desmotivada" e etc. Aqui eu uso "gorda" como termo pra sobrepeso, mas uso "gorda" propositalmente, afinal cada pessoa tem uma noção diferente do que é ser "gordo", mas isso é frequentemente algo pejorativo ou digno de pena.




Eu? Eu penso que isso tudo é uma grande bobagem. Penso que as pessoas não deveriam se meter no peso alheio. Penso mesmo. É claro que ninguém quer que um ente querido adoeça por excesso nem por falta de peso, mas de resto, oras, que diabos você tem a ver? É isso que eu penso sobre esse assunto, e me arrepio quando vejo pessoas comentando do peso alheio, como de outras características, o que na minha opinião é muita falta do que fazer. Sim, sou quase uma Protagonista Boazinha de Shoujo.

Voltando ao assunto inicial, eu às vezes faço desenhos justamente pra criticar essa obsessão que muitas pessoas parecem ter com peso, e, bem, um problema é que eu tenho uma dificuldade ridícula pra desenhar pessoas gordas. Eu tenho que ficar procurando tutoriais e tal. Por um motivo simples: meus desenhos são 90% inspirados nos animes que eu assisto, e é muito difícil achar personagens gordinhos em anime.
Ou você encontra personagens magros, o padrão e coisa e tal - e esses personagens podem até terem complexos com "serem gordos" mas não terem nada de visível no design deles, como a Usagi (aliás, tem ótimos comentários no blog Shojo Power!); ou então esses personagens são obesos mórbidos que são usados pra comédia, zoados até dizer chega, enfim, muito mal representados. Que me leva a uma outra questão de representação em anime, e de como eu acho difícil ser fã de anime sendo não-branco-cis-gorgeous, mas isso é assunto pra outro post.



Falando isso me vem à mente Accel World, que é um anime com um monte de personagens "normais" e um protagonista muito baixinho e gordinho, o Haru, que é totalmente distoante. Esse anime foi muito falado na época, e o pior é que tinha muita gente que criticava o anime pelo Haru, claro! óbvio! mas não por esse character design ridículo dele (sério, até os olhos dele não tinham nada a ver com os outros personagens!), o que as pessoas questionavam era... o fato de ele ter um harém sendo baixinho e gordinho e vítima de bullying e coisas do tipo. Minha pergunta: sério que vocês estão mais incomodados com o fato de a personalidade dos personagens de um universo fantasioso não bater com os estereótipos que vocês tem em mente, do que com o fato de um personagem parecer saído de outra história de tão ridiculamente distoante que é seu design? Especialmente quando todas as temporadas tem uns mil haréns cujo protagonista é o típico "garoto sem graça, burro e otaku" feito pra galera se identificar?

Bizarro.

Pra quem acha que estou inventando isso tudo, fui pesquisar um pouco pra me certificar de que não estou distorcendo memórias de 3 anos atrás, e encontrei o seguinte tópico nos fóruns do MyAnimeList sobre protagonistas gordos em anime. Esse tópico tinha pessoas dizendo, entre outras coisas, em tradução livre:
  • [...] protagonistas gordos só não funcionam muito bem. É por isso que você não vê muito anime com protagonistas gordos. Personagens gordos são ótimos como personagens secundários/de suporte mas é por aí. 
  • Eu posso estar sendo grosso mas pessoas gordas não são feitas pra serem protagonistas.
  • Em jogos, filmes, quase tudo de entretenimento, é tudo magro, bonito, fortão, sexy. Isso é o que as pessoas querem ver, e com anime não é diferente. Se você pensa de outra forma, você é iludido e/ou ingênuo.
  • Feio é uma coisa, obeso mórbido é outra. Não ter a força de vontade e respeito pelo seu próprio corpo pra mantê-lo ao menos em uma condição decente não é o que eu considero um bom traço de personalidade.
Enfim, essa é só a ponta do iceberg. Um "iceberg" de péssima representação de personagens acima do peso em anime desde sempre, e eu não vou nem entrar no mérito do "abaixo do peso" porque a representação é igualmente ridícula (eu só consigo pensar em personagens igualmente zoáveis tipo o Madarame) mas, ainda assim, é um pouquinho menos ofensiva. Personagens gordos tendem a ter voz grossa, serem preguiçosos, sem nenhum traço de personalidade bom - em particular os masculinos - e comerem demais.


E má representação gera, claro, preconceitos. Esse post, que encontrei por acaso, tem exemplos contrários - tão raros que são dignos de serem listados. Real Drive foi um anime que pouca gente assistiu porque julgaram as personagens "gordas", se bem me lembro da controvérsia na época, mas não se vê tanta crítica assim com os designs magérrimos da Ai Yazawa (Paradise Kiss, NANA), por exemplo. Uma das minha personagens preferidas em Love Live [resenha] é a Nozomi, que é a mais gordinha (ou, pra ser exata, a única "não-magérrima") do grupo, e o fato de ela ser gorda é a maior crítica feita a ela - ignorando o fato de que antes de ser gorda, ela é uma pervertida de marca maior. Sério, eu a adoro, mas faria mil críticas a ela antes de "ela é gorda". Em resumo, existe uma visão meio distorcida dessas coisas... entre jovens, por causa das representações da mídia e tudo aquilo que já sabemos, mas o que eu quero colocar aqui é que isso não é diferente em anime e mangá. Não, gostar de anime e mangá não te torna imune a isso.

Pelo contrário, aliás. Se me perguntarem, eu diria que a cultura japonesa é muito aversiva a sobrepeso. Isso tem vários motivos culturais. O país tem historicamente uma alimentação "saudável", com poucos doces calóricos e muitos frutos do mar, até por conta da sua localização geográfica. São coisas que não engordam muito, então a entrada de produtos (ocidentais) como Mc Donalds no mercado gerou um aumento grande na taxa de obesidade na população. Some a isto o fato de que o índice de IMC recomendado no Japão é mais baixo do que aqui - isto é, o que aqui seria considerado "sobrepeso", lá já é considerado "obesidade" - pois estudos mostraram que japoneses adoeciam mais por conta de sobrepeso, o que tem a ver com tudo isso.


Existem, então, vários motivos pra que a população japonesa tenha grande aversão a sobrepeso, tendência a ter peso menor do que aqui e, por conseqüência, sustente ainda mais a "cultura da magreza" que a gente tem na mídia mundo afora. Não é a toa que garotas que facilmente seriam consideradas anoréxicas aqui ilustram as capas de revistas adolescentes, como Popteen, com suas dietas loucas e tudo aquilo que nós também temos aqui; exatamente igual, só que pior. Isso tudo, claro, só é incentivado mais ainda pela "cultura da fofura" japonesa, afinal se ser pequenininha e magra é lindo, devemos querer isso, certo?

E é por isso tudo que minha Nozolinda é considerada "gorda" pelos fãs de Love Live.



Bem. Feita essa minha introdução ao que eu acho de toda essa "cultura da magreza", e a forma pela qual o Japão trata isso, venho trazer aqui alguns mangás curtos que eu li esses dias que falavam sobre a temática. Ou não "falavam", mas que simplesmente tinham garotas gordas como protagonistas. Falar um pouco da forma como eles tratam suas personagens, e chegar a algumas conclusões. Vamos lá?


O primeiro mangá que eu li foi Hina-chan no Koi, ou "O Amor de Hina-chan". Esse mangá conta a história de uma garota gordinha de 14 anos, a Hina-chan do título, que começa a achar que seu colega de classe está apaixonado por ela. No fim das contas, ele está namorando uma tomboy magra, e tudo era ilusão dela. No fim das contas, o mangá conclui que ela é "uma garota que não sabe amar".
Ela é sempre retratada com olhos pequenos e extremamente simples, como os da imagem ao lado. É um mangá um pouco mais maduro do que muitos da lista, mas ainda assim, a história é triste e não retrata a protagonista de um jeito positivo.


Depois, li A Pudgy Girl’s Love, ou Cyclic the Love. Nessa história shoujo, uma garota pouco estudiosa, por uma coincidência do destino, arranja como professor particular um antigo veterano da sua escola. Ele não se lembra dela e é pouco sociável, mas ela é encantada por ele. O começo é um shoujo típico, que retrata bem os sentimentos - e, aliás, a protagonista é uma pessoa bem autêntica e não liga muito pro fato de ser gorda - mas o grande clímax é quando ela fica assustada ao se ver mais gorda que as outras garotas. A partir daí, ela decide "se esforçar" - estudar e perder peso, entendidos aqui como uma coisa só: "esforço" - pra ser uma garota aceitável para o veterano
Bem, isso tudo é problemático, certo? Isso é problemático exatamente porque esse tipo de situação acontece muito na vida real, mas o mangá nunca faz uma crítica a isso; isso simplesmente acontece, e o romance deles acontece porque ela se torna uma "garota ideal" ao invés do que ela era - que era uma garota perfeitamente legal - e tudo está certo. Assim, é um shoujo bem típico, no sentido que vai de encontro com a mentalidade de garotas jovens, e acho que foi o que mais bateu com a ideia prévia que eu tinha de como esse tema era tratado no Japão.

Depois, como eu tinha que falar de um hentai da vida também (porque existe todo um segmento de hentai com personagens "gordas"...) eu acabei pegando um yuri com traço bonitinho pra conferir. Então, é isso.
Existe esse segmento de mangás pra gente com um fetiche por gordura... em desenhos... e Fatonic Love é um oneshot representante desse segmento. Tem uma estudante de... colegial? Sei lá? gorda, ela usa roupas que não cabem nela, e a outra garota "ama ela e a gordura dela". Ah, e ela come demais. É isso.

Depois, eu peguei pra ler o oneshot Itsumo Issho (em tradução, "sempre juntos") do seinen Gaki no Koro Kara. Esse mangá é do mesmo autor de Piano no Mori, que tem um filme que eu gostei bastante, então eu tinha grandes expectativas. Bem... Esse aqui também é um mangá de colegiais a princípio, apesar de eles crescerem ao longo do mangá. Tem dois personagens, a Momoka e o Ippei, que são primos e amigos de infância, e são obesos. A garota é uma pessoa que não é esforçada pra nada, que tira notas ruins e vive dando desculpas pra tudo. O rapaz, que é seu primo, também é gordo, mas os motivos são diferentes. Ele praticava esportes, parou de praticar por causa de um acidente, mas continuou comendo e acabou se tornando obeso também. Todos na família dela são gordos, enquanto ele é o único gordo na familia dele.


Eu acho que o discurso explícito desse mangá é o mais negativo de todos. Acho que isso tem um lado bom e um lado ruim. O lado bom é que é quase uma "válvula de escape" daqueles mangás que tratam a questão da obesidade - e o sofrimento de quem é obeso em relação a isso - de uma maneira "light" demais. Por outro lado, chegam a ser ofensivas algumas das frases. É claro que tudo é uma ironia auto-depreciativa da garota, mas ainda assim, esse desvalor é bem... negativo. Afinal, a Momoka se odeia pelos seus traços ruins, enquanto o Ippei, que era magro, é uma pessoa esforçada, com boas notas e que seria bom nos esportes se não tivesse sofrido um acidente. Portanto, o mangá reforça preconceitos.

Um belo dia, o garoto que ela gosta diz que é "um desperdicio" o fato de ela ser gorda, e essa era a motivação que ela precisava pra perder peso - a velha história da garota adolescente gordinha que perde peso por causa de uma paixão. Com tudo isso, a história se parece bastante com A Pudgy Girl's Love, exceto que também tem o lado de vista de um garoto e o discurso explícito é muito mais ofensivo. Isso poderia fazê-lo ser mais crítico, mas não, ao invés disso é um mangá sobre "esforço" e, assim como em A Pudgy Girl's Love, as notas dela aumentam quando ela perde peso. Existe um pouco de "realidade na ficção aí" - afinal, isso dá uma melhorada na auto-imagem dela e consequentemente ela se sente melhor pra estudar, assim como depressão tende a fazer notas caírem e etc. - mas o fato de retratar a perda de peso como solução pra todos os problemas (literalmente; ela fica com o primo no final, que era "quem ela realmente amava", WTF) é bem... é... não é uma mensagem legal.

Depois, eu li o mangá Chibi to Pocchari de Renai Shimasu kedo, Nani ka?, que foi, de fato, o que eu achei mais positivo da lista. Esse aqui é um shoujo bonitinho sobre uma garota gordinha, Puniko, a qual administra o clube de basquete da sua escola ("Puni" é um jeito de falar em coisas "apertáveis", então eu tenho problemas com esse nome, mas não chega a ser ofensivo) e Shou, um garoto baixinho que participa desse clube de basquete - obviamente, portanto, também discriminado pela sua aparência. No começo, alguns garotos dizem coisas como "se você não fosse tão gordinha, eu ficaria com você!" que obviamente deixam a garota chateada, até que o protagonista pede pra ela ficar com ele, e basicamente todos ficam com inveja do romance fofo dos dois.

Achei positivo, em primeiro lugar, porque aqui ela não é gorda simplesmente por "descuido", e por consequência o autor se liberta de fazer deste um dos seus traços de personalidade. Ela diz que "nasceu com esse corpo" e sempre sofreu bullying por isso. Ela fica meio envergonhada pelo seu peso vez ou outra, e isso chega a causar conflitos entre eles por causa da sua insegurança, mas o garoto não é um idiota e, enfim, é a história bonitinha de um primeiro amor entre duas pessoas que se acham inadequadas. Histórias de amor entre pessoas que se acham inadequadas tendem a ser bonitinhas, mas a parte mais legal é que o pessoal do clube fica com inveja porque, de fato, ela era uma garota meiga e legal e, enquanto os outros garotos a rejeitavam pelo seu corpo, foi o Shou que teve a iniciativa. Ela não precisou ficar magra pra eles se arrependerem. Ele não tem um fetiche por garotas gordinhas, como em Pochama ni. É um romance, e ela é uma personagem gordinha, e isso basta. E não, isso não é ingênuo nem idealista, porque isso também acontece na vida real; é uma questão de boa representação. Enfim, essa foi a coisa mais adorável e positiva que eu li dessa lista.

Por fim, pra não dizer que não falei das flores da Coréia, eu li o manhwa The Beautiful Curse - a história de uma fada que foi "amaldiçoada" por um mago com um encanto que a faria... adorar queijo, e se apaixonar pela primeira pessoa que lhe desse queijo. Um dia aparece um vendedor de queijo, o qual a levou para sua casa e passou a alimentá-la com queijo até que ela engordasse.
O manhwa faz piada com o fato de que "até fadas podem engordar", e a fada se vê como uma criatura amaldiçoada por ter engordado. Obviamente tudo é negativo. O interessante de notar, em contraste com os mangás japoneses, é o tom menos sério - isto é, a obesidade não é vista como um "problema", mas é igualmente negariva - e o interessante fato de darem enfoque para o fato de o rosto dela ser gordo.
Enfim, esse manhwa é bem... aleatório e imaturo como um todo, pra falar a verdade, mas eu queria comentar algo pra além da cultura japonesa também.




Enfim, estes foram os mangás que eu li. Eu procurei diversificar os temas e abordagens, e cheguei a alguns questionamentos (e chutes) sobre a maneira pela qual o Japão retrata a questão do sobrepeso. A primeira e mais importante: ler tudo isso meio que só confirmou a impressão que eu já tinha, de que o Japão realmente rejeita pessoas gordas. Não é uma simples questão de beleza, me parece ser mais do que isso. Penso que, por conta das questões históricas que já comentei aqui, o povo japonês associe até mais que nós o sobrepeso à "falta de força de vontade" - e associe-o ainda com grupos pejorativos, como os famosos "otakus".

O fato de ser uma constante nesses mangás que os personagens gordos se percam em suas ilusões, e dêem desculpas pra tudo - acontece isso em A Pudgy Girl's Love, Hina-chan no Koi e Itsumo Isshou, pelo menos - me faz pensar que, afinal, ser gordo deve ser um grande problema. Caso contrário, se fosse só, por exemplo, uma questão de beleza, os personagens gordos poderiam lidar com isso; mas o fato de eles "terem que ignorar a realidade" pra lidar com isso me leva a crer que é realmente grande a pressão social, e que o bullying com pessoas acima do peso é comum demais, por exemplo. Isso pode ou não refletir a realidade social do Japão atual. A questão aqui não é a realidade tanto quanto a representação mental que esses mangakas possuem da questão do sobrepeso e da obesidade. E claramente ela é bem ruim.

Depois, o fato de muitos dessa lista serem voltados pra garotas adolescentes e simultaneamente trazerem uma visão bem pejorativa é, bem, problemático. Deu pra perceber por esses mangás que o fato de obesidade ser um problema ainda maior para mulheres do que para homens, como é aqui, também parece se dar no Japão. Sabemos que isso tem a ver com expectativas de beleza e atração sexual para mulheres, e sabemos que transtornos alimentares atingem muito mais mulheres do que homens - até nos dias de hoje, em que homens também são bastante objetificados. Por outro lado, não é mais problemático que o fato de que virtualmente não existem mangás shoujo populares com garotas gordas. Temos séries como Lovely Complex, com uma garota alta, e séries como Sailor Moon com um discurso de "ai-como-eu-sou-gorda", mas não existe nenhuma série de shoujo que tenha retratado uma garota gordinha e atingido popularidade; Chibi to Pocchari de... é um shoujo bem legal por si só e poderia facilmente ser uma história mais longa, por exemplo, mas não vemos isso acontecendo porque, bem. Como disse o comentarista do MAL: "'ninguém' quer ver isso".

E é isso que ridículo, e nos leva ao ponto final. Repito: "gostar de anime e mangá não te torna imune a preconceitos com pessoas acima do peso, aliás, muito pelo contrário". Sou da opinião de que temos que ser críticos com as obras de ficção e coisa e tal que consumimos, e bem, é por isso que critico o quão absurdas essas coisas são.

E você, o que acha sobre tudo isso? Acha que gostaria de ler, por exemplo, um shoujo longo com uma protagonista gordinha? Ou um protagonista gordinho? Ou os dois, ou não? E por quê? Se sente incomodado com a má representação de personagens acima do peso em animes e mangás, ou acha que eu falei mentiras aqui? Acharam algo ofensivo? Sintam-se livres pra discutir, e comentarem aí embaixo o que acham disso tudo! Como sempre, muito obrigada pela visita, e até a próxima!~ (ノ◕ヮ◕)ノ*: ・゚✧

15 comentários:

  1. post perfeito, sem mais! (droga, não li o seu aviso e tive que escrever duas vezes. Burra, burra, burra! HUASUHSAU)
    eu sou fascinada por mangás shoujos, mas tem várias coisas neles que me incomodam, entre elas a falta de representatividade. É frustrante mesmo. Ah, o único oneshot que eu li dessa lista foi Itsumo Issho, e realmente passou mensagens bem negativas D: Fiquei com vontade de ler as outras oneshots, mas sabe como é, não saber ler inglês muito bem. çwç Adorei o post, foi muito bem elaborado. Já estou seguindo o blog!

    ResponderExcluir
  2. Olá, moça! ^^ Primeiramente, muito obrigada pelo elogio ao post! ♥
    (HAHAHA ahhh, e desculpa mesmo por isso! :'( Eu acabei não tendo tempo de consertar o layout do blog antes de entrar em semi/hiatus... orz sinto muito!)

    É verdade, a falta de representatividade é um problema sério dos mangás shoujo. É realmente frustrante. Itsumo Issho, em particular, me deixou muito frustrada porque eu esperava um desenvolvimento mais sensível, por gostar de Piano no Mori, mas fiquei chateada!
    Apesar de não conhecer muitas fontes para baixar ou ler mangá online em português, eu recomendo o site: http://br.mangahost.com/mangas . c:Tem vários mangás bons. Outro blog que eu queria recomendar, de mangás shoujo em português, é o http://recomendandoosmelhoresmangasshoujo.blogspot.com.br/. Espero que goste dos links! ^_^

    Fico feliz que tenha gostado, e muito obrigada pelo comentário e pela visita! ♥

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Muito obrigada, ana! <3 ate mais, e obrigada pelo comentario!

      Excluir
  4. Gostei muito da sua postagem^^ E concordo com você, faltam mais mangás que ensinem a pessoa a se gostar como é, sem incentivar os malefícios à saúde, mas incentivando a valorização da essência de cada um, que é o mais importante^^ Amei o mangá Chibi to Pochari^^ Lindo demais, tenho outro pra te indicar que fala do mesmo tema, de uma forma bem fofa^^ se chama Pochama ni. É lindo demais. Tem pra ler aqui>>> http://br.mangahost.com/manga/pochama-ni

    Parabéns^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Aline, tudo bem?~
      Muito obrigada, fico feliz que tenha gostado! ^_^ E sim, faltam, concordo com você. É uma pena mesmo essa representação do sobrepeso que é feita na maioria dos mangás. Eu já conhecia Pochama Ni e não sou tão fã da abordagem dele pelo pouquinho que li há muito tempo, mas é, sim, um mangá fofo com um romance real com uma personagem gordinha. Bem legal. :)
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário, e até mais!~ ^_^

      Excluir
  5. Assim como a Aline gostei muito da sua postagem e recomendaria também o pochamani. Mais pra frente no mangá, mostra que o protagonista não gosta da menina porque ele tem uma "tara" por gente gorda. É mais uma preferência da parte dele. Foi assim que eu vi, quando eles quase terminam justamente por ela pensar isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Tainá! Fico feliz que tenha gostado da postagem!! *^_^* Ah, eu confesso que não li muito de Pochama Ni pra fazer esse julgamento, foi só minha impressão inicial mas que bom que o mangá tenta se retificar depois. Eu devo ler no futuro, sim, e se for o caso posto sobre aqui!
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário, e até mais!~ ♡

      Excluir
  6. Ótimo post. parabéns mesmo pela dedicação de fazer posters tão conclusivos de fatos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem?
      Peço desculpas pela demora para responder, mas em todo caso, fico muito feliz que tenha gostado do post! ^_^ Muito obrigada pela visita e pelo comentário!

      Excluir
  7. Oi boa noite, muito bom o post, também acho complicado o fato de sempre os personagens "gordos" serem representados de forma pejorativa nos animes, porém, uma vez li um hentai (tem tempo rs) onde a protagonista era gordinha os detalhes e os desenhos de modo geral eram um primor de dar gosto de ver, além do que a personagem era não só gorda como lindíssima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Frank,
      Eu enderecei isso no post. Representar personagens gordos apenas por fetiche pode ser algo positivo, mas não conta como "representatividade" no sentido de que esse fetiche continua focado na aparência (no caso, peso) da pessoa, e obviamente nem toda pessoa gorda quer se identificar com isso (= ser sexualmente atraente para quem tem esse fetiche). Não é como um personagem gordo que é corajoso, habilidoso, etc. É um personagem gordo cuja "qualidade" é, bem, ser gordo, o que não deveria ser nem uma qualidade nem um defeito. Faz sentido? Espero que tenha conseguido explicar!
      Enfim, muito obrigada pelo elogio, pela visita e pelo comentário! ^_^

      Excluir
  8. Compreendi o que você quis dizer, de um jeito ou de outro... Infelizmente da um pouquinho mais de trabalho de achar(infelizmente), porém, conseguimos encontrar personagens com as características que podem trazer a representatividade, a qual você procura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Sim, conseguimos, como eu apontei no próprio post... mas são raros. Acho que você trouxe um exemplo bom, sim? Eu pessoalmente nunca passei do primeiro episódio de Highschool of the Dead, mas já ouvi falar desse personagem e talvez a recepção dele pelos fãs seja boa, realmente não sei. Obrigada pela dica, e muito obrigada pela visita e pelo comentário! ^_^

      Excluir
  9. Lembrei tem um que não é necessariamente gordo, porém, talvez você possa gostar se é que você já não o conheçe que é o: hirano kouta de highschool of the dead. Enfim espero ter podido ajudar Chell...

    ResponderExcluir