Bem vindo ao Blog Not Loli!

Siga-nos nas redes sociais!

Pesquise algum tópico: search
Parceiros parceiros

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Anime: Ookami Shoujo to Kuro Ouji - O príncipe com um rifle de caça e a loba dos dentes afiados.

 

A resenha de hoje é do anime Ookami Shoujo to Kuro Ouji, uma série de anime de 12 episódios, baseada em um mangá shoujo homônimo, que estreou na temporada de Outono.

O mangá eu não conheço, mas sabia antes de assistir que ele é popular entre fãs de shoujo, e que muitos aguardavam ansiosamente a estreia do anime. Por outro lado, sabia também que a premissa da história era bastante... controversa: uma garota mente para as amigas, dizendo que um dos garotos mais populares da sua escola é seu namorado, e para sustentar essa mentira, começa a se submeter a ele e aos seus desejos mesquinhos em troca de não ser desmascarada. Um pouco receosa do que eu ia encontrar, mas ainda assim curiosa, eu fui assistir Ookami Shoujo to Kuro Ouji. E o que eu achei?



Bem, na verdade, Ookami Shoujo to Kuro Ouji não se distanciou muito da minha expectativa inicial. Pra quem, como eu, se considera fã de shoujo porque cresceu com uma tradição de séries com mensagens positivas e até consideradas feministas, de Sailor Moon a Ouran Host Club, estas séries shoujo com protagonistas dependentes de garotos e pouco inspiradoras - o que me parece ser uma tendência atual - tendem a me cansar. A protagonista feminina de Ookami Shoujo to Kuro Ouji, Erika, não é diferente, e aliás se tem algo que ela não faz é ser inspiradora: Erika, a "garota-lobo" do título, é impulsiva, superficial, mente bastante pra manter as aparências, e se identificar com algum aspecto dela é, em geral, mau sinal. Mas isso também é interessante e atiçou minha curiosidade a princípio, afinal, de protagonistas incríveis os mangás shoujo já estão cheios. Sim, eu me identifiquei em alguns momentos, e aliás, acho que é fácil se identificar com ela até por causa disso - especialmente se você for uma pessoa autocrítica demais.

Sua contraparte, o "príncipe negro" do título, é uma pessoa ainda pior e num primeiro momento faz a garota literalmente de cachorra. Logo no começo da série, o personagem gera situações que me deixaram ainda mais receosa em relação à série e ao romance dos dois como quebrar o celular da garota por ciúmes, e jogar um objeto pra ela ir buscar - e ela obedece e balança a cabeça pra tudo, afinal são ordens do belo e desejado príncipe que é seu falso namorado. Não, não tem nenhuma mensagem positiva aí, é tudo pela comédia - e é um humor meio negro, portanto, do qual falarei depois. Enfim, depois dos primeiros episódios, a coisa se desenvolve de um jeito diferente, até se aproximar mais de um romance colegial típico. Mas, por mais que ambos se tornem pessoas um pouquinho melhores, o gosto amargo fica, e o romance deles sempre tem um quê de "manipulação" por trás das discussões engraçadinhas.


O "príncipe negro" metido do título não é nenhum santo, mas a verdade é que a mentirosa "garota lobo" também não é. E é nisso que aposta o enredo: ver como esses dois gênios difíceis vão se dar um com o outro, e obviamente acabarem se apaixonando e coisa e tal.

Dá pra perceber que o enredo de Ookami Shoujo to Kuro Ouji, ao meu ver, não é o ponto forte do anime. Muito disso é pessoal: romance colegial em geral é um setting batido e que por si só não é o suficiente pra me ganhar, e dentro desse "subgênero", romances mais doces como os de Ao Haru Ride [resenha] e Suki-tte ii na yo. [resenha] tendem a me agradar mais. Mas há também um lado objetivo nisso, que é: não considero forte nem convincente um enredo que começa com uma garota qualquer tentando ser popular (o anime nunca explora por que ela tem essa vontade, ela "simplesmente tem porque garotas adolescentes são assim") puxando um garoto popular para um canto e mandando ele fingir ser namorado dela, pra agradar umas amigas falsas que também não tem importância real durante o desenvolvimento da história - contraste com Peach Girl, por exemplo. Tudo me parece meio estabanado e mal escrito, como desculpa pra apelar pra leitoras adolescentes que pensam: "não sou popular e quero que o garoto mais popular e incrível me dê bola", e outros fetiches por personagens bonitos e coisa e tal.

Mas "ok", você diz, "é uma comédia shoujo moderna e portanto um enredo mais fraco é esperado e aceitável". A partir do momento que o tom de comédia e humor negro muda pra um romance - por vezes até melado - a suposta protagonista continua sendo pouco ou nada desenvolvida, e a impressão que passa é de que o protagonista de fato é o "príncipe" Kyouya, já que é a vida dele que vai sendo explorada, seus defeitos são justificados por um passado difícil - ao contrário dos de Erika - e seu ovo é babado até não poder mais, enquanto a garota, ao mesmo tempo em que demonstra ser uma pessoa super nobre e disposta a salvar o garoto problemático, é muito denegrida pelos seus defeitos. No fim das contas, o enredo me parece mais uma propaganda do Kyouya, de como ele é um príncipe e de como deve ser legal ser a Erika, "uma garota cheia de defeitos com um príncipe ao seu lado". Dessa forma, o anime deixa de lado oportunidades de passar uma ideia mais positiva, e fica muito preso no romance dos dois, que, como já disse, também cai frequentemente no "problemático" e no "genérico".

Diria então que, se há um lado forte no enredo, é o lado da comédia. A comédia, aliás, num primeiro momento é muito centrada em querelas (até meio psicopatas) entre os dois, encaradas como "aw, amor, que bonitinho". Essa é a parte mais controversa - afinal, sério que era pra rir com o Kyouya jogando uma latinha pra Erika ir buscar? - mas depois ela se estende também para o elenco de personagens secundários, como os amigos do Kyouya, sua família, e as amigas da Erika, e vai melhorando. Como disse, a personagem Erika é sempre muito cômica, sociável e, em geral, bem diferente do estereótipo tímido e sério das protagonistas de outros shoujos atualmente populares. Já o personagem Kyouya tem sua graça nos comentários cínicos que faz. Foi um anime que me fez rir em alguns momentos, especialmente com os amigos do príncipe, Takeru e Kamiya, que, jogados no quarto do Kyouya e falando besteiras, lembravam bons momentos de Gekkan Shoujo Nozaki-kun [resenha].

Outro ponto forte da série, e quiçá o mais forte, é a sua produção. O diretor Kenichi Kasai (Mirumo de Pon, Nodame Cantabile, Honey & Clover, Love Stage!! [resenha]), outrora jóia rara da J.C. Staff e experiente em séries de romance, faz um bom trabalho com o material que tem. A música também é boa, e a abertura e o encerramento são bem catchy, e casam bem com o anime - a música de encerramento "Ookami Heart" ("coração de loba") é minha favorita, aliás, combinando muito bem com a história do anime. A animação do estúdio TYO Animations (Utakoi, La Corda D'Oro ~Blue Sky~) deixa a desejar, com vários momentos meio questionáveis. Ainda assim, o visual passa uma impressão de agradável e divertido, com sua simplicidade e uma paleta de cores fortes e femininas.

Assim, por mais que eu possa parecer excessivamente crítica aqui, Ookami-Shoujo to Kuro Ouji foi um anime que me divertiu enquanto durou. Foi fácil de digerir e é o tipo de série boa para assistir sem se concentrar muito, sem olhar muito fixamente pra cada falha e cada ponto que deveria ser melhorado. Quero dizer que talvez não seja um título que eu vá lembrar daqui a alguns anos, ou que tenha me dado vontade de conferir o mangá, mas foi divertidinho, e eu recomendaria a fãs de séries como Kaichou wa Maid-sama, que gostam de comédias shoujo levinhas - e não se importam com alguns elementos controversos nelas.

Já pra alguém como eu... confesso que passaria sem consciência pesada.

8 comentários:

  1. Heey, esse foi um dos poucos animes shoujos de que eu realmente gostei e muito, rs <3

    http://madnesshoujo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, como vai?~
      Mesmo? Você não costuma gostar de shoujo? Acho que esse anime realmente tem um feeling meio diferente de outros shoujos, mas mesmo assim, não me agradou muuuito pessoalmente.
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário! ( ´ ▽ ` )ノ Até mais!

      Excluir
  2. Também não foi o shoujo que mais me marcou, já que muita coisa poderia ter sido mais desenvolvida, mas tal como muita gente parece achar, isso hoje em dia é aceitável. E seja como for, eu gostei dele principalmente pelos protagonistas serem incomuns: a Erika é uma protagonista que parece até mesmo gostar de se manter em sarilhos e de mentir, e fico contente por não terem desenvolvido a história ao ponto de tirar isso dela, já que a maioria das protagonistas shoujo é muito correta e isso a torna algo mais divertida, ainda que eu não concorde com a submissão dela; E também não concordo com a atitude (pelo menos a inicial) do Kyouya, que se aproveitava bastante da situação (embora eu acredite que, se fosse realidade, qualquer homem se aproveitaria muito mais), mas é tão raro ver "príncipes imperfeitos", o que acabou por funcionar bem. E tal como você disse, a adição das personagens secundárias fez a própria comédia funcionar melhor e tal.

    Contudo, eu não acho que tenha sido assim tão parecido com Kaichou wa maid sama. Desse shoujo eu gostei bastante, principalmente porque a protagonista (nem lembro o nome) sabia fazer tudo, e mandava em si mesma, além de ter uma história por trás - a pobreza. Ela era esforçada e tinha objetivos diferentes da maioria das protagonistas de shoujo, ou seja, preferia fazer algo pela sua família a chorar por um garoto, por muito perfeito que este fosse também, e é algo com que me identifiquei muito. Claro que ela tinha os seus defeitos, mas eram bem diferentes dos da Erika. Já o próprio garoto, apesar de perfeito, era muito cómico, um tipo de cómico que me pareceu bem natural, e eu gostava de como ele provocava a protagonista. Entendo a comparação entre os dois shoujos, pois ambos são mais voltados para a comédia e não têm dramas muito aprofundados, mas as personagens em si acho bem distintas do anime de Ookami Shoujo.

    Fico contente por ter gostado do presente de natal ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anilyan, tudo bem?~ (*^3^*)

      É verdade, eu também achei que um ponto forte foi o fato de os protagonistas não serem santos e serem bem diferentes dos de outras séries. Mas sim, o Kyouya no começo era muito... muito abusado. Me dava até um certo desconforto ver algumas coisas que ele fazia com ela. Eu detesto encontrar protagonistas masculinos violentos em shoujo, e ele parecia pronto pra cruzar essa linha a qualquer momento. Também não acho que a questão é de realismo, porém - com certeza muita gente real no lugar dele se aproveitaria muito mais... - mas ele é sádico e criativo, então as coisas que ele fazia tinham um certo humor, apesar de serem bem assustadoras às vezes.

      Pra falar a verdade, eu só li um pouco de Maid-sama há muito tempo atrás, e meus sentimentos foram bem ambiguos - lembro que às vezes achava muito legal, e me orgulhava da protagonista, mas o rumo da prosa não estava me agradando muito. Mas como não terminei, também não posso dizer com certeza, isso é mais "recomendação de segunda mão" mesmo. Ainda assim, concordo que, apesar de se assemelharem no fato de serem comédias mais superficiais, os personagens de Kaichou wa Maid-sama eram infinitamente... menos repulsivos. Personagens repulsivos são uma característica forte de Ookami Shoujo to Kuro Ouji, mas não sei se isso é algo bom, haha.

      Fiquei mesmo honrada, muito obrigada por lembrar de mim e pelo presentinho fofo!! (^▽^)

      Até mais, e muito obrigada pela visita e pelo comentário!~ ( ´ ▽ ` )ノ

      Excluir
  3. Yooo belezura!?
    Pois é, eu por alguma razão dos infernos decidi ler o mangá, afinal todo mundo falava dele então eu decidi dar uma conferida, porém a premissa está longe de ser daquelas que me agrada. Sinceramente até agora não entendi muito a moral desse anime/mangá, um cara sádico com um passado escuro e uma protagonista meio atrapalhada e engraçadinha. Acredito que a princípio seria aquela velha historinha da garota bondosa que salva o rapaz com o passado obscuro, porém ao mesmo tempo não é bem isso.
    Enfim, eu ainda não vi o anime, só li o mangá e no começo eu quase dei uma voadora nesse protagonista e não conseguia entender qual era a graça que o povo via nas judiações que ele fazia com a Erika, MAS com o decorrer dos capítulos tanto ele como ela também foram melhorando, o Kyouya foi ficando um tantinho mais sentimental e ela começou a ficar um pouco mais "a velha e amada protagonista shoujo correta e fofa". É claro que se formos olhar para o lado da inovação é uma boa proposta, afinal como você já disse os shoujos estão cheios de protagonistas tímidas, fofas e corretas então colocar uma protagonista fora desses padrões é uma boa jogada, sem mencionar que a torna um tantinho mais "real", afinal acredito que ninguém consiga ser tão correta quanto a protagonista de Maid-Sama, nem tão ingênua quanto a Sawako de Kimi Ni Todoke e assim por diante, acredito que deixar de lado um pouco essas protagonistas e esses príncipes shoujos idealizados seja uma boa ideia, porém essa submissão da Erika e as atitudes iniciais do protagonista me irritaram profundamente. (mas como eu disse lá em cima, no mangá tudo isso melhora \o/).
    Enfim, Ookami não é o meu shoujo favorito, pelo contrário se fosse para fazer um top 10 ele não entraria nessa lista, MAS ainda assim consegui me divertir muito lendo e acompanhando toda a história e desenvolvimento daqueles dois, principalmente depois que o protagonista começa a se abrir e se mostrar mais. É um shoujo leve e divertido com um romance e personagens bem incomuns o que acaba despertando uma curiosidade para saber como as coisas se desenrolarão e como diabos aqueles dois vão se entender.
    Adorei o post, pena que esse semana não poderei ver o anime Ç.Ç
    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Hinata-chan, e aí, como vai?~ (◠‿◠✿)
      Hmm, entendi! É verdade, a premissa também me confunde... acho que é isso de "garota salva garoto com seu encanto", mas ao mesmo tempo não é porque o foco é a comédia. O foco não é como ela vai salvá-lo, o foco é ver as subversões do clichê da "incrível garota que salva o rapaz que SÓ é cruel por causa do seu passado", as brigas do casal, e rir e tal...
      E também é verdade, e acho que você colocou muito bem: a questão é que, apesar de ser interessante ter um shoujo colegial simplista mas ao mesmo tempo com protagonistas com defeitos e nada-inspiradores, pra variar um pouco do padrão... eles chegam a ser exagerados algumas vezes, e algumas atitudes deles chegam a ser irreais de tão desnecessariamente crueis. Mas acho que a caracterização de ambos vai se tornando mais... equilibrada, conforme a história progride. Acho que melhora sim nesse aspecto. (O lado ruim é que, conforme esse aspecto melhora, na minha opinião o enredo vai ficando banal demais!)
      Mas, no fim das contas, eu senti o mesmo! Não entraria no meu top 10, mas acho que também não estaria entre os 10 piores, haha.
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário, como sempre, e até mais!~ (^O^)/

      Excluir
  4. Não acho que Kaichou a Maid-Sama seja parecido com Ookami-Shoujo to Kuro Ouji! Acho que a comédia entre os dois animes não devem ser comparadas, por serem bem diferentes e seguirem cursos distintos nas histórias! Ookami demonstra um machismo escondido por trás do enredo e não têm um desenvolvimento claro, deixando a maioria sem saber como reagir a ele! O sentimento de sem sal-sem açúcar abrange pois a história é repetitiva em vários momentos, não conseguindo sair dessas mentiras, das situações nem tendo um progresso pessoal de cada personagem em suas personalidades! Totalmente de muitos outros que já li e assisti, e, ainda, por mais que tenham o mesmo genero comédia, nao é nem um pouco parecido com Kaichou!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Como disse, isso foi mais "recomendação de segunda-mão"; nunca assisti Kaichou wa Maid-sama, apenas li um pouco do mangá há bastante tempo, e não estava achando ruim mas estava achando o rumo um pouco controverso, como achei o de Ookami Shoujo to Kuro Ouji. Talvez tenha sido só a minha impressão na época ou mesmo a impressão que o começo passava? No fim das contas, porém, eu achei pessoalmente Ookami Shoujo to Kuro Ouji uma comédia "passável", assim como achei o muito pouco que li de Kaichou wa Maid-sama, e só por isso deixei aqui essa recomendação de outrem.

      Peço desculpas se a recomendação foi equivocada, e agradeço a visita e a crítica construtiva. (*^_^*)

      Excluir