Bem vindo ao Blog Not Loli! Estamos em construção no momento! Siga-nos nas redes sociais!icones redesPesquise algum tópico: search
Parceiros parceiros

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Anime: Shounen Hollywood - Um anime de idols sem exclamações nem estrelinhas.





Shounen Hollywood: Holly Stage for 49, série de anime de 13 episódios, que terminou nesse fim de semana passado, é uma dessas jóias que simplesmente não recebem o devido valor. Eu tenho tido vontade de resenhar esse anime mais extensivamente há algum tempo, porque é realmente especial, a despeito do que  resenhas e notas por aí podem levar a crer.

À primeira vista, ShoHari - como irei me referir ao título ao longo dessa resenha - é um anime de um grupo de idols bem típico, que nem Love Live!, The iDOLM@STER, Wake Up Girls! - ao qual se assemelha demais em termos de proposta - e outras do tipo que fazem sucesso, só que com homens, contrariando a tendência. Só o fato de ser com um grupo de homens (e virtualmente não tem mulheres no anime) já afasta um monte de gente que julga que vai ser o "próximo Uta no Prince-sama", "medo de ser yaoi" e etc., e aproxima um outro monte de gente que vai esperando UtaPri e acaba se deparando com algo inteiramente diferente: Um slice of life tranquilo e paradão, com nada ou quase nada de fanservice e muito mais de momentos reflexivos e de crescimento pessoal e críticas ao universo dos idols e do consumismo no Japão.

Obviamente, isso tudo não contribui horrores para a popularidade do anime, o que não significa que esse algo completamente diferente seja ruim.



Uma nota importante: Eu digo isso tudo pensando no ocidente, pois não tenho certeza do quão popular Shounen Hollywood é na sua terra natal, e não me surpreenderia se fosse mais popular por questões culturais - muito da graça do anime está na sua sátira de tendências atuais do mundo do show business no Japão, que é o que o diferencia de um outro "slice of life" de idols qualquer; Além do que, ShoHari deriva de uma franquia (mixed media project, pra ser mais exata) que também conta com uma banda - sabe, japonesa, que faz shows de idols no Japão e participa de programas em japonês - e um livro - que obviamente nunca foi lançado em outra língua. Então, acho que o fato de uma segunda temporada já ter sido anunciada se explica por esses fatores, mas pra ser sincera, também não acho que seja super popular por lá, não.

Deixando o chutômetro de lado, e aí, qual é a boa de ShoHari? A boa é que, em um meio em que tudo é muito parecido, ShoHari tem uma pegada um pouco anticonvencional. Se propõe a ser um pouco mais realista e ter efeitos de documentário, ao transmitir a história de como cinco jovens tentam adentrar o universo do show business com um grupo de idols. Eles não foram lá e criaram uma banda porque eles queriam, nem por um Propósito Maior. Eles foram simplesmente recrutados por um agente porque eram jovens bonitinhos, e aceitaram porque, poxa, eles tem a oportunidade de serem idols, cada um tendo seus diferentes motivos para se encantarem pela ideia. E eles frequentemente se questionam, entram em crises, tem dificuldades pra conciliar o trabalho com a vida pessoal, e treinam até cansar.

Não é tudo amor e alegria. Eles tem que, primeiro, aprender a lidar com as diferenças entre eles e os outros membros do grupo no qual eles foram jogados. Pra complicar um pouco mais a vida, o grupo - que, repito, não foi idealizado por eles - é uma "reedição" de um popular grupo de idols do passado, o que faz com que eles vivam os fantasmas do que "o grupo" era no passado, sempre se comparando e sendo comparados pelos fãs, pelos antigos membros, e por eles próprios.

Não é fácil ser ShoHari.

Então, os personagens dessa série são maravilhosos. Todos eles. Os cinco membros do grupo, o chefe, o gerente, os membros antigos, os familiares, os colegas de escola. Todo mundo é realistica- e maravilhosamente desenvolvido. Especialmente os cinco protagonistas, uma vez que sabemos bastante de cada um, suas motivações, suas crises, todos são muito diferentes e marcantes. Eles tem classe social, passados, famílias, e essencialmente tudo que personagens bem construídos necessitam. Mesmo que você não se apaixone necessariamente por nenhum, é impossível não ter uma simpatia por eles, apenas pelo quão interessantes eles são.

É esse o ponto em que o anime, frequentemente criticado por ser "lento" demais, se dá melhor. Quanto a essa crítica, eu concordo e confesso que sentia muito essa sensação no começo, mas à medida em que fui me envolvendo com a história passei até a levar bem esse ritmo mais devagar. Afinal, não é rápido consolidar um grupo de idols, formar laços, ensaiar canções e coreografias, fazer a divulgação do seu grupo, conseguir fãs... São coisas que levam tempo. Em 13 episódios, ShoHari apresenta começo, meio e fim da primeira parte dessa longa jornada que esses personagens certamente terão que enfrentar - o percurso desde a formação do grupo até o primeiro show.

A escrita é muito boa, e não é pra menos, já que a escritora também escreveu o livro que originou a série, e dá pra sentir isso em alguns momentos em que ShoHari parece muito mais uma adaptação de livro - apesar de não ser, já que essa história é original para anime - do que um anime original. Digo isso no melhor sentido possível: O ritmo dos "acontecimentos" é mais devagar, tudo é muito detalhado, e temos alguns monólogos bonitos dos personagens e diálogos fortes. É um tipo de escrita peculiar que contribui para fazer de ShoHari um anime diferenciado. A direção, de Toshimasa Kuroyanagi (que conforme descobri também dirigiu Suki-tte ii na yo. [resenha], então vou ficar atenta a este nome daqui em diante!) é competente o bastante inclusive para se arriscar a fazer episódios inteiros com propósito conceitual - e que não deixam de casar bem com o anime.

Pra ilustrar isso, queria falar do episódio 10, que pra mim foi um dos destaques da temporada: No arco final do anime, temos um episódio - que não atrapalha em nada o desenvolvimento e a conclusão da história o que indica no mínimo um bom planejamento -  que é gasto inteiramente em entrevistas com idols que não conhecemos. Ah, e os garotos do ShoHari no meio desses idols. Você, espectador, passa 23 minutos vendo apresentações de músicas genéricas e personagens que você não vai ver nunca mais falando sobre suas vidas e carreiras. E no final do episódio, fica um pouco uma sensação de: "É isso?". Pare e pense agora que esses programas de idols jogando joguinhos e falando asneiras são super populares no Japão, duram mais que meia hora semanal, e tudo se torna cômico. Caso similar de episódio conceitual acontece no episódio 5, da peça de teatro "Air Boys", no qual os garotos recém-tornados em idol ensaiam. "Uma coreografia?" Não, uma peça de teatro em que eles são aeromoços. Bem vindos ao mundo dos idols!

Quanto ao resto da produção, a música não é ruim. Ela só não é memorável. Que nem, sabe, músicas de idols, que não são memoráveis, afinal idols vendem por causa de carisma e imagem pessoal e não por causa de música. (Quem gosta de idols por causa de música?) Mas tem muitas, muitas músicas - por exemplo, cada episódio tem um encerramento - então dá pra perceber que realmente houve um investimento em música. Foi uma opção estética da produção, e acho que a mensagem foi passada.

A animação talvez seja o ponto fraco da produção. É decente, mas poderia ser melhor. Quanto ao character design - eu particularmente gostei, porque gosto muito dessa arte com uma coisa mais "realista", como já falei aqui, mas vi muita gente reclamando dos traços, e especialmente do fato de que os garotos parecem mais velhos do que eles realmente são. OK, é justo. Talvez a opção dê mais certo pelo público mais maduro que o anime convoca; Eu pessoalmente gostei.

Levando tudo isso em consideração, no fim das contas, eu me sinto tentada a dizer que as notas que ShoHari recebe por aí são até... injustas. Talvez isso seja uma questão de propaganda - a rotulação da série como "shoujo" e a abertura colorida e feliz realmente não fazem juz ao que ela é de verdade, e demora um pouco pra você entrar na onda que o anime te convida a entrar, isto é, que tudo é bonitinho na aparência mas tem pontos bem questionáveis por trás, que a vida não é mole e coisa e tal. Mas se você aceita isso e abraça a série pelo que ela é, com sua lentidão e sua simplicidade, ela é definitivamente bem-feita.

Então, a quem eu recomendo ShoHari? Se você gosta de slice-of-life genuíno, com diálogos e mais diálogos, banalidades e caracterização ótima, eu recomendo demais. Se você tem uma curiosidade por cultura japonesa, pelo mundo dos idols, e por anime também - recomendo demais.
E que vá de coração aberto. ShoHari não é UtaPri, nem Wake Up Girls!, nem K-On! por mais que seja tão "slice-of-life" quanto. É uma série interessante e que mereceria uma continuação, e vai ganhar segunda temporada porque nesse momento, o mundo é justo. ♡ Fica a recomendação!

6 comentários:

  1. Yoo! Sei que devo parecer uma intrusa no seu blog, mas a verdade é que tenho andado a ler todos os seus posts (pelo menos desde que começou a segunda temporada de free! eternal summer) e finalmente tomei coragem para comentar.

    Aliás, um dos motivos porque ão comentei antes foi precisamente ter visto todos os animes que você resenhou, e concordar praticamente com tudo. Se não tinha nada a acrescentar ao que você escreveu, mais valia a pena ficar calada do que repetir o próprio post apenas para ocupar mais linhas. Mas não vi Shounen Hollywood, e como até agora já fiquei a confiar bastante na sua opinião, acho que lhe vou dar uma oportunidade. Até porque eu me incluo bastante no público a quem você recomendou o anime, tanto pelo gosto pelos slice-of-life, como por me sentir curiosa quanto ao mundo dos idols - e realmente, quem gosta de Kpop pela música? Talvez haja uma ou outra mais notável, mas normalmente esse fator não pesa muito. Como ainda não vi, não posso comentar muito mais que isto, mas sobre o character design, eu gostei do ar realista - sim, eu li que você também - só não gostei da coloração e dos sombreados. Acho que não combinam grande coisa, algumas cores são um bocado enjoativas e alguns sombras salientam detalhes que ficariam melhor escondidos. Bem, vou adicionar à minha lista ^^

    Já agora, embora possa parecer um pedido precipitado e você talvez nem tenha nenhum afiliado, não aceitaria afiliar-se com o meu blog Forever Sapo? » http://sou-uma-adolescente.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah, que é isso!! Pode chegar e comentar o que quiser, não precisa ter vergonha, aqui é aberto e eu sou legal (◡‿◡✿) (..o̶u̶ ̶p̶e̶l̶o̶ ̶m̶e̶n̶o̶s̶ ̶e̶u̶ ̶g̶o̶s̶t̶o̶ ̶d̶e̶ ̶a̶c̶r̶e̶d̶i̶t̶a̶r̶ ̶n̶i̶s̶s̶o̶)

      Nossa, sério? Hahah que ótimo que eu pude acrescentar essa recomendação, então! (´∀`) Espero que você curta, comente aqui depois o que achou! Eu concordo, as cores de ShoHari não são muito boas... São um pouco mortas, e acrescentam à sensação de "tédio", e os rostos tem mais sombreados que o normal, né? Acho que isso tudo também afasta um pouco o pessoal, pelo que li dos comentários por aí. Mas como a proposta é ser mais realista, acho que dá pra relevar.

      Ah, imagina! Eu tenho alguns afiliados, e é sempre bom ter mais gente pra trocar uma ideia! (^▽^) A propósito, adorei seu layout!~
      Até mais, e muito obrigada pela visita e pelo comentário! ♡

      Excluir
  2. Oi! Sempre leio seu blog mas nunca comentei.
    Esse anime é desses que eu não prestaria atenção, porque a sinopse parece meio boba, mas pelo que você escreveu, parece ser o tipo de coisa que eu gostaria, mais lento e slice of life. Pretendo assistir. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ligia! (´ ▽ `)ノ Ah, que bom que eu consegui chamar sua atenção pra ele então! Dá uma olhada, quem sabe você gosta? ♡ Depois diz por que gostou ou não? Meu gosto é um pouco diferente - eu normalmente prefiro coisas mais agitadas - então adoraria saber o que alguém com um gosto diferente acha. :)
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário!

      Excluir
  3. Yooo beleza!?
    Assim que soube desse anime ele entrou na minha listinha, ultimamente tenho aderido a tudo que foge dos padrões, principalmente se esse for o oposto daqueles animes convencionais com garotinhas moes (sim ultimamente tenho desenvolvido algo contra esses animes '-' ). Enfim, para mim tendo homens bonitinhos nem precisa de fanservice, só tendo uns garotos bacanas já é um ganho e tanto XD. Só espero que eu não acabe me cansando muito no começo do anime, pois sou meio impaciente e essa história de calmaria e lentidão não é comigo =/, mas seguirei o seu conselho e vou procurar me manter firme e abraçar toda a proposta do anime!
    OBS: eles não me parecem ter uma cara tão velha assim '-'
    Adorei o post
    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi Hinata! (^▽^)
      Aaah, que ótimo!! Hahah sei como é. Hoje eu estou mais tranquila, mas também tive uma fase exatamente assim, então sei como é... E posso recomendar alguns animes assim, se quiser! ♡ Realmente, no começo do anime é até meio entediante, mas eu - que também sou impaciente - consegui superar e acabei gostando, então... vai que, né?~ Espero que se divirta bastante!!
      (E eles também não me parecem tão velhos não! Mas eles parecem um pouco mais velhos que a maioria dos garotos de 15-19 anos de anime, eu acho... lol)
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário! ♡
      Até mais~
      - Chell
      http://notloli.blogspot.com.br/

      Excluir