Bem vindo ao Blog Not Loli!

Siga-nos nas redes sociais!

Pesquise algum tópico: search
Parceiros parceiros

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Anime: Devil Survivor 2 The Animation - "Cuidado com o que você faz nessas internet aí", já diziam as avós.

(meU BEBÊ RELUZENTE ;_;)

Aproveitando o post de Persona 3 The Movie #1: Spring of Birth, hoje eu venho aqui trazer uma resenha de um anime que eu assisti há alguns meses, curti bastante, e fiquei devendo para mim mesma um post sobre. Eu prometi pra mim que faria um post sobre ele, inclusive porque eu prometi pra mim mesma que ia assistir o anime quando ele saiu e eu não assisti, e porque ele é baseado em um jogo lançado há mais de 2 anos que eu queria muito jogar na época e não joguei até hoje.

Mas depois de assistir o anime, eu percebi um potencial maravilhoso e prometi pra mim mesma que iria jogar o jogo pra fazer um post mais elaborado sobre ambos.

Tentem advinhar se eu joguei.

Dado o meu atestado de rainha da procrastinação, prossigo. O anime de que estou falando é Devil Survivor 2 The Animation, anime produzido pelo Studio Bridge (Nobunagun, Mitsudomoe) baseado no jogo Shin Megami Tensei: Devil Survivor 2, lançado pela Atlus em 2011 (!!! Senhor!) para Nintendo DS e 3DS.

Shin Megami Tensei, que pra quem não sabe é o mesmo Shin Megami Tensei de Persona, daí a relação e tal. Apesar disso, e mesmo se você não for nenhum fã de SMT, não se intimide: Eu mesma não joguei o Devil Survivor 2, mas achei o anime bem decente - e talvez até por isso eu tenha achado decente? - então se você simplesmente curte fantasia urbana, situações apocalípticas, questões filosóficas, conspirações, muito estilo e slash: vem que tem.

Infelizmente, como não joguei o jogo, eu não posso fazer aqui comparações acuradas e também não sei exatamente o quão fiel ou bom, em relação à obra original, o anime é. Pelo que conversei com pessoas que jogaram o jogo e assistiram o anime, ele é lixo perto do jogo. Mas, falando sinceramente: também ouço falar bastante que o anime de Persona 4 é lixo em relação ao jogo e eu confesso que achei uma adaptação no mínimo divertida; Apesar de não ser aquele P3: SoB em fidelidade, e ter valores de animação ridículos perto dos FMVs do jogo por uma questão óbvia de tempo e dinheiro, não achei nada aquém do esperado e eu diria que o final Yuusuke compensou todos os defeitos. Eu imagino que o mesmo valha aqui; Pelo que li, o anime não seguiu nenhuma das rotas do jogo muito fielmente, o que não tira seu mérito como um anime decente.


Porém, gamers gamezarão.

Devil Survivor 2 The Animation, que chamarei aqui pelo acrônimo DS2TA, assim como o jogo no qual se baseia acompanha a história de Hibiki Kuze - que é o "personagem principal sem nome" no jogo - e outros dois adolescentes de sua escola: O amigo de infância Daichi Shijima, e a bonita Io Nitta, que é a senpai colega de classe que não repara neles. A história começa quando os três decidem baixar um aplicativo de celular popular no momento, chamado Nicaea, que supostamente avisa quando seus amigos vão morrer, mandando um vídeo com a cena de morte deles.

É literalmente um video de quando eles morrem enviado pouco antes de eles morrerem.


Só essa proposta inicial já me fez parar e pensar, que raios de mundo distorcido é esse em que adolescentes piram num aplicativo de celular que fala a hora da sua morte? E em um segundo momento, lembrei que os adolescentes de hoje efetivamente passam o dia no celular, mais ainda os adolescentes japoneses, que eles curtem videos idiotas no youtube, coisas macabras e violentas, e que talvez o universo de DS2 seja até terrivelmente realista. Na verdade, talvez a parte do comportamento seja a parte menos estranha da coisa; Talvez a tecnologia sobrenatural, que é de praxe de SMT, seja a única coisa realmente irreal nessa história.




Foi esse um dos pontos que eu achei fortes na história: A incrível proximidade, ainda que de uma maneira crítica, a uma certa mentalidade que é muito real e também atual. Eu joguei apenas o primeiro jogo da série Devil Survivor e, apesar de ter achado ótimo, também com bastante suspense e as questões filosóficas típicas da franquia, a história - que tratava de uma situação caótica à la Grande Terremoto do Leste do Japão - não parecia ter um apelo tão pop quanto esta, tampouco se propunha a ser tão universal. Quanto a isso, eu só posso levantar duas hipóteses: Ou essa diferença realmente existe nos jogos - de, digamos assim, DS2 estar para P4 assim como DS1 está para P3 - ou o anime, que naturalmente busca ampliar seu público, forçou a barra na dimensão "adolescentes sendo adolescentes em 2014" em detrimento do enredo, o que também é bem provável.




Ok, como disse, não vou ficar tentando fazer comparações até porque não tenho propriedade, mas fora isso, não tem muito a ser dito sobre a narrativa. Talvez, talvez realmente não tenha nada de novo em uma fantasia urbana com uma distopia altamente tecnológica, organizações misteriosas e uma grande conspiração com criaturas bizarras de fundo - talvez as criaturas mitológicas bizarras sejam realmente a parte mais "inovadora", mas isso é MegaTen desde sempre - mas pra quem curte essa ambientação (tipo, eu) Devil Survivor 2 consegue entreter bastante.

É uma daquelas histórias em que uma briga de gato e rato se desenrola no decorrer de uma semana - que nem em Eden of the East, ou pra falar de jogos, The World Ends With You, entre tantos outros - e os protagonistas inadvertidamente aparecem no meio dela. Nesse sentido, me lembrou um pouco também Zetsuen no Tempest, exceto que muitos dos protagonistas não tem personalidades tão fortes; Nitta é bastante esquecível, e a graça do Shijima é - podem me bater, não-shippers!! - todo o slash que rola entre ele e o protagonista. E o protagonista, claro, é o cara foda que controla o Byakko infernal, porque ele é foda assim, e que realmente se responsabiliza... pela história inteira. As outras personalidades fortes da história, pelo jeito, são os vilões, que apenas tem aparições mais significativas e são desenvolvidos de fato nos episódios finais, pra tristeza do fandom do jogo. Vale notar também que um dos vilões - bastante controverso e interessante - é um Kaworu da vida, que volta e meia tem bons diálogos com o protagonista, o que conta ainda mais pontos no meu conceito.


O que não significa, porém, que os outros personagens não são nem um pouco interessantes. Mesmo não sendo super notáveis ou fortes, eles ainda são jovens japoneses estilosos e/ou prodígios e/ou personalidades tão estereotipadas quanto admiráveis que simplesmente funcionam bem nessa ambientação. Provavelmente são ainda menos complexos no anime que no jogo, e já não devem ser super bem-desenvolvidos no jogo, porque a jogabilidade e o enredo também são bastante importantes... mas... então... eles realmente funcionam. O bastante pra não estarem "apenas ali", o bastante para algumas mortes acontecerem e darem uma animada na história, sem dar mais spoilers aqui.


Eu diria, aliás, que essa "agitação" é um ponto forte no anime. Como são dezenas de horas de jogo comprimidas em 12 episódios, é claro que isso significa vários cortes e uma rota confusa, pra infelicidade dos fãs e tal, mas isso também significa que sempre tem muita coisa acontecendo e muita informação a ser obtida; O anime tem dois ou três picos de "momentos entusiasmantes", e de resto conta com suspense e mistério enquanto o espectador que desconhece a história procura desvendar o que está acontecendo. Desses momentos, eu diria que o final foi o mais bonito, foi o que realmente me fez parar para afirmar "eu gostei desse anime".



Mas antes de falar do final em si, preciso deixar claro que DS2TA é, em geral, um anime bem mediano em termos de produção. Animação mediana, assim como as cores, apesar de eu ter gostado bastante das iluminações - já que grande parte das cenas se passam em locais escuros com iluminações focais, parece que essa técnica foi bem desenvolvida nas cenas do anime; Tem um efeito bem legal, e chega a passar uma impressão de "seriedade" somada com toda a trama de filosofia e investigação (que não é totalmente verdade, mas enfim, agrega). Outra coisa que eu gostei bastante nesse respeito foram os demons; Eu os conheço dos jogos das séries, e achei essa uma das melhores rendições em animação - ok, talvez P3:SoB ainda supere, mas... - dos demons da série; Me apaixonei pelo visual de todos que apareceram, de Lilinda, passando por Kikuri-Hime, até Lucifer (todo meu amor pra esses cilios inferiores e o lábio superior preto do character design original). A trilha sonora, que provavelmente veio do jogo em grande parte, combina bem e é um estilo que simplesmente me agrada; Das músicas originais, eu não costumava pular a abertura, e principalmente não o encerramento, que é daqueles que apresentam os personagens e, portanto, vai fazendo progressivamente mais sentido. Então: Mediano. Passa a mensagem desejada. É bom, portanto, se você liga pra mensagem.


E o que eu quero realmente destacar é a mensagem final. Uma mensagem poderosíssima. Eu confesso que chorei pra caramba no final, por motivos de que se aproximou demais da minha realidade, mas eu não acho seja uma mensagem tão particular assim. É uma daquelas mensagens de "tudo se ganha com amor", só que não amor por uma ou outra pessoa, mas pelo mundo, o que é muito bonito. O que me passou foi, essencialmente, a ideia do quão complicado o mundo é e, ao mesmo tempo, o quão simples nós - humanos - somos e o quão felizes as coisas mais simples nos fazem. Apesar da relativa simplicidade da série - em termos de apresentação e valores de produção, além de ser curta e tudo mais - eu diria que essa mensagem foi passada com clareza, de modo que eu senti a felicidade ou o alívio do Hibiki, e tive vontade de agradecer também.

Já esclareço que não, essa também não é a mensagem mais inovadora do mundo, mas é sempre uma conclusão feliz para uma série que se propõe a ter um lado mais reflexivo, em que você nunca sabe quem vai morrer ou viver. É baseado em um dos final felizes, e talvez o que mais destaca a questão da "autonomia" que existe por trás da escolha de finais. Como disse a Nitto, "o novo mundo será seu". E essa é uma mensagem extremamente empoderadora, sem necessariamente ter aquele apelo "mensagem pra hikikomori sair de casa" que nem uns *cof* Mekakushit *cof* animes e *cof* TTGL *cof* outros por aí.

A minha impressão pela maioria dos episódios foi simplesmente "é bom, mas eu sei que só gosto porque faz meu tipo", mas foi o episódio final - nota, cujo final pelo que eu li foi um mix and match de partes do jogo pra criar algo interessante, e portanto todo o mérito pra produção do anime aqui - que consolidou DS2TA como um bom anime no meu conceito, fechando com chave de ouro um enredo bastante bom, mas que eu achei insuficientemente desenvolvido e pouco claro por esses 12 episódios.

Falando agora, já me vem essa nostalgia do anime, que me dá vontade de ver de novo pra ter a mesma sensação boa ou, no mínimo, jogar o jogo que é algo que eu realmente preciso fazer ASAP.... De qualquer forma, fica aqui minha forte recomendação pra quem gosta desse tipo de anime - de mistério/suspense, fantasia urbana, ideias pra filosofar, eventuais personagens mitológicos, eventuais batalhas, tudo de uma forma relativamente simples e com um slash bem-vindo~.

E pra quem jogou o jogo, sinta-se livre pra fazer comparações sobre nos comentários, que são bem vindas! Eu pretendo jogar, honestamente... um dia em que eu tiver tempo, vai saber quando... quem sabe um dia eu jogo e venho fazer uns adendos...  quem sabe..... orz !!

Nenhum comentário:

Postar um comentário