sábado, 15 de fevereiro de 2014

Anime: Hyouka - Little birds can remember.

Possivelmente a melhor imagem pra definir Hyouka.

E continuando a tradição da Meta 2014 - eu digo "tradição" como se não tivesse 80 títulos que nunca vou terminar de ver em um ano na minha Plan to Watch, - dessa vez eu assisti Hyouka.
Hyouka, cujo subtítulo "You can't escape" eu ainda não entendi a razão de ser. Provavelmente tem a ver com algo do livro que não estava no anime, mas enfim.

Hyouka é um título relativamente recente, que eu tive a experiência de ver um quadrilhão de vezes no Tumblr sem saber muito bem do que se tratava, ou o que estava acontecendo. Eu vi o primeiro episódio quando saiu, com algumas expectativas, e... lembro de ter ficado com tanto sono que fechei na metade e não voltei atrás nos meses seguintes. Só depois da conclusão do anime, e seu sucesso, que eu fui tentar ver outras duas vezes, e novamente senti sono demais pra progredir. Sono.

E eu começo a resenha afirmando: Hyouka é sonolento.


Hyouka é lindo, maravilhoso; Mas talvez seja exatamente essa beleza que o torna sonolento, já que as animações são feitas tão cuidadosamente e às vezes de uma maneira tão dramática - todos os brilhos de olhos, viradas de rosto, tudo tão cuidadosamente! - que o resultado geral acaba sendo pouco dinâmico. Some a isso o fato igualmente óbvio de Hyouka ser uma espécie de Slice of Life/Mistério, dois gêneros incrivelmente... sonolentos... em um anime só.

Some, ainda, o fato de os tais mistérios serem relativamente realistas - digamos, o tipo de coisa que colegiais seriam capazes de passar por e descobrir do que se trata na vida real - e o que se tem em grande parte é frustração. Confesso que vi a resposta de vários mistérios a quilômetros - ou, mais precisamente, minutos - de distância, e no fim de cada episódio, não era raro ter uma sensação de "enrolou tanto pra isso?". Vale dizer que não sou nenhuma expert em mistérios - na verdade, eu sou o Satoshi Fukube da minha vida - então se me senti assim em vários pontos, entendo que seja uma sensação comum. E é uma sensação aceitável, ... mas meio que só intensifica a sensação de lentidão.

Mas uma vez passada essa sensação, Hyouka é... a melhor palavra que eu pude pensar para descrevê-lo é "imersivo". Aparentemente, Hyouka grows on you. E apesar de tudo, depois da metade da série, eu me peguei querendo ver mais. Isso foi mais porque os personagens me cativaram do que vontade de acompanhar a história ou as resoluções dos mistérios; É claro que a qualidade técnica também ajuda, mas a essa altura eu provavelmente gostaria de uma adaptação ruim.

E o pior: Lembro que na época que saiu Hyouka, os personagens foram exatamente o que me afastaram. Eu gostava da animação (o estilo me lembrava K-On!, só que mais refinado, e a qualidade era o esperado do KyoAni) mas os personagens estereotipados e pouco densos me afastaram.
Minha impressão sobre serem "estereotipados" não mudou - todos os personagens são "nada novo" - mas é entre os mistérios e falas soltas que vamos conhecendo cada um, e Hyouka mostra um desenvolvimento de personagem acima da média. E de uma forma sutil.

Para exemplificar com uma situação que eu achei emblemática: O final do episódio 15 (dos 22 episódios da série) mostra cada um dos personagens principais, sozinhos - situações raras, mas sempre com resultados interessantes - lidando com seus problemas.

Chitanda Eru, que é a "top-student desajeitada e wallflower", admite estar esgotada por ter que conversar com os senpais e tentar convencê-los a vender seu produto, levando em conta que ela é uma garota extremamente tímida, com poucas habilidades de comunicação.
Ibara Mayaka está lendo um de seus mangás, e isso remete ao conflito dela com os outros membros do clube de mangá, com a idéia de cosplay, e as próprias produções dela quem nunca.
Fukube Satoshi está pensando em como seu amigo mudou por causa da Eru, depois de uma série de episódios nos quais ele agiu de uma maneira definitivamente diferente - como o grito para ajudar o kotenbu com o concurso de Culinária, ou quando notou que a Eru estava cansada - e reflete nesse momento sobre sua própria inveja em relação a ele.
E esse tal amigo, Oreki Houtarou... O Houtarou está sendo o Houtarou - sonolento e sem conflitos num nível superficial, mas está acessando o site do Festival, um sinal claro de que ele está envolvido com uma coisa que a) não era necessária absolutamente, contrariando seu lema de vida, e b) tem a ver com a escola e os seus amigos.
E isso tudo é muito legal.


Mais: O que os levaram a isso não eram sequer circunstâncias daquele episódio ou mesmo do anterior; Eram circunstâncias que vinham ocorrendo simultaneamente há pelo menos três episódios, durante todo o arco do festival Kanya, e levando a mudanças em cada um dos personagens, e nesse momento tão singelo - que pode até passar despercebido - Hyouka explicita isso traçando um paralelo entre eles enquanto refletem sobre estas mudanças. É esse tipo de coisa que me faz achar Hyouka belíssimo. E inegavelmente bem montado, levando em conta o timing próximo ao arco final do anime e tudo mais. Isso... talvez não seja mérito da série, já que ela é adaptada de um livro, mas eu realmente não sei dizer.

Outro ponto que me fez gostar bastante de Hyouka pessoalmente foi a sua comédia, que assim como tudo em Hyouka, é muito leve. Desde o estilo fuwa fuwa da arte, até o romance fofinho, e o humor bobinho.
Os primeiros episódios não indicavam bem se seria assim sempre, e meu medo de cair em um fanservice clichê era forte, mas qual não foi minha surpresa ao perceber que isso tudo se mantém até o final. Hyouka não se esforça Eu adoro demais coisas "fofas e leves" desse jeito - vide Clannad, ou a segunda temporada de K-On! - então para mim isso é um outro ponto forte de Hyouka. Na verdade, pra ser mais exata, Hyouka é inteiro delicadinho. Eu adoro, adoro isso.

Dito tudo isso, vamos aproveitar para - e acho que isso é importante - delimitar o que Hyouka não é. A despeito do que possa parecer, digamos, pela segunda abertura, Hyouka não é um anime de romance. É claro que Hyouka tem seus personagens muito bem desenvolvidos, e o mesmo vale para os relacionamentos entre eles, mas. Não é um romance.


Novamente: Hyouka é um SoL/Mistério, nessa ordem. Se tivesse que dizer realmente, ao que me parece, é uma história sobre talento e inveja, expectativas, e quando elas são frustradas. Por mais estranho que isso possa soar. Não parece ter exatamente um mistério por trás, também - o foco são realmente as aventuras do pessoal do Kotenbu (ou clube dos Clássicos), e se tem algum mistério aí, é a curiosidade incessante da "princesa" Chitanda.

Mas não é sobre pessoas procurando um amor, ou tendo que lidar com os prós-e-contras de um romance, nem nada do tipo. Então, meu desprezo pra todo mundo que usa como motivo pra criticar Hyouka o fato de que o final não teve declaração, uma vez que nunca foi a proposta. O que ocorre de fato é que o final é pouco impactante, sim - o arco final em particular me causou estranheza. São histórias soltas e acho que poderiam ter deixado o fim de um mistério mais importante (como o do Festival Kanya) para o final, mas ao mesmo tempo, poderia ficar corrido demais e dar importância demais a algo pouco relevante. Então, foi provavelmente uma boa escolha, mas foi... pouco impactante.

E a questão principal é essa: Hyouka não é espetacular - literalmente falando - e nem se propõe a isso. Descritivamente, a apresentação é muito mais "sólida e elegante" do que "empolgante e grandiosa". Às vezes... é como se ela fosse propositalmente entediante. Um exemplo que eu gravei dessa situação foi no arco do festival Kanya. É particularmente anticlimático o momento em que eles ganham o concurso de culinária; Apesar de ter sido claramente um momento especial e tudo mais, já que o Satoshi "derrotou" o stalker Tani e pôde fazer propaganda do clube, isso tudo meio que foi emendado no real propósito do arco - o mistério do desaparecimento dos objetos.

O problema é que, até então, a questão era distribuir a antologia Hyouka, e ganhar o concurso parecia ser muito importante para os personagens naquele momento. Acho que a maioria das séries teria gastado mais tempo nisso (como aquele filler bonitinho e aparentemente importante que na realidade não representa nada na situação maior) mas esse não é o caso, e eu não sei até onde isso é uma questão da obra original, ou de tentar se ater ao gênero - Mistério é quase que obrigatoriamente entediante - mas enfim. É o tipo de coisa que, assim como o final, demonstra qualidade técnica, construção de enredo e tal, mas é entediante. Pouco impactante. Basicamente, não empolga. Num mundo - e, digamos, numa indústria - de imediatismo, Hyouka faz charme para engrenar.

Isso é a benção e a maldição de Hyouka. Hyouka é ingênuo, tem um ar despretensioso e é algo levinho de se assistir, levinho a ponto de ser sonolento. Ao mesmo tempo, tem uma produção soberba com uma dramatização exagerada e tudo é confuso.
Sei lá. Tem classe. E provavelmente agrada muito a um público específico. Provavelmente não é exatamente o meu público - tipo, fãs de Code Geass? Não. - mas se me perguntar, direi que foi um bom anime e me diverti assistindo, em particular depois da metade.

Mas definitivamente sonolento.

4 comentários:

  1. concordo com tudo que você postou ai amiguinha, só acho que falou uma coisa, as musicas de fundo são muito boas também, (musica clássicas)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ramon Gabriel! Primeiramente, obrigada pela visita e pelo comentário!~
      Em segundo lugar, é verdade. Preciso dizer que, apesar de não ter me chamado super a atenção, a música de Hyouka combina bem com o clima do anime.
      Muito obrigada, e volte sempre! :)

      Excluir
  2. Infelizmente, tenho que discordar na parte de ser sonolento e entediante. Mas, considerando que eu comecei a assistir bem depois do meu horário de dormir (ou seja, eu estava praticamente morrendo de sono) e eu só consegui parar depois que eles resolveram todo o mistério envolvendo o Sekitani Jun e o Hyouka, posso dizer que o anime me envolveu e não me deixou com sono algum.
    Acho que eu gostar de animes do tipo também ajudou, mas algo que realmente me animou na hora de assistir foi o Satoshi (porque eu me acho muito parecida com ele em muitos sentidos).
    Quanto ao resto, acho que não tenho muita coisa para falar sobre o texto. O comentários são maravilhosos e expressam quase tudo que eu pensei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! ^_^ Bem, eu entendo que o anime pode ser sonolento e entediante pra muita gente, porque o ritmo é lento e pouca coisa acontece efetivamente, além de ter pouca ação. Essa foi uma das principais críticas que eu li sobre Hyouka na época em que estava sendo exibido. Mas, como alguém que pessoalmente não gosta de ação e prefere muito mais uma investigação, depois que eu me envolvi na história também não senti vontade de parar de assistir. Então, apesar das minhas críticas, eu posso afirmar que também gostei bastante de Hyouka. Fico feliz que tenha gostado e feito justiça à série! ♡
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário, e até mais!

      Excluir