Bem vindo ao Blog Not Loli! Estamos em construção no momento! Siga-nos nas redes sociais!icones redesPesquise algum tópico: search
Parceiros parceiros

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Jogo: Nightmares of Jumping Bunnies e outros jogos por Nicolau Chaud.

AAAAAH

Ebaaa. Mais joguinhos!

A parte idiota é que eu fiquei tanto tempo planejando esses posts sobre jogos com ~1h de duração para acabar focando em um joguinho de 10 minutos. A parte legal é que esse joguinho não é qualquer joguinho - é Nightmares of Jumping Bunnies!

Ok, eu posso explicar minha situação antes.

Já deixo avisado que cada jogo que eu menciono nesse post é realmente interessante e digno de um post singular. Entretanto, como eu demoro eras pra escrever posts, resolvi sintetizar minhas impressões de cinco jogos nesse post, cujos links pra download estão no final do post! (◡‿◡✿) Espero que... tenham paciência pra ler... idk......

Há algumas semanas atrás - meses? Nem sei mais - quando estava começando a me envolver com jogos de RPG Maker - que qualquer pessoa que bater o olho nos posts desse blog vai perceber que consumiram minha alma - me chamou a atenção um jogo que estava na página principal, entre os jogos mais populares. O jogo se chamava Suzy and freedom; Uma batida de olho nas telas me fez pensar simplesmente "esse jogo parece interessante", já que no meio de um monte de gráficos padrões de RPG Maker VX - que eu confesso que não curto tanto - era uma espécie de sidescroller em RPG Maker 2003, cujos gráficos eram bem reminiscentes de jogos de adventure antigos. Não sei um termo para descrever, mas sabe fotografia convertida em 256 tons de pura nostalgia? Basicamente isso.

Suzy and freedom

Tudo legal, sim? E qual não foi minha surpresa ao perceber que a tal Suzy era Suzane Von Richthofen, provavelmente conhecida de qualquer brasileiro com mais de 15 anos de idade e televisão em casa. Lendo a descrição do jogo, fiquei muito "hã... isso realmente existe?", porque a proposta era realmente curiosa e-- afinal, quem raios teve a idéia de fazer um jogo de RM2k3 sobre a Suzane Von Richthofen? Marquei para ver mais tarde, mas biografia simplesmente não faz meu estilo, e eu acabei me esquecendo e priorizando outros jogos do site. (Recentemente voltei atrás, e fiquei satisfeita com Suzy and freedom; É singelo, mas definitivamente criativo.)

De qualquer forma, entre os "outros jogos" que eu priorizei estava I'm Scared of Girls, que já confessei aqui que me deixou absolutamente apaixonada, e eventualmente outros da Moga, que, como também já confessei, se tornou uma das minhas senpais em termos de jogos de RPG Maker e trabalhos criativos em geral. E foi por grande coincidência, lendo obsessivamente as páginas dos jogos dela, que eu me dei conta de um usuário cujo trabalho ela admirava; Como é do conhecimento popular, senpai de senpai merece respeito!!, e eu, obviamente louca pra conhecer bons jogos similares, fui logo checar os jogos deste.
Foi aí que eu tive o momento "oh", quando percebi que era ele o criador de Suzy and freedom.

Alvorada do Mal

Foi isso que me fez checar seus jogos, dentre os quais gostaria de destacar além de Nightmares of Jumping Bunnies Alvorada do Mal, que me chamou atenção por ser em português e achei divertidíssimo no pouco tempo que deu pra jogar. Infelizmente não tem muito para ser jogado, mas é super inspirado e a história parece ser interessante.
No entanto, Nicolau (vulgo calunio) é provavelmente mais conhecido na comunidade RPG Maker pelo seu trabalho em Beautiful Escape: Dungeoneer, um jogo no qual você é Verge, que é, uh, um cara que seduz pessoas, levando-as para a sua casa, e filma essas pessoas tentando escapar da sua câmara de tortura; Elas podem ter sucesso... ou morrerem ou terem um breakdown no processo. 
Esse jogo. É. Horripilante. Não quero dizer "horripilante" de "mal feito", quero dizer... literalmente.

Alguns jogos da Moga já me deixam relativamente "WTF", eu confesso; Não gostei de bater de porta em porta pra retalhar garotinhas em Instead; Ghost Suburb, por exemplo. Mas é um tipo de tortura... leve? Talvez não seja muito "OK" sair batendo de porta em porta coletando órgãos para um sacrifício, mas é um tipo de "gore fashion de garotinhas fofas" que não impede ninguém de dormir à noite. O final "era tudo um sonho" também ajuda a aliviar o peso na consciência. Eu diria que o caso de Instead; é como o da maioria dos jogos de horror de RPG Maker que eu já joguei - você tem que matar pessoas de maneiras feias, mas nada realmente passa de uns pixels vermelhos, talvez algumas imagens assustadoras, e um pouco de "nossa, que horrível esse jogo".

Beautiful Escape: Dungeoneer

Então, Instead; é um jogo leve. Se você comparar com um Dungeoneer da vida. Felizmente - e digo "felizmente" porque eu sou a maior covarde - eu não joguei este jogo sozinha; Eu comecei lendo os comentários na página do RPGMaker.net - alguns dos quais absolutamente hilários - e relatando no Twitter minhas experiências com o jogo e tudo mais, e isso acabou interessando outra pessoa, e acabamos jogando juntas. Compartilhar impressões definitivamente fez com que focássemos na parte "engraçada" do jogo, o que por si só já renderia uma reflexão sobre desindividuação e de forma alguma minimizou a força do jogo; Mas não quero nem entrar no mérito de discutir o impacto psicológico que esse jogo causa, porque muita gente já fez isso antes de mim. E ele causa muito.

E "porque muita gente já fez isso" foi um dos motivos de eu não querer resenhar Dungeoneer. Eu gostei da experiência e tudo mais, apesar de o gameplay realmente ser confuso em algumas partes - eu ainda não sei exatamente quais são os critérios pra avaliação dos videos - mas, de forma geral, é um ótimo jogo que eu recomendo pra quem... de preferência, pra quem não for tão medroso quanto eu, e lidar melhor com uma aproximação mais realista a essa espetacularização da tortura na Internet (que esses vídeos de fato acontecem, e até mesmo relatos sobre esse assunto sempre foram umas das poucas coisas que eu considero, para mim, dignas de trigger warning). A jogabilidade é interessante, apesar de ter sentido falta de uns quick saves, e o impacto que o jogo provoca é bem forte.

Polymorphous Perversity

OK, dito isso tudo, eu fiz o post pra falar de um outro jogo. Um que me fez exclamar "WTF" de um jeito muito mais alegre, tipo "WTF, esse jogo é literalmente perfeito", e o WTF foi mais pela diferença de feeling de todos os outros jogos citados nesse post. Esse jogo... não é Polymorphous Perversity, não, que aliás, da lista de jogos do autor que eu baixei, foi o único que eu realmente não consegui jogar. Me provocou uma repulsa semelhante à que Dungeoneer me provocou inicialmente - fina ironia, certo? - não tinha ninguém pra me acompanhar nessa jornada, e acabei desistindo logo.
PP é agridoce com o perdão da conotação hipster da palavra. Às vezes é engraçadinho, muitas vezes é perturbador, e em outras é simplesmente agressivo. Em alguns momentos eu fiquei me perguntando se era pra ser uma crítica implícita à teoria psicossexual, mas provavelmente isso é só meu bias contra a teoria falando mais alto... Talvez. Acho que também não joguei o bastante pra fazer qualquer assunção.


De qualquer forma, Nightmares of Jumping Bunnies! Ah, NJB. NJB é um jogo muito curto, muito muito frustrante, e muito fofo. A verdade é que eu joguei NJB antes de todos os outros jogos mencionados nesse post, e talvez não tivesse jogado nenhum se não tivesse começado com esse. Eu comecei porque não sabia por onde começar, mas gostei do nome e do CSS da página de download, e li que era um jogo curtinho... Foi basicamente isso.

Dez minutos depois, eu estava gritando "AHH! ISSO É MUITO FOFO!".

"Demônios aterrorizam os sonhos das pessoas. E o que aterroriza os sonhos de demônios? Coelhinhos, é claro!". É claro. Coelhinhos cor-de-rosa saltitantes. Coelhinhos que ficam saltando, te seguindo, e dizendo "I love you!" no melhor estilo "bichinho de pelúcia fofo" que não são nem um pouco aterrorizantes à primeira vista. Mas NJB é aquele tipo de jogo que te convoca a pensar "aww, que inofensivo! Que bonitinho! Isso não tem como ser aterrorizante! Demônio frouxo!" e vai se tornando progressivamente mais assustador, até você se convencer que de fato os coelhinhos mais lindos podem traumatizar.

É um jogo de survival horror, galera. Anotem.

Em NJB, você controla o personagem principal - ele é um demônio gatinho - em seus sonhos, e o objetivo é ... chegar até sua cama em cada uma das fases cheias de coelhinhos. "Ué, coelhinhos?" É, é só andar pelo mapa gracinha e chegar na sua cama. A parte legal: Os coelhinhos não matam, não atacam, eles não fazem absolutamente nada. Eles só te amam. Muito. A ponto de te seguirem, te rodearem, e ficarem pulando eternamente enquanto repetem incessantemente que te amam. "I-I-I-I-I-I love you!"


Então, por que eu adorei tanto esse jogo? Quatro motivos. Primeiro, porque... vide a descrição acima. Isso é perfeito. Ok. Segundo, porque eu baixei sem expectativas, porque foi um jogo feito em um dia para um amigo secreto - que, infelizmente, não era eu, porque esse é possivelmente o melhor presente de amigo secreto - mas eu realmente me surpreendi com o quão agradável o jogo é. A música de Mana é fofa, os gráficos são 100% adoráveis, e é tudo muito lindo ngh. Algumas pessoas devem saber que eu estou trabalhando em um jogo "sério" e "fofo", então eu achei extremamente inspirador, ... e também meio frustrante perceber que eu simplesmente não consigo fazer algo tão fofo. Esse é o terceiro motivo, mas prossigamos.

O quarto motivo é que ele não tem absolutamente nada a ver com os outros jogos mencionados no post. Dungeoneer, por exemplo, é basicamente o oposto de NJB. Alguém inclusive fez um comentário na página de Dungeoneer, revidando uma crítica ao terror psicológico do jogo, sobre como "se ele fizesse um jogo que fosse o oposto seria ruim" e etc., mas eu acho que isso meio que prova que... não. NJB, apesar de curtíssimo, é divertidinho, a curva de dificuldade é boa - exceto no 10º sonho; Aquilo é realmente passável sem trapacear?? - e não deixa de ser um bom joguinho.

E afinal, como você consegue fazer um jogo tão legal que não tem nada a ver com o seu estilo, Nicolau?

Concluindo, o que eu achei realmente fascinante do trabalho do autor é como cada um desses jogos, apesar de terem obviamente algumas semelhanças - no caso, serem incríveis, ao menos vagamente perturbadores, e conversarem bastante com o jogador - eles são bastante diferentes tanto em termos de conteúdo, quanto apresentação, estilo, jogabilidade, basicamente tudo. E ainda assim são todos muito bons, então posso dizer que virei fã, e recomendo muito todos para quem se interessar! ♡ Ou... quase todos..... é preciso ter um pouco de estômago pra PP e Dungeoneer.

Download de Polymorphous Perversity no GameJolt.


P.S.: Curiosidade - nos comentários desse jogo na página do RPGMaker.net, há um comentário de alguém cujo nickname me soou familiar; e qual não foi minha surpresa ao abrir a página dessa pessoa, e descobrir que é a autora de RE: Alistair++, e que ela faz jogos em RPG Maker? Bem... Já podem prever o próximo tema dessa seção de posts.

2 comentários:

  1. Ah, eu acho que NJB tem a ver com meu estilo sim. É um survival horror com um demônio pelado? Tem sim!
    E que decepção, quando eu vi você postando a tela da zerada, achei que tinha zerado. Eu já consegui passar da décima fase uma vez sem roubar (só pra ver se era possível). Mas fiz isso tentando várias vezes COMEÇANDO DA DÉCIMA, e não do início.
    Não preciso nem dizer que adorei tudo nesse post! E coincidentemente escrevi um monte de reviews dos jogos da MOGA recentemente (inclusive eu fui juiz no concurso do qual I'm Scared of Girls venceu).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!! Que surpresa agradável! :D HAHA é muito bom, então por favor continue fazendo jogos no seu estilo!

      Eu cheguei na última fase sem trapacear, mas desisti porque comecei a me perguntar se era realmente possível. Como foi lançado em tão pouco tempo (...eu devo ter *jogado* por 1 dia pra chegar no 10??) eu pensei que talvez não tivesse sido testado, e aí que eu abri o jogo pra ver se tinha uma cena final. (afinal, COMO alguém ganha daquele último coelho? >:)

      Aww, fico realmente feliz que tenha gostado! Eu vi (...hahah, minhas habilidades..) mas mesmo, isso foi muito legal. Alguns jogos dela são realmente subestimados. Eu pretendo fazer uma de Ghost Suburb II logo, que eu adorei, e é outro que não tem nenhuma...

      Enfim, muito obrigada pelo comentário, e espero conferir mais do seu trabalho. c:

      Excluir