sábado, 21 de dezembro de 2013

Sessão Nostalgia: Anime na TV brasileira. (alternativamente: bolão pra 2014!)

#VoltaCavaleiros #NãoTemTuVaiTuMesmo

Se o post passado foi um tapa-buraco sem-vergonha, eu não sei o que dizer desse. É aquele post com expectativas pro ano que vem. É quase um desabafo. Infelizmente pra todos, esse é o meu blog.
A idéia desse post surgiu de um diálogo que eu tive esses dias com meu "meio-irmãozinho". Ele é um garoto de 11 anos que adora ficar no computador, jogos, brinquedos e desenhos, - meio diferente de 90% dos garotos de 11 anos, na verdade - e é super fofo. Volta e meia eu pergunto o nome de qualquer desenho que está passando e que eu vi no Tumblr, e ele responde sobre o que é. Cultura. Ele também gosta de me zoar... bastante.

Como muitas crianças fofas, ele tem curiosidade pra saber o que as pessoas mais velhas - tipo, eu - tanto fazem quando parecem ocupadas, e eu, quando estou no computador e não estou fazendo trabalho, em geral estou vendo anime ou sites de anime. Esses dias, quando eu falei que estava vendo um desenho chamado "Samurai Flamenco", ele lançou a questão.

"Você gosta bastante de desenhos japoneses, né?"

- É, gosto sim.
- Maluca.
- Por que maluca?
- Porque só japoneses gostam de desenhos japoneses.
Que raios de lógica é essa, garoto norte-americano?
- Ué, não passa desenho japonês na TV, não?
Ele para, pensa um pouco, e retruca.
- Não.
- Não?
- Não, não passa não.
Eu respondi que "passa sim", mas pra falar a verdade, eu não sabia o que ainda passava. Quando ele me pediu pra dar um exemplo, eu tentei "Super Onze ainda passa?" e "Yu-Gi-Oh [GX]?", mas eu realmente não sabia. Eu sabia que tinha algo, mas... hã...
Afinal, passa anime na televisão em 2013?

Tive que ir procurar no Google pra lembrar, ao menos, que passa Pokémon na Cartoon Network. Quando eu disse isso pra ele, ele ficou vagamente confuso e perguntou se "Pokémon é japonês?". Ele não sabia, e pra falar a verdade, eu também não tinha me lembrado de Pokémon, então...

"Pokémon é japonês, sim!"

Um a zero pra ele, e um grande "bem vinda aos anos 2010" na minha cara.

É muito estranho pensar em como crianças brasileiras de hoje meio que não fazem idéia do que sejam desenhos japoneses, sendo que vinte anos atrás - naquela época de "animes na Manchete!1" isso era a coisa mais cool. É mais estranho ainda pensar em quantas pessoas da minha idade - na faixa dos vinte - conversam casualmente sobre anime, e como um filme como Dragon Ball Z: A Batalha dos Deuses pode passar num cinema aqui, - eu juro que fiquei intrigada e me perguntando que criança sabe o que é DBZ em 2013? - mas as crianças não fazem a menor idéia do que seja isso tudo.

 E afinal, por que a geração passada gostava tanto de qualquer porcaria de desenho produzido no Japão? (Vamos combinar que Mirmo Zibang nunca foi uma obra de arte.)




Eu fui então dar uma breve pesquisada no que tem passado de anime na TV nos últimos anos. O que eu descobri foi: nada. Aparentemente, quem se interessa por anime tem consumido mais de empresas como a Netflix, - o que faz sentido, demograficamente falando, na verdade! - e que tem publicado séries legaizinhas, como Bakugan? anime da Marvel? Blood+, e agora, esse Knights of Sidonia (o grande anúncio de uns três dias atrás) que realmente parece ser interessante, mas por que tem tanta bosta nesse catálogo? não sei qual é o alcance efetivo disso. (Leia-se "meu primo de 5 anos passa o dia no Netflix, mas ele só vê Galinha Pintadinha???".)

Foi só então que eu notei o quão "hobby de nicho" anime está virando. Vamos combinar que a culpa disso é muito de ter a fanbase mais cricri e chata de tobos os hobbies de nicho, que vai na Internet pra reclamar da dublagem, da música, da falta de música, da fonte, dos cortes, dos nomes, de tudo, e ainda incentiva loucamente a pirataria - e eu não me excluo disso tudo. Eu achei que esse cenário fosse mudar um pouco com o tempo, como ocorreu nos Estados Unidos, por exemplo, mas pelo jeito não. Continua, e eu não culpo empresa nenhuma pela queda brutal nos investimentos nesse mercado.

Mas não é isso, OK? A culpa é também de só lançarem porcarias. É de atirarem em todos os lados, e não acertarem em lugar nenhum. Não divulguem um lançamento como "anime" e façam um p* trabalho de dublagem se vocês se interessam em vender pra quem já tem interesse, é uma dica. Aliás, eu posso ou não estar pensando em anime-da-Marvel quando escrevo isso. Pense que os adultos, em geral, já viram de graça/não pagariam por algo que não é a obra original, e as crianças... isso nem alcança elas, eu acho. E desenhos da Marvel produzidos no Ocidente sempre fizeram sucesso, então por que não alçança?

Melhor que o Comic Sans do relançamento de SCC.

Outra coisa é que o mercado de mangás já não dá uma única foda pro mercado de anime, e vice-versa. Por falar em Super Onze, por que o mangá (em formato estranho "voltado pra crianças" apesar da distribuição pífia, mas com uma capa deveras atraente pro público, pelo menos!) só saiu depois que o desenho, que já não era grandes coisas de audiência, parou de passar? Por experiência própria, eu acho que quando ambos são lançados simultaneamente, a chance de atrair uma criança aumenta - afinal, quanto mais você vê uma marca, é um sinal de que sua popularidade é maior e portanto é mais legal. É esse tipo de coisa que podia facilmente mudar.

Outra dica é só... comprar menos porcaria. Adquirir coisas com uma fanbase consolidada, que comprariam a despeito de já terem visto a série/filme, é sempre uma boa idéia. Adquirir coisas que ninguém ligou na época que saiu às vezes também é uma boa, já que pode sair mais barato e as pessoas não conhecem do mesmo jeito. (Eu, como caçadora de preciosidades perdidas que sou, ficaria feliz se alguém investisse nisso.)

Eu resolvi, então, fazer uma compilação amigável de coisas que eu gostaria de ver na televisão brasileira em 2014 em termos de anime, que eu acho que seriam sucesso, e também coisas que não prestam. Tremei, canais e Netflix.

(Nota: que por favor ninguém leve isso tão a sério. Pras empresas, vão procurar SnKs da vida... com carinho.)



Animes que deveriam passar na TV brasileira em 2014:
  • Hunter x Hunter (2012)
    Motivo: Melhor shounen de garotinho disponível no mercado; Atrai garotinhos, pessoas velhas e fujoshis (o anime da família brasileira!!); Influências positivas (amizade, companheirismo, Hisoka) 
Campanha Hunter x Hunter (2012) na Band: por um Brasil com mais pedófilos (e matéria pro Datena)
  • Qualquer Pretty Cure
    Motivo: Atrai as menininhas, atrai os pedófilos bronies, quase um MLP oriental, por que não?
  • Chocolate Underground
    Motivo: Ninguém conhece, tem umas 2h de duração no total, tem "chocolate", tem "underground". Prevejo vendas instatâneas.
  • Mobile Suit Gundam 00
    Motivo: Já que tivemos o Wing e o Seed, acho justo o 00 / Robôs ainda são legais / Space opera ainda é legal. (Meu motivo real é que bishounen na tela da minha TV nunca é demais.)

  • Milésima reexibição de Evangelion
    Motivo: A Coca Cola da indústria dos animes / Quem sabe faria a Paris Filmes lançar o 3.33 por aqui??
  • Qualquer anime recente, razoavelmente popular na Internet e bem-divulgado
    Motivo: Considerando que as pessoas hoje em dia (principalmente crianças) ligam mais pra estética (leia-se: cores e roupas originaizinhas, etc) e estética tende a ser um forte de qualquer anime bem-produzido, somado ao fato de que só passa coisa tosca em canais de desenho (e ainda assim eles são o que dão maior audiência), eu tenho essa teoria de que qualquer 1-cour razoavelmente bom que fosse bem-divulgado (tipo, lançamento junto com o mangá!!! Produtos!! etc.) tem potencial pra fazer sucesso. Parece piada, mas é muito sério. E não é sério de um jeito positivo, é sério de um jeito "pqp, o mercado de desenhos vai mal mesmo".
  • Pokémon
    Motivo: Pokémon tem jogo, tem carta, tem bonequinho. Pokémon agrega. Pokémon é sucesso. Parabéns, Cartoon Network.
E é claro, aproveitando o embalo, a lista de animes que não deveriam passar na TV brasileira em 2014 (por favor não re/exibam isso!!):
  • Beyblade
    Motivo: 1) em 2013 já existe Bakugan. 2) pião não dá dinheiro.
  • Remake de Sailor Moon
  • Motivo: Parece uma boa idéia a princípio, com o lançamento do mangá, e toda aquela galera entusiasmada do SOS Sailor Moon apoiando. Mas levando em consideração que 1) Remake de desenho de 10 anos atrás nunca deu dinheiro; 2) As dificuldades na negociação provavelmente seriam loucas; 3) O público alvo desse remake - até no Japão, digo, abertura de Momoiro Clover Z e venda de sutiãs da marca, sério?? - não são exatamente as crianças, mas sim os jovens (daqueles que trabalham e importam produtos), e esse público já teria baixado o remake há muito tempo quando saisse por aqui,... eu não recomendaria. De verdade.
    No mais, quem realmente dá dinheiro é criança, e eu acho *caham* que crianças preferem coisas mais... moderninhas.
  • Qualquer Yu-Gi-Oh
    Motivo: OK, cartas até vendem, mas é feio pra caralho (tem também o fato de que eu não curto).



Enfim, são essas as minhas apostas e reclamações nesse momento de reflexão, fim de ano e tudo o mais. Discutam! Me xinguem! Lancem suas apostas (que não vão se concretizar) pra 2014.

A segunda conclusão do post é que eu preciso converter meu meio-irmãozinho. Recomendações?

Nenhum comentário:

Postar um comentário