quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Samurai Flamenco 10 e 11 - Eu acho que vocês nem estão tentando mais, produtores. (Meta de meta de anime de meta: um post)

 
Naaarm.

Enfim, um post de Samurai Flamenco! Depois de novamente ficar quase duas semanas sem fazer. É, eu meio que parei de resenhar Samumenco... porque... honestamente, eu não estou mais acompanhando a lógica da coisa. Eu não posso falar que lembro de todos os plot points que ficaram em aberto, porque não lembro, nem escrevendo sobre eles semanalmente. É simplesmente muita coisa pra pouca lógica. OK, eu já disse que não é exatamente isso o que eu prezo nessa série, mas...

Vamos a um rápido resumo do que aconteceu e do que não aconteceu nessas duas semanas.

Coisas que não aconteceram:
1) Os monstros não pararam de aparecer.
2) A ONU não chamou suas tropas para combaterem os monstros.
3) A polícia não categorizou King Torture como um inimigo público a ser combatido por forças oficiais.

Coisas que aconteceram:
1) Todo mundo se acostumou rapidamente com a idéia de mosntros aparecendo subitamente na cidade, porque lá é o Japão e invasões de monstros acontecem... eventualmente.... . King Torture, a Raíz de Todo o Mal, foi derrotada pelo Bondoso Samurai Flamenco, mas agora surgiu um inimigo mais forte vindo Do Além. Dessa vez o "Do Além" é com letra maiúscula mesmo. Mas não tememos, pois descobrimos que o Kaname tinha um grupo de Power Rangers em preparação há uma década para combater o novo super-inimigo!

É sério.

O episódio 10 começa com a Mari sendo torturada pelo King Torture (... hahah ...) e tem uma ceninha romantiquinha com a Moe. Achei a cena um pouco cruel, na verdade, por explicitar como a Mari não passa muito de uma garotinha, apesar de todo o show que ela faz. Aliás, nesse sentido, ela não é muito diferente do que era o Samurai Flamenco antes do surto de desenvolvimento do personagem. Era. Agora, ela fica meio deslocada no meio de um "elenco de heróis" - à exceção do Kaname?? - e talvez explique por que ela nem apareceu no episódio 11. Substituições? Talvez.


Enfim, o Samurai Flamenco chega, e salva a Mari e a Moe daquela situação, e temos então o showdown Samumenco x King Torture, ao mesmo tempo em que descobrimos o plano de fundo do vilão. Ele também era uma criança que gostava de tokusatsu, mas, conforme cresceu, acabou preferindo os vilões - como muitos de nós, a propósito. A questão que ele coloca para Samumenco é a seguinte: da mesma forma que você não tem motivos para "lutar pelo bem", eu não tenho motivos para "lutar pelo mal", e apenas o faço; Nossos motivos são igualmente arbitrários, então, o que nos torna tão diferentes? Eu ainda não digeri o suficiente isso pra opinar se é uma questão interessante colocada em um contexto único, ou só uma dialética pretensiosa.

 

Pessoas assistem toda a festa da luta entre os dois, até o momento em que o King Torture diz que a única chance que o Samumenco tem de escapar da morte é se tornando um dos seus ciborgues. Com o seu discurso anti-Mal, é claro que o Samumenco acaba desferindo um golpe fatal no King Torture, com a ajuda do Goto. É nesse momento que o episódio 10 escala o nível de "WTF?" da série, com King Torture simplesmente se levantando após o golpe e explicando algo sobre um chamado "Projeto GKT". Ele teria espalhado "tortucells" (que?) pela cidade, através dos seus ciborgues, e pressionando um botão, acionaria um movimento que faria todas essas células se reunirem através de foguetinhos, blablabla, jargão técnico...

  

Foi por aí que eu simplesmente desisti, peguei a pipoca, e comecei a ver onde isso vai dar. Obviamente tentar entender não ia me levar a lugar nenhum. O Goto saiu por aí, como um bom policial, tentando parar os foguetes, a Mari cantou enquanto o mundo acabava a Terra virava o "Planeta Torture" no melhor estilo Macross, e no fim do episódio, após a óbvia vitória do Bem, Mazayoshi faz uma revelação pública de que ele é o Samurai Flamenco.

Well, shit.

E assim termina o episódio 10 - na verdade, termina mais especificamente com o Mazayoshi tremendo na base de medo da reação da sua agente Ishihara. É bonitinho, mas aí no próximo episódio as coisas... pioram, com toda a história de como o King Torture era só a ponta do Iceberg, e o próximo inimigo é From Beyond. O Kaname meio que sequestra o Mazayoshi, e o leva para uma... base aérea, onde ele explica isso e o apresenta aos novos personagens, que estão há anos em preparação para combaterem ~o inimigo~.



E aí somos apresentados a mais um monte de personagens (bonitos) (bishounen!!) que nunca vimos antes, o que poderia marcar a segunda parte do anime, mas na verdade não tem um clima de que está marcando... nada. A cena de apresentação é hilária (todos se apresentam como o Ranger Flamenger vermelho), eu ri bastante. Eu acho que esse foi um dos poucos momentos que realmente me fizeram rir, em episódios recentes. Pra um anime que se propõe a parodiar clichês, acho que isso não é algo bom.


Enfim, eu acho que é esse o grande problema, na verdade. Samurai Flamenco não parece ter decidido muito bem se quer parodiar os clichês ou apenas homenageá-los. O tom geral é de comédia, mas tem gorilas-guilhotina. Monstros surgem do nada. Eu não sei. É confuso. Na verdade, eu sinto que só posso falar com propriedade da impressão que eu estou tendo, como uma espectadora, e uma pessoa que não acompanha realmente as temporadas de anime há muito tempo ... tem muitas referências, por exemplo, que me dão a impressão de que "eu definitivamente já vi isso", mas não sei dizer exatamente onde, etc. Então, a sensação pra mim é um pouco de nostalgia. Ao mesmo tempo em que é divertido acompanhar, e eu não faço a mínima de onde isso vai dar, (e pra falar a verdade, não acho que vá me surpreender com mais nada vindo de Samumenco exceto se Goto/Mazayoshi virar canon) as resenhas parecem um pouco sem propósito, justamente porque eu não sei o que falar.



Daí que eu comecei a me perguntar se sou mesmo a única pessoa pouco genre-savvy que não estava sacando o feeling que o anime deveria ter, mas uma rápida busca no Anime Nano me mostrou que não, todo mundo está vendo sem entender bosta nenhuma, a maioria sem ter o que comentar (e em geral só vendo pra reclamar). Delícia.

O grande ponto de Samurai Flamenco pode ser resumido na seguinte imagem mental: todo mundo está em uma sala, alegremente tomando chá e comentando a série, sem grandes excitações; De repente, um gorila quebra a janela, invade a sala, alguns fogem, outros ficam olhando enquanto o gorila se senta junto ao grupo, desastrosamente pega também uma xícara de chá, e todos continuam o que estavam fazendo sem realmente entender nada. Ainda é uma sala de chá, mas tem coisas quebradas, algumas pessoas a menos, e um gorila que pode a qualquer momento comer o cu de todos os presentes. A pergunta que fica é: quem da produção de Samumenco é o gorila...?



A propósito, esse vilão-da-semana teve um design hilário, apesar de clichê. Simpático, mas...

Não sei. Minhas expectativas para agora estão realmente baixas, considerando que temos pelo menos mais três vilões no mesmo estilo pela frente. Também não são baixas as chances de derrotarem todos esses vilões na semana seguinte - quer dizer, daqui a duas semanas, que é quando a série volta, - e também não são baixas as chances de alguns vilões simplesmente sumirem, mas em qualquer uma das possibilidades, eu não vejo muito futuro. Realmente não tenho muitas expectativas, e não sei nem se quero continuar nessa sala com um clima tão pesado no ar. Estou confusa, apenas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário