terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Mangá: Torikagosou no Kyou mo Nemutai Juunintachi


Bem... eu normalmente não resenho os mangás que eu leio. Volta e meia me dá vontade de ler mangás curtos, mas eu não costumo postar aqui sobre eles, mesmo quando eu gosto do que li. Mas esse, em especial, eu achei que valia a pena postar aqui pela divulgação. Eu o conheci há cerca de 4 anos, mas na época ainda não tinham traduzido inteiro.

Chama-se Torikagosou no Kyou mo Nemutai Juunintachi, traduzido em inglês pelo grupo Turtle Paradise - cuja edição, ao menos, é ótima, devo dizer! - como "The Sleepy Residents of Birdcage Manor".

É um mangá de 21 capítulos compilados em 3 volumes, com roteiro adaptado de um romance japonês de mesmo nome, e ilustrações pela Rihito Takarai, mais conhecida pelo seu trabalho em Seven Days.

Ao contrário deste, porém, eu diria que é nesse mangá que ela realmente mostra o seu dom artístico. Eu preciso dizer que gosto demais do trabalho dela, e sempre leio opiniões muito polarizadas sobre ele; Em geral, ou as pessoas odeiam o traço, ou o amam. Eu considero isso um bom sinal; O estilo dela é bem distinto e ela toma várias liberdades artísticas, mas dá pra perceber que ela é muito cautelosa e cada painel é rico em detalhes; Sem contar as cores que ela usa - o colorido das ilustrações desse mangá é simplesmente soberbo. Enfim, parei de puxar saco, porque né.


O mangá foi serializado na revista Sylph, de 2007 a 2010, uma das grandes revistas de shoujo da atualidade, que publicou, entre outros, os mangás de Hakuouki, Uta no Prince-sama e Arcana Famiglia. Apesar disso, eu diria que a sua história é um pouco mais madura, e poderia facilmente ser adaptada pra um josei, por exemplo.

Por que? A começar, pela profundidade dos personagens. Os três personagens principais - e alguns outros também, como a Minako e a Sachi, por exemplo - são bem-desenvolvidos e bem originais, tem planos de fundo, segredos, e são realmente cativantes por todas as suas manias e trejeitos. Como não se encantar pelo jeito estourado da Kizuna, ou a visão de mundo do Yuusei? Apesar de ser um mangá bem curto, eles conseguiram criar personagens únicos, e acho que isso já é muito bom.


Para além disso, a história é empolgante. Ela se divide em arcos, cada um com um nome diferente, com 3~4 capítulos cada. A história desses arcos meio que se emendam umas nas outras, e a leitura acaba sendo muito leve. A única crítica que eu tenho a fazer quanto a isso é que o último arco, na minha opinião, foi o mais entediante. Talvez porque me ship não rolou, mas acho que nessa de darem um desfecho pra todo mundo, acabou ficando um pouco... vazio.

Enfim, a história. Ela gira em torno de três moradores do Hotel Williams Child Bird, o tal "Birdcage Manor" - Kizuna, Yuusei e Yuki. Yuusei é um artista que precisa de uma modelo para pintar; Yuki acaba se interessando pela aparência da "delinquente" Kizuna e a apresentando para seu primo Yuusei. A história se desenrola durante um ano em que eles trabalham juntos.

Na história também surgem temas mais maduros, desde o enjou-kosai que a Kizuna pratica logo no primeiro capítulo, passando por situações dramáticas, suicídios, transtornos mentais e etc. e por essa razão, eu acho que a história podia ser facilmente adaptada pra um josei.

Mas não foi. E o que temos, no final, não é ruim - é uma leitura leve, com um tom artístico delicioso - pra entender o que eu quero dizer com "tom artístico delicioso", pense um Honey & Clover mais shoujo - e muito adorável. Eu curti bastante, e recomendo a leitura pra quem gosta de qualquer tipo de shoujo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário