domingo, 10 de novembro de 2013

Samurai Flamenco 4 e 5 - A lenda da Flamenco Girl.


Melhor que o remake de Sailor Moon.

Então, semana passada não teve resenha. Não porque o episódio tenha sido ruim;  Na verdade, muito pelo contrário, a Mari é a nova diva desse blog aqui e foi um episódio até bem legal. Foi só falta de tempo (tradução: vergonha na cara), mesmo.

Isso, e um outro pequeno motivo. Posso reclamar? A animação está cada vez mais QUALITY. Sério, o que foi aquela animação nos últimos episódios?... As cenas de ação aparentemente esgotam o pouco dinheiro que eles já tem pra produzir a animação. Não sei o que o pessoal tem achado, mas sou da opinião de que, se não dá pra sustentar uma série de ação, pelo menos que tente fazer algo mais criativo que um soco de 3 frames. Porque soco de 3 frames não dá.

Do tipo: É uma boa cena; Mas, porra, animadores.


No mais, eu realmente não tenho o que reclamar de Samurai Flamenco. Diferentemente de muita gente, eu tolero produções medianas. Estou adorando a história, os personagens bobos, e até as músicas bregas, mas essa animação não é so bad it's good. É só ruim, mesmo.

Fim das reclamações, posso falar agora das coisas legais, tais como a Flamenco Girl. A Flamenco Girl é essa girl magia aqui:


... Que foi a personagem de destaque nos dois últimos episódios. Do que já sabemos, ela é na realidade uma idol bipolar que pega a amiguinha, e nas horas vagas coleciona figures de garotas mágicas, veste-se como uma garota mágica e vai atrás deles; Salva (er, ou zoa completamente, enfim) o Samurai Flamenco, e pisa no saco de ladrões, como, hã, toda boa garota mágica...?

É sério. É esse o ataque especial dela. É o finishing dela.


Flamenco Girl dando o seu ataque especial pra uma legião de espectadores.

Dá pra ser mais feminazi no meu Samurai Flamenco? Não sei. Mas o importante é que ela é uma garota realmente interessante, que acaba salvando nosso protagonista de uma enrascada, e eles chegam a conclusão de que são "iguais" - ou igualmente surtados, pelo menos - e que por isso devem trabalhar juntos, como a dupla Samurai Flamenco e Flamenco Girl. O twist, aí, é que a Flamenco Girl - também conhecida como Mari, aquela idol do episódio 2 - não é aquela mahou shoujo kawaii desu toda, e quer comandar o Hazama, o que só deixa ele mais deprimido, como se a vida já não estivesse chata o bastante.

Qualquer referência a Sengoku Basara pode ou não ser mera coincidência.

Explicando: Sob a tutela de Kaname, e com a sua ajuda, Hazama decidira ir "espalhar justiça" em diversos distritos. Ou era essa a idéia inicial, ao menos, mas as pessoas começam a se aglomerar em volta do novo ídolo pop, identificando-se como fãs e tudo o mais, pedindo autógrafos, e quando ele finalmente tem a chance de fazer algo heroico, acaba sendo tomado como refém por uma dupla de ladrões.
Esse é alguém, esse é Hazama.

E é aí que surge a Flamenco Girl, pra salvar o dia, e pra além disso, ganhar fama nas costas do Samurai Flamenco, destroçando temporariamente seus planos de espalhar justiça, amor e coisas bonitas.


(Disputa de popularidade x comparação obrigatória com Tiger & Bunny da semana)

E no outro núcleo, as coisas também não vão muito bem, já que Goro tem dispensado sua namorada freqüentemente pra acompanhar as loucuras do Hazama. Eventualmente, a namorada se cansa. E assim a vida vai mal pra Goro e Hazama, enquanto as celebridades pulam no bandwagon do Samurai Flamenco. Hazama tenta se adaptar a esse cenário fazendo cenas vestido de herói (como figurante de algum filme? Não me lembro. Profissionalmente falando.), mas chega a conclusão de que o negócio dele é mesmo salvar pessoas de verdade. Coisa que ele não tem feito... há um bom tempo.


No episódio seguinte, então, Hazama começa a refletir sobre heróis, e conclui que, nem na realidade, nem na ficção, eles são aquilo tudo que ele pensara. Ele desistiu do Samurai Flamenco, dos seus sonhos, e das coisas bonitas.
E é aí que ele recebe, pro seu aniversário de 20 anos, um presente ex-machina do seu avô, o falecido criador do Samurai Flamenco. Este explica, em uma carta póstuma, que criou o Samurai Flamenco porque era o que ele queria que Hazama se tornasse - um homem leal, justo e contente. E pergunta para Hazama - como você está hoje? Quem você é?

Esse momento é realmente bonitinho, e nos lembra de quem o Hazama realmente é. E que ele pode ser bobo, pode ser tosco, pode ser um tokufan, mas ele é de fato bom e justo. E, no fim das contas, era isso que mais importava.

Melhor que Power Rangers!!

O Poder do Amor é tão eficaz que não só faz Hazama voltar a ser Samurai Flamenco, desbancando a Flamenco Girl - em uma "cena no telhado" muito bonitinha, a propósito! - como também acaba fazendo-a aliar-se às outras garotas do MMM e formar as Flamenco Girls. Então, agora, temos pelo menos quatro malucos soltos pela cidade espalhando justiça na forma de violência arbitrária.
Olhando por essa perspectiva, isso é hilário. Conhecendo os personagens, e o nível de sanidade mental deles, ... isso no mínimo rende uma matéria pro Datena, porque né.



E foi isso, esses dois últimos episódios. Resumindo: Senti que a sanidade mental e a coerência passaram longe, dando lugar a sequências de transformação de celebridades enlouquecidas, enquanto uma multidão de espectadores pira e o Goro continua levando uma vida chata.
O que é bastante engraçado - ou pelo menos irônico - na verdade. Parabéns, conseguiu subverter minha impressão inicial.

Só não faço a menor de idéia da direção em que a história está indo. Ok, metade da série - quase? - e podemos dizer que agora Samurai Flamenco é quase um herói de verdade, com um motivo digno para existir, aliados, e... só não inimigos? Pra falar a verdade, fico as vezes com a sensação de que eles estão tentando demais ser T&B, com as críticas e o estilo de comédia e a animação decadente e o vago apelo otaku, mas mesmo que não faça muito sentido, pelo menos está divertidinho.

Continuo assistindo, esperando um ápice que talvez não tenha, ou pelo menos a trilha sonora em torrent, já que as músicas estão muito boas.

2 comentários:

  1. Eae , bom post apesar de esta gostando muito de Samenco não tenho muito o que dizer sobre ele.

    Posso so ficar pensando no quanto a justiça feita com os próprias mãos é mais eficiente do que a burocrática da lei porem isso é relativo por que o que eu acho justiça pode não ser para outra pessoa .

    Acho que o Hazama começou bem tentando mudar a sociedade pela base do problema so que agora ele é mais um cara fantasiado que espanca marginais na rua ala Batman , isso é legal pode resolver o problema no momento , mas não é eficiente a longo prazo. Espero que ele volte para as origens ...quando se luta contra pessoas destruía suas mentes, não seus corpos(biscoitinho da sorte essa) :D

    Samurai Flamenco é o Kickass enquanto a Samuria Girl é o Batman 0,0

    Obrigado estava precisando de um palco e encontrei seu post ate a próxima o/

    By:Geovane;Link

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... é o princípio Light (Death Note) de justiça, né? Como se a justiça não fosse relativa. Pessoalmente, acho que Samumenco não tem muito a ver com noções de justiça em si. A noção de justiça do Hazama de fato é bem simples (ou até ingênua), mas ele tem sido eficiente em suas ações, sim. Mas acho que o Samurai Flamenco voltou a ser menos um idol e mais um herói, graças ao presente do avô no 5. O cenário mudou um pouco no episódio 6, eu acho (que por sinal eu ainda tenho que resenhar).
      Obrigada pela visita e o comentário! :)

      Excluir