segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Sessão Nostalgia: Sailor Moon


Pensando em idéias pra post, - como se eu já não tivesse mais ou menos meia dúzia de rascunhos pendentes, e mais umas 20 idéias de posts a serem feitos, - eu resolvi abrir uma Sessão Nostalgia aqui, inspirada nessa vibe que Pokémon Origins me deixou. Só porque é bom reviver os momentos felizes, agora com um ar todo bonito de "anos se passaram e só me lembro da parte boa". Nada como nostalgia glasses!

Esse post é em comemoração ao aniversário de 20 anos de Sailor Moon, que aconteceu há uns 2 anos atrás, hã, enfim. Ou talvez seja em comemoração ao anime novo, que se trata de um remake planejado para estrear em Janeiro do ano que vem através de streaming pelo Nico Nico Douga. O que é meio bizarro. Com música do Momoiro Clover Z, o que é mais bizarro, se não simplesmente ruim. Ou talvez seja apenas em comemoração ao meu aniversário, já que eu literalmente cresci sob a influência de Sailor Moon, essa porcaria obra de arte da animação japonesa que me puxou pra vida l0k4.


/人◕ ‿‿ ◕人\?


Sailor Moon. Ah, Sailor Moon. Lembram de Sailor Moon Classic? Ok, eu não lembro, mas muita gente das antigas sim. Eu lembro, no máximo, de alguns episódios que assisti há poucos anos. Foi legal, mas não é a mesma coisa que assistir na Manchete, com a famosa-e-venerada dublagem da Gota Mágica. Aliás, quem lembra da época do Morte-à-BKS? Era a mesma época do Morte-à-JBC, que não publicava o mangá de Sailor Moon. Que, aliás, finalmente vai publicar o mangá de Sailor Moon, a JBC!... com uns 10 anos de atraso, ou mais.

Enfim, antes que eu me afogue num mar de reminiscências, Sailor Moon Classic. Uma história de amor, de aventura e de magia, que derramou rios de lágrimas no fatídico episódio 45, pelo que ouço dizer. Nessa época, lá pra 1996 ou '97, eu mesma ainda não conhecia Sailor Moon. No exterior, porém, Sailor Moon já tinha se tornado um sucesso. Um desenho sobre uma garota retardada com poderes mágicos, suas amigas, criança chata, lésbicas, um Amor Pra Toda A Vida mais imponente que príncipe da Disney, e algumas mortes aqui e ali? (Spoilers: todos morrem.)
Um desenho saudável.
Como curiosidade, Tadano Kazuko, desenhista de personagens da série, informou que ao final da primeira fase (Sailor Moon) milhares de mães japonesas ligaram para os estúdios querendo saber se haveria continuações, preocupadas com suas filhas que não mais se alimentavam corretamente. [fonte]


Mais poderoso que o Porygon da Epilepsia
(sim, geração Ben 10, houve uma época em que desenhos animados eram coisa séria.)

Eu me tornei uma dessas meninas desesperadas num belo dia, quando conheci o jogo de Sailor Moon. (Pasmem, eu conheci o jogo antes do anime, porque sempre fui hipster.) O fanatismo veio com o anúncio do desenho na Cartoon Network. Eu era um tiquinho de gente, só grande o bastante pra sair importunando meus pais gritando "vai ter um desenho de Sailor Moon!!". Yay.
Sailor Moon R (leia-se a segunda temporada) estreou na Cartoon Network no dia 01/11/2000, levando uma legião de garotas pro mau caminho. Nota da autora do post: o perigoso caminho dos kawaiis não tem volta. Não me avisaram, porém, e eu lá fiquei.

O começo dos anos 2000 era uma época sombria. Não existiam filtros do Google; Você procurava coisas de Sailor Moon na Internet, era obrigado a navegar por todos aqueles sites hospedados em HPG-Bol-Geocities da vida, (sdds Eternal Sailors, Angel Moon Page, Sailor Moon Zone, Sailor Moon The Best, Sailor Moon Page, Sailor Moon a PQP - um nome que eu inventei agora, mas provavelmente também existia) todos eles com gifs animados capazes de travar qualquer conexão banda larga potente de 50kbps, e acabava caindo em Kiss Dolls hentai. Eventualmente até achava coisa aproveitável, como Fanfic de self-insert da Usagui (sic) e VSQEASMD+Q. (quem lembra??? ... Legal, pode se matar agora.)

#dead #numguento #sohlixo #partiuNapster

De qualquer forma, Sailor Moon e seus subprodutos (subproduto) (subproduto!!), juntamente com Sakura Card Captors, e posteriormente Inuyasha e afins, mobilizaram - por bem ou por mal - toda uma geração de garotinhas que esperavam viver grandes aventuras com suas amigas e encontrar um grande amor. Ou não.

Pessoalmente, eu sempre fui mais fã da última temporada, Sailor Stars. Uma porque era um pouco mais realista - namorado babaca vai viajar sozinho, amigas ficam enchendo o saco porque você arrumou um cara popular mais interessante que todos eles, e nada disso vem sem mais uma criancinha chata no pacote.


?? /人◕ ‿‿ ◕人\?? (leia-se "se fudeu")

Outra porque as vilãs eram as mais originais. Depois da Black Lady, quiçá da Mistress 9 e da Nehelenia, as Animamates são possivelmente minhas vilãs favoritas da série. Quer dizer, uma delas é uma periguete chamada Sailor Heavy Metal Papillon; Vamos admitir que pelo menos a Naoko estava inspirada pra criar character designs naquela época. E as aparições delas eram interessantemente inúteis. (acho que na quinta temporada eles já estavam bem experientes em elaborar fillers pra se adequar ao mangá e todos os padrões de exibição.)

E por último e não menos importante, porque o interesse romântico vem de uma outra galáxia em missão especial, tem uma banda, é digno de uma sequência de transformação - que não é só uma cartola girando -  com música legal (Eu juro que esse desenho era tão sexualmente deturpado que criança nenhuma ficava minimamente impressionada com essa seqüência. Tipo... ok... homem, mulher, tudo normal... certo?) e muito mais interessante do que um cara que atira flores. Breve contextualização: num genial golpe da equipe do anime de "esqueça o poder do amor imortal, enviamos gatinhos de outra galáxia e é o que tem pra hoje", as Sailors Starlights - umas personagens meia-boca no canon do mangá - passaram a ser homens e a terem interesses amorosos entre as Sailors principais, de alguma forma preenchendo o vazio deixado por... hã... todos os amores imortais delas, que já tinham morrido, desaparecido, ou viajado pros Estados Unidos.
Assim sendo, os três se tornaram personagens importantes e queridos no fandom, e ninguém mais ligou pro canon.

Infelizmente, todo esse arco a que me refiro não vai estar no novo anime de Sailor Moon, porque mesmo que o anime novo chegue lá - o que é bem provável - deve seguir a história do mangá - no qual todo mundo continua igualmente PNC, as vilãs são meramente uma ralé que resolveu se juntar ao ~*Mal*~ por serem revoltadas, e as Sailors Starlights são mulheres e a Naoko pouco se fode pra elas.


Perdemos, galera. :(

Levando isso em conta, eu realmente não ligo tanto pra esse remake quanto deveria como fã enlouquecida de Sailor Moon que fui. Uma porque toda aquela galerinha excessivamente saudosa do SOS Sailor Moon e afins conseguiu fazer meu amor por Sailor Moon decair ao longo dos anos. Outra, porque se nem o remake de Hunter x Hunter - que eu considero bom - eu aguentei ver, imagina Sailor Moon, que, em retrospectiva, ... eu penso que era um pouco idiota. Podem me linchar agora, mas a história toda era literalmente sobre garotas pouco especiais de 14 anos - exceto, hã, pelo fato de que elas tinham superpoderes - e seus loucos, intensos, imortais romances. Tudo se resumia no "poder do amor na luta contra o bem e o mal". Nisso, e cabelos bizarros.


Cabelos!!

Tudo bem, a execução tinha lá seus pontos fortes (devia ter) (não lembro bem de quais) (10 minutos depois: alguns fins de arco tinham momentos muito bons - sei lá, eu me lembro de todos os finais de temporada - alguns fillers eram divertidos!), mas eu não era digna de zoar leitoras da Capricho, não.

Enfim, hã, esse foi o meu post de aceitação de linchamento público. Me disponho a apagar tudo isso e a pedir desculpas publicamente, se o anime incluir as Sailors Starlights como homens em respeito a essa geração de menininhas que se estapeava pelo cartãozinho do fã clube do Seiya Kou.
Isso, ou se fizerem especiais yaoi com os Shitennou e o príncipe Endymion. Deixo no ar!

~

Nenhum comentário:

Postar um comentário