segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Samurai Flamenco 2 - O problema do Japão são os guarda-chuvas.


Esse post começa com idols 2D num clipe com pirulitos porque eu posso. Aquele abraço.

Porque enquanto aqui uma multidão se junta na Internet para ir às ruas denunciando problemas de educação, saúde, infraestrutura e corrupção, no Japão pessoas colocam redinhas para que sacos de lixo não sejam rasgados, e o maior problema a ser combatido, segundo nosso herói independente que vai às ruas, são os ladrões de guarda-chuva.

Aliás, nosso justo e heróico protagonista é um criminoso. (!)



Brincadeiras a parte, - não, não tô falando sério a respeito do PON PON NIPPON, ok? - esse episódio foi o cúmulo do SJW pro nosso colega herói. A sua missão, dessa vez, envolvia combater os ladrões de guardas-chuvas. No Japão, quando chove, as pessoas deixam seus guarda-chuvas na entrada de estabelecimentos, em compartimentos próprios para isso. Funciona que nem aqui, exceto que eles não ficam ocupando espaço abertos na porta. Enfim, é comum que, por conta disso, guardas-chuvas sejam roubados pelas pessoas que não trouxeram os seus guarda-chuvas.


Samurai Flamenco não é um monster of the week, já percebemos; Mas pode acabar sendo um "mission of the week", e eu tenho sim um pouco de medo disso. Exceto se isso, de alguma forma, for mostrar o desenvolvimento da sua identidade como Samurai Flamenco - por exemplo, como ele fica famoso, até ele eventualmente revelar sua identidade, ou não, sei lá. Resumindo, se eles fizerem algo com isso, talvez não seja tão ruim. Ou talvez eu só esteja sendo negativa... né?

O episódio começa com a seguinte cena: Samurai Flamenco abordando uma senhora por colocar os sacos de lixo na rua antes da meia noite. A senhora fica bastante impressionada com o ocorrido (leia-se: chateada em ser abordada por um maluco), e acaba fazendo uma reclamação na polícia, que seu colega, Goto, ouve. Goto faz uma visita à casa de Hazama, e quando está lá, a empresária de Hazama, Ishihara, faz uma visita, forçando Goto a ir embora.


Descobrimos que Hazama é absolutamente aterrorizado por sua empresária - que, aparentemente, parece ter algum interesse romântico nele, em alguns momentos. Ela é uma mulher enérgica, e parece ser a principal - se não a única - responsável pelo seu sucesso. Hazama é convocado para (ou forçado a) fazer uma performance com uma girl band chamada MMM, ou "Mineral Miracle Muse" (pontos pela fidelidade no nível de idiotice e Engrish no nome). Chegando lá, ele fica nervoso, se envergonha na frente de todos, e o jeito que ele arruma para fazer esse trabalho é fazê-lo mentalizando a música do seu herói Red Axe.

Essa cena é cômica, porque é uma coisa realmente compreensível pra todos de nós que sofremos com timidez, incapacidade e fangirl/boyismo. Terminando a encenação, aliviado, Hazama acaba cantando baixinho a música do Red Axe, e isso faz com que a idol Mari o pegue pelo braço subitamente, olhando-o de um jeito voraz:

Contrato? Red Axe? 

...num momento constrangedor pra ambas as partes. Logo depois, Mari volta a ser moe desu, e gravam o comercial como se nada de estranho tivesse se passado ali. O Hazama também é meio tonto, então aparentemente nada acontece, pelo menos para nós (ou para ele).

Depois da gravação, Goto e Hazama marcam um encontro num restaurante pra discutir a relação. Não, sério. Goto tenta basicamente dar uma lição de moral no nosso herói, explicando o quanto ele tem trazido problemas para a polícia, questionando por que raios ele tem essa mania de defender as regras, e finalmente pergunta se o Hazama nunca cometeu uma infração, o que o leva a um desabafo dramático (insira música de flashback!) sobre como na primeira-terceira-não-sei-série ele roubou o guarda-chuva em um dia chuvoso, e seu colega de classe pegou gripe por causa disso, e portanto roubo de guarda-chuva é coisa séria.


Ok, esse momento foi forçado. Ou uma piada forçada, ou um trauma forçado pra servir de justificativa pro Hazama, eu não sei. De qualquer forma, é isso que eles conversam durante o jantar quase-romântico. Goto bebe um monte, dorme alcoolizado, e é puxado pelo Hazama. Está chovendo; Goto tinha levado o guarda-chuva da sua "namorada", - que até então nunca vimos, nem sabemos se realmente existe - com um strap no cabo. Deveria estar lá, então, certo? Hazama procura, e... nada.

Como foram um dos últimos a sairem, provavelmente tinham roubado o guarda-chuva de Goto.
E aí ele entende por um momento a revolta de Hazama.

Mas é claro que, com um super herói como Samurai Flamenco na sua lista de contatos, problemas como roubos de guarda-chuva - pfft - não são problemas.

Yaranaika?

Hazama revela a roupa de Samurai Flamenco por baixo da roupa normal - wtf, sério?! - e se oferece para ir atrás do guarda-chuva. E ele literalmente faz isso, correndo embaixo de chuva e tudo mais, pra caçar um desconhecido que deveria estar usando um guarda-chuva com strap.
E, pasmem, depois de muita correria ele acha esse desconhecido. E o aborda, praticamente roubando o guarda-chuva dele - sabe aquela coisa de ladrão que rouba ladrão? - e o desconhecido, por sua vez, reclama, já que também roubaram o guarda-chuva que era dele, e como ele vai fazer para ir para casa agora?!
Samurai Flamenco reconhece que isso é um problema. E a solução que ele encontra? Claro, ir atrás do guarda-chuva do pobre homem.


Isso é tão paradoxal que ele vai mais uma vez parar no NND. Parabéns, Samurai Flamenco.

Esse episódio, penso eu, realmente deu o tom a Samurai Flamenco, e é um tom que pessoalmente me agrada. Não, não é um monster of the week, thank God, podemos respirar agora. Não foi um episódio incrível; Mas foi leve, rápido, teve uma ou duas cenas mais marcantes, trouxe algumas risadas. O humor chega a ser pastelão em alguns momentos - por exemplo, o drama que o Hazama faz em cima do seu trauma de infância do guarda-chuva é muito excessivo, e eu sinto que isso em algum nível prejudica a caracterização.

E advinhem quem virou fangirl do Hazama, e deve ser a primeira a saber que ele é Samurai Flamenco? A idol Mari, é claro.

Mas o que sei é que, no fim do episódio, Samurai Flamenco tinha me deixado uma boa impressão. Fosse pela comédia bobinha, os tons levinhos ou o encerramento feliz. Samurai Flamenco tem aquele jeito de "anime moderno do noitaminA" - uma proposta legal com um nada de profundidade. Não digo isso como uma coisa ruim, muito pelo contrário; Sou grande fã de animes como Kuragehime e Tsuritama, que, apesar de não resistirem realmente ao tempo na cabeça de muitos dos espectadores, conseguiram me manter de bom humor por um trimestre ou dois com um clima geral de "alegria e simplicidade".

Então, por hora, acho que é essa a minha aposta pra Samurai Flamenco. Algo num nível "ordinário, mas uma gracinha".

2 comentários:

  1. Tenho que começar a assistir ele, meus amigos todos estão comentando, mas como tempo e coisa que some de vez em quando... kkkk!
    Excelente post.
    Abraço.
    Diego||Sendo um Otaku||

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha eu sei como é!! Se eu fosse listar o tanto de coisa que os meus amigos assistiram e eu não assisti por falta de tempo (e talvez um pouco de vergonha na cara).. :V
      Muito obrigada! o/

      Excluir