quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Moda Japonesa & Fairy Kei: Parte 1 - Introdução (+ anúncios gerais!)

Essa foto no topo significa que esse é um post sobre viadagens. Ou, moda japonesa.

Lembram do essay do Inglês que eu disse que estava escrevendo sobre Fairy Kei? Eu finalmente terminei de escrever, e decidi disponibilizar aqui conforme prometido! (haha.. ha.) 16 páginas de moda japonesa, coisas fofinhas-pseudo-infantis e definições de termos weeaboos japoneses, de enjou-kosai a Aomoji Kei.
Pensei então em postar a tradução do trabalho em posts diferentes, só pra não deixar de falar de moda japonesa por aqui. Só porque ainda faltava viadagem nesse blog.
Pra quem souber ou preferir ler em inglês, e sem ter que esperar cada post com a tradução, achei uma boa disponibilizar também o essay, então segue o link pra download.


Espero que gostem dessa série de posts!

Ah, aproveitando pra creditar as imagens; Eu participei de um concurso do blog Once Upon a Time, e um dos prêmios eram imagens bonitinhas de um tema escolhido ♥, então agradeço desde já à Flávia Kuran por todas as imagens contidas nesse post! ( ´ ▽ ` )ノ (traduzindo: se quiserem fontes... é... eu não sei.)

Clique em "Continue lendo..." para uma tradução não-literal da primeira parte do trabalho, que consiste em uma breve introdução a moda japonesa em geral.
Mais uma nota: eu coloquei um (!) nas partes onde eu incluí recomendações que não estavam no texto original, de documentários, mangás e afins, então pra quem tem interesse nesses assuntos vale a pena dar uma olhada.

Moda Japonesa: Fairy Kei
Parte 1 - Introdução ★ Parte 2 - Aspectos visuais ⇨


 

Introdução

O termo “Fairy Kei” deriva das palavras Fairy, – que significa “fada” em inglês – e Kei – 系, do japonês “estilo”. Este termo serve para designar um dos muitos estilos de Street Fashion (“moda de rua”) japonesa que podem ser encontrados em Harajuku.
Harajuku (原宿) se localiza no distrito de Shibuya, em Tóquio, no Japão, e é um local conhecido mundialmente por sua Street Fashion extravagante. Se popularizou no ocidente com a divulgação de celebridades como a cantora e atriz Gwen Stefani, e no Brasil, Serginho Groisman, com o seu programa de TV Altas Horas; Sem falar em comunidades online, onde fãs de todo o mundo desses estilos se encontram para conversar, comprar e vender roupas, etc.
Inicio essa série de posts com uma visão geral de alguns dos estilos de moda japonesa mais populares, e mais tarde vou me aprofundar no estilo denominado Fairy Kei, que atualmente é um dos estilos mais populares em comunidades de fãs de moda japonesa de todo o mundo.

Visão geral do cenário de moda japonesa no contemporâneo

Os estilos de moda japoneses atuais são reconhecidos pelo seu fator “kawaii” (かわいい; Derivado de “kawaisa” - 可愛さ, que significa “fofura” ou “amabilidade”). O termo “kawaii” pode ser compreendido como uma espécie de fenômeno cultural no Japão, onde, na segunda metade do século XX, o ideal de beleza importo pela cultura japonesa tradicional – aquele da bijin de longos cabelos negros – começou a abrir espaço para um ideal de fofura.
Algumas razões para isso foram a indústria moderna ocidentalizada, que se fez avançar lançando diversos produtos voltados para o publico feminino jovem – tais como produtos dos personagens da Sanrio, revistas, entre outros; A popularização das idols de música, que encorajaram a geração de mulheres jovens a imitá-las; E há ainda uma teoria sociológica diz que isto tem a ver com o crescimento de uma geração cujos pais viveram na guerra, e que por isso cresceram como “crianças mimadas”, que não se adequaram bem à rigidez imposta pela sociedade japonesa.
De qualquer forma, com o passar das décadas, “kawaii” tornou-se uma parte importante da cultura japonesa, e tem sido cada vez mais aceito no Japão, inclusive graças à popularização do conceito no mundo – por exemplo, através de marcas como a Sanrio e Pokémon. No Japão, a idéia de “kawaii” tem sido aplicada a praticamente tudo, desde designs de produtos, até desenhos em trens e aviões, mascotes de organizações, etc.
De acordo com o pesquisador Tomoyuki Sugiyama, exemplos dessa fofura na moda japonesa podem ser observados desde o período Edo, com a popularidade dos netsukes, que eram esculturas de miniatura que homens usavam para carregar coisas como cigarros e remédios quando estavam de kimono, já que kimonos não tem bolsos.
Nos dias de hoje, observa-se que a moda japonesa é muito influenciada por essa cultura “kawaii”. Dá pra ver isso pelo excesso de acessórios, cirurgias para “aumentar” os olhos, e por aí vai.
Pessoas de todo o mundo – em particular, dos países mais ocidentalizados da Ásia, como a Coréia do Sul e Hong Kong – têm o Japão como uma grande referência em termos de moda. Estilos novos são criados freqüentemente, não só por marcas, mas também por pessoas populares no cenário da Street Fashion japonesa.
Quando o assunto é moda japonesa, Street Fashion (“moda de rua”, isto é, estilos criados e adotados pelas próprias pessoas que passeiam por estes distritos centrados em moda) é uma das grandes tendências deste cenário. No Japão, pessoas que passeiam por esses lugares podem ser fotografadas, publicadas em revistas de moda, e terem seus estilos divulgados para todo o país – e fora dele.

Seguem algumas descrições curtas de alguns dos estilos mais populares de moda japonesa contemporânea, e que tem resistido mais tempo.


Lolita

O Lolita é possivelmente o estilo mais popular. Ele surgiu na década de 70, quando grandes marcas como Pink House e Angelic Pretty começaram a vender uma linha de roupas discretas, com alta qualidade de material e manufatura.
Esse estilo foi fortemente inspirado pela moda européia Barroca e Vitoriana, e diz-se que surgiu como uma reação contra a crescente exposição dos corpos nas sociedades contemporâneas.
Tipicamente, o estilo Lolita é caracterizado pela sua silhueta, que é reta exceto pela saia em forma de sino. Para adquirir esse formato é necessário o uso de anáguas. Esse estilo também se distingue por acessórios elegantes ou fofos, como jóias, etc.
Existem muitas variações de Lolita, dentre elas: Gothic, Sweet, Classic, Punk, “Shiro” (branco), “Kuro” (preto), “Oujisama” (príncipe) entre outros estilos, sendo que todos compartilham o fato de terem sido influenciados de alguma forma pela moda Européia da Modernidade. No entanto, as texturas, acessórios, e até roupas podem variar.


Kogal, Ganguro e Mamba

Outro grupo de estilos populares são o Kogal, o Ganguro e o Mamba. Esses estilos foram mais populares no fim dos anos 90, e foram associados a cantoras de J-Pop populares, como Ayumi Hamasaki e principalmente Namie Amuro.
Kogals – também conhecidas como “Gyaru” ou “Gals” – eram meio que as patricinhas japonesas, com suas maquiagens excessivas, cabelos tingidos, e roupas sexualizadas. Essas garotas eram vistas em escolas públicas (frequentemente porque foram expulsas de escolas particulares); Elas encurtavam suas saias do seifuku (uniforme), adquiriam uma caligrafia e um jeito de escrever peculiar – com muitos coraçõezinhos, gírias e abreviações, - tudo de modo a parecerem mais “kawaii”.
Em termos de identidade, essas garotas gostavam de exibir seu dinheiro – muitas vezes até obtido com seus trabalhos como enjou-kosai, isto é, acompanhantes pagas de homens mais velhos.

(!) Aproveito para recomendar dois mangás shoujo muito bons que tratam desse assunto! – Gals!, com a personagem Aya, que era uma acompanhante típica até conhecer as “heroínas” que a tiram dessa prática, e Torikagosou no Kyou mo Nemutai Juunintachi ("The Sleepy Residents of Birdcage Manor"), da artista de Seven Days, cuja história começa com um grupo de garotas que jogam um jogo de ver quem consegue enganar um cara por mais tempo, fingindo que vai para a cama com ele, e ganhar mais dinheiro com isso. Continuando...

Elas faziam isto usando roupas de marca, além dos seus gostos em música, revistas (tais como a Popteen), entre outros gostos.
Algumas dessas garotas começaram a bronzear artificialmente seus corpos, e passarem _concealer_ branco nas suas pálpebras, ficando assim com “olhos de panda”; Essas garotas eventualmente divergiram das outras gals e criaram um estilo chamado “Ganguro”, ainda mais rebelde que o Kogal. Diz-se que faziam isto para se opor aos conceitos tradicionais de beleza japonesa, como pele clara, cabelo negro e maquiagem leve. Esse estilo, quando levado ainda mais ao extremo, tornou-se o estilo Yamamba, que por sua vez tornou-se o Mamba. Esses estilos consistem em um bronzeado ainda mais intenso, maquiagem mais pesada, olhos de panda mais visíveis, colantes no rosto, nas unhas, grandes braceletes coloridos, batom branco, entre outras características.
Esses três estilos foram muito populares até o começo dos anos 2000. Variações atuais desses estilos são, por um lado, o Hime Gal, que foca no uso de roupas de marca caras – como Gucci, etc. – e por outro lado o B-Gal, que foca em parecer uma artista de R&B americana, com bronzeamento muito intenso e roupas de “gueto” americanas. (!) Aproveito pra indicar esse vídeo, que é um documentário muito bom sobre as B-Gals.

Visual Kei

Já me adianto pra dizer que não entendo muito deste tema, mas me arrisquei no trabalho, então aqui vai o que eu achei; Talvez alguém com um maior conhecimento de J-Rock e afins pudesse me corrigir em algumas coisas aqui! (eu confesso que sempre fui do J-Pop ( ;´Д`) !!)
Visual Kei, diferentemente dos estilos apresentados até então, não é exatamente um estilo de moda japonesa, mas é uma tendência que tem a ver com moda; Surgiu nos anos 80 com bandas de punk/rock japonesas, sendo X Japan a banda pioneira.
Visual Kei nunca foi um gênero musical, e isso é uma confusão comum que se faz. VK é mais um movimento dentro do cenário japonês, que emergiu quando membros de bandas indies inspiradas no glam rock, punk rock e metal, entre outros gêneros, começaram a se vestir de maneira andrógina, com penteados punk exóticos, para as suas apresentações. Faziam isso para se distinguir de outras bandas, e seus visuais passaram a fazer parte de suas identidades como bandas.
Com o passer das décadas, Visual Kei virou uma espécie de “modinha”; Músicas e visuais se tornaram supostamente menos originais. Bandas indies de VK mais recentes abandonavam o estilo assim que assinavam com gravadoras, para aumentar seus públicos. Na década atual, critica-se muito o Visual Kei, e a crítica é feita inclusive por ex-membros de bandas pioneiras do movimento, como a própria X Japan. Entretanto, o VK ainda tem muita influência dentro e fora do Japão.
Hoje em dia há ainda outras tendências similares no cenário musical japonês, como o Oshare Kei, popularizado pelo An Cafe ((!) sdds.), que é essencialmente uma versão felizinha do Visual Kei, com foco ainda maior no aspecto dos visuais, e um toque de Decora; O Angura Kei, Eroguro Kei, entre outros.


Decora

Decora é outro estilo de moda japonesa que foi muito popular em Harajuku no fim dos anos 90, e serviu de inspiração para uma nova onda de estilos coloridos e super-decorados, sendo um desses estilos o Fairy Kei.
“Decora” vem da palavra “decoration” (em inglês, “decoração”); Esse estilo se caracteriza pela sobreposição massiva de roupas e acessórios, de modo a criar um visual divertido que pode ser ainda complementado com brinquedos – tais como bonecos que fazem barulho, etc.
Esse estilo, desde o seu surgimento, é mais aberto do que outros estilos populares de moda japonesa, apesar de que fazer as combinações corretas de cores e peças envolve muitas tentativas e erros.
Cores mais comumente vistas no Decora tradicional são preto e rosa, entre outras cores neon e cores fortes. Quanto às roupas em si, hoodies eram comuns, assim como camisetas estampadas e saias de pregas simples. O que importava realmente eram os acessórios – meias, polainas, pulseiras, colares, presilhas, laços, orelhinhas, máscaras cirúrgicas, entre tantos outros.
Esse estilo acabou ficando bastante popular no ocidente, em particular entre fãs de moda e cultura japonesa, com a popularização da revista “FRUiTS”. Como a “cultura” otaku era bastante popular naquela época, outras tribos urbanas, como os “emos”-e-derivados e candy ravers acabaram incorporando características do Decora nos seus próprios estilos.
A forma tradicional do Decora ainda é popular no ocidente, mas no Japão ela eventualmente deu lugar a estilos alternativos, envolvendo aspectos guro, urbano, etc. e criando uma série de estilos que são chamados de “Neo Decora”. O Fairy Kei, de que tratarei mais a fundo num próximo post, é um desses estilos.



Falando em outras novidades, eu criei um twitter aberto pra servir de canal de trocas do blog, propagandas, muitas propagandas, OPINIÕES e panz, então pra quem tiver mais interesse nisso do que em saber o que eu comi no almoço - sigam @purikura_ ! (◡‿◡✿) 

E por último e não menos importante, eu criei uma comunidade no Facebook pra trocas, compra e venda de mangás na Baixada Santista, então se alguém aí por acaso morar na região, sinta-se livre para entrar!

♡~

3 comentários:

  1. yooo chell sua inscrição no concurso foi quase aceita \o \o \o só preciso que siga o love o mais rápido possível

    ResponderExcluir
  2. uuuuuu gostei da postagem bem fofinha =)

    visita my blog flor >> hime-cosplaykawaii.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Hime! *-*
      Digo o mesmo do seu blog, haha~ (sim, já o conhecia) c:

      Excluir