terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Jogos: Cute Japanese Games



Olá, pessoal ~

O primeiro post do ano é super breve, apenas para justificar parcialmente minha ausência e tentar me redimir parcialmente. Talvez vocês não saibam mas eu tenho um canal do Youtube com Let's Plays de jogos em japonês, e eu gosto muito deles. É uma coisa que venho fazendo por hobby e também para servirem de inspiração, e não tem nenhuma relação com o blog ou obrigações, mas uma vez que é pertinente às temáticas do blog achei que seria legal compartilhar finalmente, já que vou tentar gravar um vídeo por domingo e vou consequentemente ter menos tempo para o blog (que segue recrutando!). Os LPs estão em inglês, e são majoritariamente de jogos em japonês ótimos. Espero que gostem ^_-

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Música: VAV


Eu prometo que não somos um blog de música asiática.

...

VAV no Dreams!! *escreve post* 


*caham* 

Para quem ainda não sabia, ano que vem vai ter Anime Dreams novamente. Lembram? O evento da Yamato que coexistia com o Ressaca Friends nesse período de férias de fim de ano até eles decidirem que era irrelevante e cancelarem sem aviso prévio? Pois é. A Yamato vendeu alguns eventos, e decidiu que vai voltar com o Anime Dreams em compensação. Basicamente a estratégia das empresas inteligentes de vender um negócio que tem certeza que vai flopar nas mãos de outro grupo e lançar um concorrente para ganhar muito dinheiro no final. E sinceramente, merece. 

Enfim, e esse Anime Dreams vai trazer uma estrela do k-pop! Eles lançaram a aposta na página do Facebook e descobriram que é o VAV, grupo debutado em 2015 que é em grande parte nugu mas que acabou mudando muito sua formação em 2016 o que resultou em estarem fazendo um comeback ótimo atrás do outro esse ano e finalmente ganhando algum reconhecimento nesse planeta. Eu comentei sobre eles justamente por conta desses comebacks no último compilado de k-pop que eu fiz, e adivinhem se não fiquei super feliz com a notícia? E no final das contas eles acabaram anunciando que iam realizar fansign e show em diversas capitais, então vai valer a pena. 

Eu resolvi escrever esse post porque, conforme eu comentei no último post de k-pop e minha seleção usual, eu não conhecia os garotos do VAV até pouquíssimo tempo mas acabei escutando e gostando bastante. Flower é extremamente catchy com o seu "uh-huh-huh" e o xilofone é gracinha, ABC foi ótima, e o último comeback She's Mine simplesmente terminou bem o ano dos meninos. Para um grupo que conforme descobri depois começou mal falado por ter músicas ruins, bem... confesso que é um dos poucos grupos de k-pop da atualidade que eu levaria tranquilamente um amigo para ir ver o show comigo e diria sem medo que gosto das músicas. São pop legaizinhas! Somando esses fatos com os meninos em si serem super simpáticos - deram algumas entrevistas em português, eu vi um dia sem conhecer e curti - e serem adultos - o que deixa meu eu de 24 anos menos self-conscious sobre gostar deles. Afinal, metade tem mais idade e a outra metade não é tão novinha... Bem, o que dizer? Simpatizei. Não poderia estar mais feliz com a vinda deles nesse momento oportuno, então queria entrar no fandom e ao mesmo tempo puxar gente comigo. Vamos gritar muito *^_-*

sábado, 25 de novembro de 2017

Moda: Estilos de moda japonesa - ou inspirados em moda japonesa - recentes


 Para contrapor um pouco o tanto de velharia que eu postei aqui quando falei de gyaru, o post da vez é para falar sobre estilos em alta. Afinal, gyaru pode ser qualquer coisa menos "in", mas existem vários estilos de moda atualmente "in" no Japão e é sobre eles que eu quero falar hoje.

Afinal, nem todos tem acompanhado o que acontece na moda japonesa ao longo dos anos e a gente realmente não devia ter a obrigação de procurar em dezenas de websites japoneses até descobrir por que tem uma galera se pintando de verde. Apesar de não ser tão fã de todos eles, meu intuito é fazer um resumão que não se encontra tão fácil na Internet, infelizmente. Então espero sinceramente que meu guia ajude algumas pessoas. *^_^* Agradeço de coração!

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Moda: Gyaru - História, subestilos e opiniões


Finalmente eu me pus a escrever o tal post sobre Gyaru que prometi há muito tempo quando falei de Agejo. O que era pra ser um postzinho falando sobre como eu conheci gyaru e dando uma geralzona acabou virando um post enorme pra explicar de uma forma bem geral o que é Gyaru, porque eu senti que faltavam fontes com expertise e pouco viés na Internet brasileira em geral, e daí deu nisso aí. Se vocês gostarem, talvez depois eu escreva alguns outros individualizados sobre alguns dos meus subestilos favoritos. Por hora, espero que curtam a Gyaru Bible que eu escrevi! Talvez - provavelmente - você tenha menos de 18 anos se nunca ouviu falar em gyaru, porque é um estilo que teve seu auge no início dos anos 2000 - na época da Gwen Stefani Harajuku e anime de Super Gals! e tal - e depois praticamente su-miu. Ué, por quê? Vem ler o post que você descobre o que raios é gyaru, por que sumiu e várias outras coisas que vão te fazer querer aderir ao estilo!

Gostaria inclusive de observar antes de iniciar que eu realmente não seria a melhor pessoa no planeta para escrever a postagem porque a) não sou japonesa nem descendente, b) não tenho um entendimento firme de história e cultura japonesa além da cultura popular - admito! - e c) não sou gyaru. Com o aviso, quero deixar claro que o que fiz foi apenas traduzir alguns artigos e fazer algumas associações com o que eu conheço e gosto. É difícil também explicar as nuances porque o que parece perfeitamente normal na nossa sociedade - encurtar saias? Ué - é extremamente rebelde e desafiador em uma sociedade tão conservadora quanto a sociedade japonesa dos anos 70, como podem imaginar, e as pessoas que viviam esses estilos de vida eram completamente desviantes dos padrões da sociedade japonesa - talvez mais até, em certo sentido, que os criminosos. Dessa forma, eu tento apenas transmitir o que sei nesse post. Espero que ajude e sintam-se livres para me corrigir ali nos comentários - se você se considerar a melhor pessoa no mundo (ou ao menos no país, estado, sei lá) para falar sobre o assunto, por favor deixe um comentário me corrigindo e sinta-se livre para escrever um post. Eu até apago esse aqui ou linco o seu, sério. É uma história muito interessante e muito difícil de encontrar qualquer material sobre em português.

Uma última observação - Muitas informações foram tiradas de sites que infelizmente nem existem mais como o maravilhoso Galaxy 109 e outras foram tiradas da minha memória, então carecem de muitas fontes, mas garanto que são fidedignas e espero que essa série ajude quem está querendo conhecer sobre Gyaru e entrar nesse mundo maravilhoso agora ou mesmo quem quer expandir os conhecimentos acerca do estilo. Sejam bem vindos! Divirtam-se e vamos lá ~

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Música: J-music, meu antigo vício - Parte 3 - Visual Kei

Talvez vocês não saibam que o Piko do famoso Magnet com Sekihan agora é solista. Tenham bons pesadelos. 

Olá, galerinha! O post da vez é para desinfectar um pouco o blog de conteúdos pouco relacionados enquanto eu não comento sobre a temporada, nem o Gus comenta sobre Inuyashiki. Não me culpem, é época de premiações coreanas.

Eu sei que muito já foi dito aqui sobre j-music, mas o post da vez é um pouco diferente. Conta especificamente com as minhas recomendações de bandas visual kei. Por um motivo muito simples: eu literalmente estou tentando não afogar no visual kei hell. A coisa chegou em um ponto de ridículo que eu já comprei 2 CDs de k-pop afinal quem está escutando k-pop não está escutando entrevista com o Gackt. De alguma forma o que era um "desgosto" em 2003 se tornou uma "apreciaçãozinha" em 2007 e agora em 2017 eu tenho por mim que meu destino é "se tudo der errado viro vkezeira no Japão", e as coisas estão indo de mal a pior ainda. Mas, bem, vamos fingir que ainda resta sanidade neste pequeno corpo e só recomendar músicas ao invés de investigar minha obsessão torpe. Espero que gostem!

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Música: Artistas de K-pop que pisaram em terras tupiniquins!

Sem contexto sem sentido sem 

Três posts de k-pop seguidos no meu blog de anime? Eu... desculpa. 

O que Super Junior, NU'EST e KARD tem em comum? Se você disse "são capopeiros", acertou, mas tem uma outra coisa: os 3 fizem shows no Brasil e cantaram músicas de artistas brasileiros! Não fazia ideia? Então esse post lhe alegrará ^_-

O post de hoje feito no calor da procrastinação (e qual não foi né) para falar um pouco sobre artistas de k-pop, especificamente, que vieram para o Brasil. Com k-pop especificamente eu quero dizer artistas que vieram dessa adorável e exploradora indústria e não simplesmente quaisquer artistas coreanos; também já recebemos alguns rappers e solistas incríveis, , mas que não se encaixam no k-pop e por essa razão deixei de lado da lista, apenas comentando depois. Por favor, sintam-se livres para me lembrarem de algum que eu eventualmente tenha esquecido nos comentários e adicionem o que quiserem aí também. Meu intuito com o post é informar aqueles que não puderam ir e quiçá dar esperanças aos interessados em verem os oppas de perto! Espero que ajude!

domingo, 12 de novembro de 2017

Música: Kidney function is not a right it’s a privilege - A cultura do K-pop e meus temores


 Contexto. 


Raios problematizadores, vão!


Olá, galera. Eu podia fazer coisas úteis - estudando, digamos? - mas estou optando por escrever um post relativamente inútil para vocês que também tem tendência a problematizar coisas aparentemente inocentes. Afinal, como diria Douglas Adams:

1. Anything that is in the world when you’re born is normal and ordinary and is just a natural part of the way the world works.
2. Anything that's invented between when you’re fifteen and thirty-five is new and exciting and revolutionary and you can probably get a career in it.
3. Anything invented after you're thirty-five is against the natural order of things.


Eu estou para fazer 24, o que justifica. Explicadas essas coisas, vamos ao assunto. Que nem chega a render, praticamente um desabafo.